Sábado, 29 de Novembro de 2008

Atrasados mentais ou professores?

Apelar aos professores que participem na próxima greve dizendo-lhes que os professores com P grande vão à greve é a tentativa de chantagem de um pequeno demagogo, deslumbrado com a facilidade como manipula os professores sem capacidades. Vê-os como atrasados mentais incapazes de  responder a um teste de avaliação por menor e mais simples que seja.

Apelar ao P grande é depreciar as aptidões dos professores. É falar-lhes como a garotos pouco cultos e que só entendem o que qualquer analfabeto compreende.

Os sindicatos mentem sem escrúpulos ao afirmarem que "o Ministério não pode transferir o ónus da inflexibilidade para os sindicatos".

Então os sindicatos, depois das grandes cedências do Ministério, agora exigem que o Ministério retire todo o Modelo de Avaliação e sejam eles a dizer como se faz? Afinal quem Governa o País? Há ou não Governo?

Os comunistas à frente dos sindicatos pensam-se outra vez no Prec. Não lhes importa o beco em que estão a meter os próprios professores que cada vez mais são desrespeitados pelos alunos que não vêem neles um exemplo, mas um grupo de insubordinados preguiçosos que rejeitam os seus próprios deveres.

Não irão longe os professores se os pais dos alunos lhes retirarem a confiança.

C.S

publicado por regalias às 10:04
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Dinheiro maldito

Desde a entrada do século XXI que o mundo acelerou a velocidade. Entrámos numa era perturbadora.

O ser humano, deslumbrado com a inovação diária e a facilidade como é possível fazer dinheiro e enriquecer de um dia para o outro, tem-se esquecido dos menos cultos e por via disso dos mais pobres, daqueles que por falta de instrumentos não sabem criar riqueza nem prazer, nem gosto de viver, mas criam ódio, inveja e destruição como aconteceu com as Torres Gémeas nos Estados Unidos e agora em Bombaim, na Índia.

A falta de dinheiro e de cultura que destruiu, em poucos minutos, alguém que tinha dinheiro e o gastava a seu belo prazer sem cuidar das dificuldades dos seus semelhantes, tornou-se em dinheiro maldito que desfez os seus possuidores.

Fazer dinheiro é fácil. Fazer dinheiro é um acto de cultura, de imaginação e de trabalho.

O bem-estar concedido pelo dinheiro é proporcional ao saber e o saber pode ser levado a todas as partes do mundo e aos recantos mais atrasados por algo que é acessível a todos: a Internet.

Por que não usam os Governos a Internet para incrementar o saber nas escolas? Por que, em vez de concederem subsídios para inutilidades, os Governos não utilizam os computadores e a Internet para ensinar como se rentabiliza uma região e se cria riqueza?

Se não seguirem esta linha, ou outra semelhante, de nada valerá o dinheiro porque haverá sempre quem considere maldito aquele que o possui e por isso tenha de ser destruído.

C.S

publicado por regalias às 13:42
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

Ditadura professoral

Os verdadeiros ditadores chegaram no pós 25 de Abril e têm tentado manter-se até hoje.

Com o 25 de Abril, com as prisões, com o cerco ao Parlamento, com imposições de toda a espécie, os ditadores, pretenderam aterrorizar o povo e eternizar as suas vontades. Quase o conseguiram, mas falharam pelo desprezo que as populações lhes votaram.

O povo sentiu vergonha e nojo pela corja de oportunistas que, o Golpe do 25 de Abril, gerou.

Toda a gente aceitou a pequena revolução e por isso os nove milhões de democratas que existem e os restantes parasitas que vivem à custa da boa vida e dos chorudos ordenados.

A Ditadura professoral-sindical que pretende impor, ao Governo, as leis deve acabar por ter um fim triste.

Os do corpo ao alto nem querem esta avaliação ministrial nem qualquer outra, o que lhes interessa é o barulho, a confusão e a ignorãncia. Os infelizes esquecem que têm filhos e que estes acabarão por sofrer da ditadura que, os não avaliados, pretendem impor.

Na verdade, como é possível avaliar os que não têm valia?

C.S

 

 

publicado por regalias às 13:25
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008

Um País de anarcas

Embora não pareça este é o melhor País do mundo, e sempre foi assim desde que me conheço. E já me conheço há sete décadas.

Viajei por muito mundo. Nas democracias mais avançadas verifiquei que o Governo que hoje apelidam de Ditadura era bem mais democrático e permissivo do que todos os outros.

Não havia só segurança, havia confiança. Nele existia a apetência para a anarquia que era contrabalançada com muita paciência, persistência e firmeza.

Já escrevi, várias vezes, que era muito mais livre em Portugal do que em Inglaterra, na França, na Alemanha ou nos Estados Unidos onde a total liberdade impunha a total responsabilidade por actos que em Portugal nunca eram punidos. Em alguns desses países o castigo era severo.

Hoje continuamos na mesma. Ninguém se importa se o Governo está ali para governar. Cada um quer fazer o que lhe apetece, e faz, embora, um dia, as consequências possam ser gravosas. Mas enquanto o pau vai e vem, folgam as costas.

É o Jardim na Madeira, é o dos Açores, são os professores, são os funcionários das conservatórias. São todos aqueles que preferem o viver, o ser, e fugir das regras e do trabalho.

Também eu sou devoto de são Anarca.

Não aceitadando nenhum Governo, compreendo que filhos e netos tenham outras ideias e direito a futuro diferente. Só por isso tem de haver alguém que dirija o barco para que ele não se afunde.

C.S

publicado por regalias às 11:08
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

Os energúmenos e a Ministra

Nos dias que correm, para ser governante,  é preciso ter paciência de santo e muito amor a Portugal e às suas gentes.

Não foram os alunos que cometeram a infâmia contra a Ministra Maria de Lurdes Rodrigues, foram os energúmenos que os armaram de ovos e os incitaram à canalhice.

Com professores destes, desgraçados vão ser os estudantes, que nunca serão ninguém na vida porque mais não aprendem do que o ódio, a contestação e a preguiça de quem se recusa a fazer uma simples avaliação e não tem pejo de recorrer aos dom-fafe, aos piscos-chilreiros, que são os garotos arregimentados, e que não têm consciência do mal que a eles próprios causam para, outros, atingirem os seus sórdidos e levianos fins.

É o rebotalho deste país na lama. 

Oxalá a Ministra esqueça a ofensa das crianças, mas saiba como lidar com a estultícia destes adultos sem vergonha e que, certamente, não serão naturais da honrada e nobre cidade de Fafe.

C.S

 

publicado por regalias às 19:02
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 1 de Novembro de 2008

O Pacheco, o Magalhães e o "Público"

Leio, desde sempre, o jornal "Público". Não resisto ao Calvin & Hobbes, ao Vasco Pulido Valente, ao Vital Moreira, à Esther Mucznik, à Faranaz Keshavjee e ao Pacheco Pereira. O jornal lê-se bem. Tem sumo. 

O Pacheco, este, dispara a toda a caça. Hoje deu-lhe para implicar com o "venderdor de cobertores, com o caixeiro-viajante". Sei que não está a fazer favor ao "Público" na demolição do Sócrates. É feitio. Escreve bem e poderia arrasar se o País fosse de preocupações. Não é. Isto é o país do faz-de-conta, algo irreal, onde os meninos-prodígio e endinheirados preferem uma zona ribeirinha só sua e sem rentabilidade do que a um bem estruturado, agradável e rentável porto de contentores. Preferem a fachada porque dinheiro não lhes falta. Da mesma epidemia sofre o inteligente Pacheco. Para ele vender computadores, fazer-lhes a propanganda é impróprio de um Primeiro-Ministro. Não lhe interessa as dificuldade por que o País está a passar. O Pacheco é um conservador que ainda defende, com a coragem que lhe resta, os pergaminhos do século XIV.

Muitos portugueses, opulentos e gorduchos, são como o Pacheco; querem os benefícios, mas não querem os sacrifícios ou o desconforto de vender os tapetes para não venderem as pratas. Para eles, quando acabar, acabou. A inteligência e os estudos garantem-lhes a sobrevivência em qualquer parte do mundo.

O Primeiro-Ministro e os outros ministros podem não ser aqueles que gostariamos que fossem, mas, verdade seja dito, têm-se esforçado para salvar o País, que desde o PREC nunca mais conseguiu levantar a cabeça por incapacidade, por vergonha de vender cobertores, mas não se importando de um milhão e oitocentos mil pobres que começam a estender a mão à caridade alheia e que, infelizmente, não lêem o Pacheco porque o euro e 40 cêntimos ou não o têm ou lhes faz falta para comprar pão.

C.S

 

publicado por regalias às 13:12
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

14
15
16

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Trump na boca dos repugna...

. João Soares preferia a de...

. Bush, Obama e outros imbe...

. Democracia desculpa corru...

. Trampadisenteria contra o...

. Antena1, Línguas, Ensino ...

. União Europeia e as sançõ...

. CDS, no futebol dá toques...

. Autoeuropa: pica a cevada...

. Os loucos irresponsáveis ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds