Quarta-feira, 25 de Abril de 2012

O 25 de Abril libertou os instintos

O 25 de Abril, ao contrário do que os propagandistas vindos do estrangeiro disseram, não trouxe mais liberdade do que havia antes.

O que o 25 de Abril libertou foi a libertinagem desbragada, soltou os piores instintos consubstanciados nos roubos e ocupação de casas, dos roubos e ocupação de herdades, o saquear de embaixadas e de palácios, a prisão de milhares de inocentes, a destruição de empresas prósperas e o consequente desemprego dos trabalhadores que enganados por uma "liberdade" de estupidez e de infâmia colaboraram na sua própria desgraça.

Os oportunistas que vieram de fora encheram os bolsos com as políticas que delinearam e levaram avante com a anestesia continuada do Povo através de três drogas adulteradas: liberdade, fascismo e ditadura.

Quem chegou juntou-se aos "heróis" de opereta que fizeram o 25 de Abril e declararam liberdade para a asneira. Os militares que já em 28 de Maio de 1926 tinham feito outro golpe para acabar com a Primeira República foram os mesmos que implantaram a Ditadura.

Salazar ficou com a fama, os militares com o proveito. O Mário Soares, que foi quem mais beneficiou com o 25 de Abril, chama-lhes heróis. Os simplórios acreditam e sorriem apatetados.

O povo foi enganado porque é relapso no estudo. Não estuda, não sabe. Qualquer vigarista encartado o engana.

O povo não estuda, não por culpa dos Governos. Tanto na Primeira República com Afonso Costa, na Segunda República ou Estado Novo com Salazar e na Terceira República com Sócrates, todos eles se esforçaram por obrigar o povo a estudar. Este prefere fazer o que lhe apetece. Resultado: sofre as consequências quando os abutres lhes conhecem as fraquezas.

Gritaram Democracia os parasitas que chegaram e os militares do Golpe. Toda a gente achou bem. A mudança de regime era indiferente. A paz estava assegurada, o País progredia a bom ritmo, era a continuação para o progresso que o tempo e a sensatez produzem.

Com os que chegaram salientou-se o maior facínora e traidor que a história de Portugal há-de marcar com a nódoa mais negra que alguma vez caiu sobre este País de sonho e fraternidade. Álvaro Cunhal, o escarro humano, vomitou comunismo.

De todas as excrescências que minaram o País, os comunistas oportunistas excederam em estupidez, maldade e instintos primários qualquer dos outros grupos que arrastaram Portugal para o atoleiro em que hoje se encontra.

O comunista oportunista anda de cabeça baixa, foge ao trabalho, tenta fixar o que os do Comité Central lhe enfiam no bestunto. Mas comunista é sinónimo de mentecapto, são raras as excepções. Aquilo que aprendem é confuso. Confusas são as suas palavras para justificar o que eles próprios não entendem. São os instintos que os empurram. Não são capazes de uma ideia, de entender que comprometem o futuro dos filhos.

O comunismo Soviético acabou. O comunismo português nunca existiu. Foi sempre mentira, engano e roubo. É altura dos que ainda estão a ser comandados pelo bando debandarem.

Outro 25 de Abril, igual a este, nunca mais.

Viva a Democracia!

C.S

publicado por regalias às 06:17
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Abril de 2012

A quádrupla aliança que desgraçou Portugal

Os libertadores do paleio,

Os aldrabões e os farsantes

Continuam neste tempo, os tunantes

Que através de linguagem florida,

Colorida e inflamada,

E da libertinagem escondida

Desgraçaram Portugal.

Desde que voltaram ao redil

Nessa manhã de Abril,

O Luso anda de mão estendida

Pelo mercado mundial.

Mas oiçam os libertadores da língua,

Oiçam os seus cantores,

Todos de bolsas sonantes

Cheias de muitos milhões.

Comparem o Alegre, o Soares, o Almeida

À fome semeada

E vereis que entre actos e palavras

Para os outros não sobrou nada.

E tudo começou na Quádrupla Aliança

Quando o Cunhal amarrou

Mais três ao discurso fatal:

O Melo, o Almeida e o Soares

Que na descolonização exemplar

Mataram centenas de milhar

De inocentes, que morreram sem saber

Que não podiam confiar

Em quem não os deixava entrar

Em Portugal.

Foi assim que, massacrados na Guiné

Morreram centenas de homens válidos.

Os assassinos que ficaram

Morrem ao longos dos anos

Vítimas da vingança, gerada pelos enganos

Dos libertadores e destes linguajadores

Que contentes e de barriga cheia

Continuam o paleio contumaz.

Faz versos à Troika o rapaz

Para esconder o que está à vista:

A verdadeira tripla que assina A.S.A

E come do bom e do melhor

Enquanto o povo libertado

É alimentado a alpista.

Para estes libertadores da linguagem,

Das desilusões, das mentiras e da miragem:

Traque, traque, traque.

C.S

 

 

 

publicado por regalias às 06:18
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Abril de 2012

As consequências do massacre Líbio

Depois do genocídio, do povo Árabe da Líbia, provocado pelas três bestas que o instigaram e forneceram o sofisticado equipamento destruidor, e os assassinos militares da NATO que levaram a efeito o massacre Líbio com uma crueldade própria dos piores facínoras, a Rússia e a China tiveram a certeza que os infames aproveitariam a melhor oportunidade e logo que dessem sinais de fraqueza seriam os próximos alvos a abater.

Os chacais cegam à vista do primeiro sangue. Ninguém mais consegue deter a carnificina.

Napoleão e Hitler só não venceram a poderosa e imensa Rússia porque o general Inverno os petrificou. A própria Natureza teve de ir em socorro do colosso Russo, caso contrário este teria soçobrado apesar da valentia e do sacrifício de todo o povo.

Os canalhas, que eu matei no meu pensamento e por isso já não lhes cito os asquerosos nomes, perderam toda a credibilidade entre os povos russos, chineses e árabes. Estes últimos suportam-nos e dizem-lhes amem porque os temem. Com Putin e Hu Jintao, o caso é diferente. São homens inteligentes, cordatos e compreendem o valor da vida e o seu sentido. Os que destruíram a Líbia e o seu progresso não passam de monstros que a história repudiará para que o seu exemplo não frutifique.

Os distúrbios e as mortes causadas na Síria, tanto pelo Governo como por opositores ao mesmo, e que segundo a Comunicação Social já provocou cerca de 8 mil mortos, não se comparam às centenas de milhares de mortos e deslocados que os aviões da NATO fizeram em território Líbio, por um acontecimento sem qualquer importância e que certamente poderia ser resolvido através das vias diplomáticas se a Comunicação Social tivesse sido isenta e não uma corja de vendidos ao capital e à ignomínia.

Os três chacais, deste homicídio em massa, aproveitaram o momento para, com uma penada, atingirem dois objectivos: matar o maior número de árabes e roubar-lhes tudo quanto pudessem, tal como estão fazendo com os poços de petróleo, hipotecados durante dezenas de anos pela "ajuda" concedida à meia dúzia de opositores a Kadhafi.

Esta infâmia pôs a China e a Rússia de sobreaviso. Por este motivo vai ser muito complicado parar conflitos em zonas sensíveis. A desconfiança instalou-se em todo o mundo. 

As grandes potências podem explodir de um momento para o outro. Elas sabem que o primeiro a atacar levará vantagem, mas também estão conscientes que poucos ou nenhuns ficarão para contar a história.

O mundo encontra-se neste dilema porque o massacre dos árabes da Líbia deixou a nu a irracionalidade do ser humano.

C.S

publicado por regalias às 06:26
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Abril de 2012

O Seguro e os conselheiros reciclados

O Menezes de Gaia, também conhecido pelo choringas televisivo do Norte, incapaz de se afirmar no seu próprio Partido, resolveu armar-se em conselheiro de António José Seguro, tal como já tinha feito o seu émulo de câmara baixa e perdida para o Jorge Sampaio, este, já de créditos firmados e palheta mais estudada.

O descaramento do Luís de Menezes e Gaia é igual ao do Marcelo de Sousa e Lábia. Dois fracassados no Partido da laranja, mas autoproclamados técnicos na ascensão do Partido Socialista à sua fragmentação, caso, Seguro, desse ouvidos a estes doutores especialistas; um dos humores figadais e outro dos vasos lacrimais.

O Filipe e o Marcelo podem fazer parelha, juntar-se ao Jerónimo e ao demagogo da CGTP. Emparelhados os quatro, a quadriga tentará acabar com a honestidade, o trabalho e o bom senso que, até agora, António José Seguro, tem demonstrado.

O Seguro olha estes aventesmas, hesita em os mandar abaixo de Braga e a não perder tempo a ouvir quem não merece pingo de confiança.

O Menezes, o tipo ridículo e convencido que foi chorar nas televisões, que foi um aborto de ideias, palavras e actos enquanto cabo do PSD, abana os braços e as orelhas e brada: "Precisamos muito do PS, precisamos de uma alternativa credível!". É preciso descaramento. Um desacreditado a vender credibilidade. Acrescenta o inocente que o PS deve saber tirar lições do passado e reciclar-se.

Ó Menezes, você e o Marcelo, nem reciclados nem recauchutados valem dois minutos de atenção, mas como a Comunicação Social vos cobre o lombo têm de engolir estes desabafos, já que o António José Seguro tem mais em que pensar.

Portugal atura e vomita demagogos desde o 25 de Abril de 1974. O País passa fome por causa de gente como o Menezes e o Marcelo, que além de nunca terem tido a coragem de denunciar e se opor aos desmandos que deixaram o País em farrapos, comem e bebem do bom e do melhor sem se preocuparem com os dois milhões que arrastam na lama a vida.

Deixem-se de asneirar. Tenham maneiras.

C.S

publicado por regalias às 06:20
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Abril de 2012

O comentador e o cordeiro de Páscoa

António José Seguro foi o cordeiro de Páscoa do Marcelo rabelo, que também assina rebelo quando pretende excitar à rebelião.

O Sousa está vidrado de cólera. "O quê, o Seguro fazer-me frente? A mim, que sou sousa? O rapaz não está bom da cabeça. Meninos como ele mandíbulo ao pequeno almoço. O Seguro é papado no jantar de Páscoa e regado a vinho alentejano".

Este sousa quer também fazer dos outros patos. Lança o vitupério e fica com a mesma cara deslavada de sempre.

Perdeu a vergonha e o medo. É conselheiro de Estado, julga-se imune à réplica. Aproveita as pequenas divergências socialistas para as aumentar lançando o mexerico, a intriga, amesquinhando o líder, reduzindo-o a papel secundário e de passagem breve.

O Marcelo, que já bebeu do lodo das Tágides quando profanou as suas águas, não sabe o que há-de fazer para chegar a Presidente da República. Para Presidente de Câmara foi chumbado.

O Marcelito, vil e miserável mensageiro, perde dia-a-dia a graça que o seu protector, Marcelo Caetano, a quem o Rebelo chamou Ditador, lhe emprestou.

Marcelo, o emproado professor, o garoto ignorante que passou a homem inteligente devido ao estudo e ao apoio desse homem honesto que foi Marcelo Caetano, que o incitou a compulsar alfarrábios e lhe abriu caminhos, julga-se no direito de apoucar outro homem honesto e amante do seu País como é António José Seguro.

O Marcelo aprendeu a jogar com a crueldade das palavras. O professor da babada sabedoria atira as setas vis e envenenadas sabendo que, com elas, fere gravemente o carácter dos homens sérios.

O vigário pregador das noites da TVI, não se preocupa com Portugal nem com a consequência das suas palavras. Marcelo está deslumbrado com o seu umbigo e com a sua voz.

Este sousa é assim como os cães que ladram ao vento.

Quer polémica? Vá falando. Para não ficar a murmurar sozinho tenho de arranjar alguém que lhe dê troco.

C.S

 

publicado por regalias às 06:15
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Abril de 2012

Marcelo é um golpaças do caraças

Rebelo dissipa as suas frustrações atacando, esbracejando, bazofiando a cultura que bebeu com Marcelo Caetano, a quem este escorpião inquieto chamou Ditador sem se importar com a mentira assassina e com a grande amizade que unia o honrado pai ao honrado homem de Estado.

Marcelo não olha a meios para lançar a confusão, certo que a sua inteligência e a imbecilidade de quem nele acredita farão o resto.

António José Seguro, na procura de um ponto de convergência entre os portugueses que amam Portugal, tem-se esforçado por encontrar a via que salve o País do descalabro em que entrou. Só o pode fazer através de reformas e de honrar os compromissos que o Partido Socialista assumiu no tempo de José Sócrates.

O Marcelo de Sousa prefere juntar-se ao Pedroso e ao Sérgio para que os três dando ao rabo e à língua contaminem o que resta do amontoado de cacos em que políticos, sindicalistas, comunistas e outros arrivistas colocaram Portugal.

O Sousa prefere que todos continuem a navegar nas águas salobras e que nada mude. Para ele, Estatutos e Constituições, devem manter-se eternamente. Greves? Quantas mais melhor. Sobre estas, nem tuge nem muge. 

O Marcelinho dos tempos do grande amigo e protector Marcelo Caetano evoluiu...para o incoerente Marcelo do martelo. O homenzinho julga-se um gigante. Ainda não percebeu que as suas piruetas são iguais às do bobo pigmeu que diverte e protege o capital que lhe paga principescamente para o fazer.

Alguém ouve o Marcelo a defender a diminuição dos deputados?

Alguém ouve o Rebelo a defender uma maior igualdade e equilíbrio entre o que ele e outros como ele ganham e os dois milhões, que exangues, morrem lentamente neste País onde a trapaça e os direitos adquiridos, durante o PREC, ganharam estatuto de honestidade?

Alguém ouve o Sousa defender o bom senso?

Ninguém. O Sousa é mesmo sousa. A Diferença entre ele e o António José Seguro é abissal. Ele, Marcelo Rebelo de Sousa, vive a Linha, Cascais, a intriga, o dinheiro. António José Seguro conhece a austeridade Beirã, o sacrifício e o amor a Portugal.

Ó Marcelo, você é um golpaças do caraças! Quando é que ganha juízo e deixa de lançar petróleo na fogueira? Por que não aproveita a cultura e a inteligência, que dela deriva, para ajudar a salvar Portugal?

C.S

publicado por regalias às 06:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

14
15
16

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Trump na boca dos repugna...

. João Soares preferia a de...

. Bush, Obama e outros imbe...

. Democracia desculpa corru...

. Trampadisenteria contra o...

. Antena1, Línguas, Ensino ...

. União Europeia e as sançõ...

. CDS, no futebol dá toques...

. Autoeuropa: pica a cevada...

. Os loucos irresponsáveis ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds