Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2013

Freitas saiu da casca

“Infantilismo político, passividade mal-intencionada” disse Freitas do Amaral referindo-se aos Deputados da Assembleia da República.

Julgo que 95 por cento dos portugueses lhe secundarão as palavras.

A Assembleia da República está totalmente descredibilizada. Tem Deputados em excesso, inúteis e parasitas.

As palavras do Freitas levam-me a algumas considerações:

A primeira é que o ser humano, com raras exceções, só atinge a plenitude das suas capacidades a partir dos sessenta e cinco anos.

Agarremos como exemplo o Professor Freitas do Amaral.

É um homem muito inteligente e de larga cultura. Pensa bem, fala bem, escreve bem, mas ouve mal.

Freitas rejeitava as sugestões de quem ele julgava que tinha pouca capacidade para lhas dar. Expulsou o General Galvão de Melo do Partido porque este, naturalmente e sem qualquer fim acintoso, disse numa entrevista, julgo que na RTP, que o Professor Freitas do Amaral ainda tinha muito que aprender. Tentou fazer o mesmo a outro Deputado, por este se recusar a votar contra Nobre da Costa. Não o conseguiu expulsar, porque os seus pares votaram contra. Amuado, esteve meses sem aparecer no Parlamento.

O Deputado, em causa, ficou triste porque admirava sinceramente o Freitas, e Portugal ficaria melhor servido com a sua inteligência. A política à portuguesa tinha-o desiludido totalmente.

Quando Freitas do Amaral foi candidato à Presidência da República em 1986 e teve na Primeira volta 46 por cento de votos, a larga distância de Mário Soares, Salgado Zenha e Maria de Lurdes Pintasilgo, todos os apoiantes se felicitavam. Fizeram um Jantar no Clube dos Empresários, onde os oradores foram pródigos em elogios e cânticos de vitória. Só que há sempre um surdo a estragar a festa. Levantou-se e demonstrou que o Professor Freitas do Amaral ainda não tinha ganho e podia perder. Houve um sentimento de mal-estar. O jantar acabou, não sem que o ex-deputado, a quem Freitas tinha feito um processo disciplinar e com quem estaria zangado, agarrasse no braço de Proença de Carvalho, mandatário Nacional de Freitas do Amaral, e lhe dissesse: “Proença, eu sei como o Freitas nunca perde, mas ele tem de falar comigo.”

Freitas não falou. Tanto o General Galvão de Melo como o outro ex-deputado ofereceram as armas ao adversário. O português das Beiras é frontal e amigo do próprio inimigo. Mas "quem não se sente, não é filho de boa gente.” Pode perder tudo, menos a dignidade.

Vêm estas recordações à baila por causa do "infantilismo dos Deputados, cuja passividade mal-intencionada", quer ficar a bem com Deus e com o Diabo, não se importando nem com as consequências de candidaturas falhadas, nem com Portugal, nem com as centenas de milhares de euros gastos.

Freitas, que é homem muito inteligente, saiu da casca, atingiu a maturidade. Faço votos que a conserve até ao fim da vida e continue a ter a coragem de, no momento certo, dizer ao País o que pensa, doa a quem doer.

Acima de todos os Partidos, da ignorância, dos videirinhos e da manipulação parlamentar está Portugal.

C.S

publicado por regalias às 07:25
link do post | favorito
|
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Os jovens têm de saber ti...

. Saber ouvir, saber pensar...

. Exército Europeu para aca...

. O Panteão e os Pantaleões...

. Os bacanais dos Bispos em...

. Um país de pataratas e a ...

. Salvar Portugal: divulgar...

. Aprender naturalmente, se...

. Robots, bem-vindos a Port...

. Os 80% dos médicos que fi...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds