Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

A vil tristeza de um país de poucochinho

O desalento encontra-se por todo o lado. O país não arranca para o progresso e para o futuro.

O futuro foi travado depois da chegada de Cunhal e Soares. Tanto um como outro tiveram de inventar histórias para rebaixar o regime anterior que, esse sim, apontava para o futuro, sem manipular informações e dados sobre tudo quanto era feito.

Marcello Caetano, certo que estava chegada a hora para entregar o Governo, limpo de quaisquer pequenos entraves, abriu o caminho para acabar com a Censura, substituindo os militares que, em Ditadura Militar desde 1926, coordenavam aquilo que eles entendiam corrigir. Marcello colocou um civil, o Dr. Mário Bento Soares, para fechar aquele ciclo.

Os militares não gostaram e a partir daí, aproveitaram para reclamar.

E isto é tanto assim que a 5ª Divisão criou, de novo, a Censura tendo como chefe Ramiro Correia. Eu próprio fui a Tribunal por ter escrito o artigo “Atrás dos Militares” em que os alertava para os erros que estavam a cometer. Em vez de me agradecerem, os brutos, levaram-me a Tribunal.

Otelo Saraiva de Carvalho, um dos mentores do Golpe do 25 de Abril, para tirar quaisquer dúvidas, já veio confessar que o movimento dos capitães se iniciou por razões corporativistas, quando os militares de carreira, se viram ultrapassados, nas promoções por antigos milicianos.

Cunhal e Soares, para tapar a verdade com a mentira, vieram afirmar que a Revolução tinha sido feita para acabar com a Guerra Colonial e fazer a descolonização. Isto tem sido desmentido por vários militares, dos quais sobressai Otelo, por ser o mais conhecido e ter ocupado o mais alto cargo dentro do COPCOM (Comando Operacional do Continente), criado pelo MFA, para mostrar força e tirar quaisquer veleidades para uma contra revolução, que nunca existiu. Mas serviu para prender milhares de inocentes, que estiveram presos durante meses e que foram soltos sem nunca terem ido a julgamento

Marcello Caetano tinha permitido o Golpe, não lhe fazendo frente.

Este país tinha pois, todas as condições para progredir naturalmente.

Infelizmente há dois milhões e seiscentos mil pobres e mais sete milhões que vivem com o credo na boca sempre à espera do pior.

É o país do poucochinho, que a pouco-e-pouco criou uma dívida de 245 mil milhões de euros, dívida pública e privada, na sua maior parte fruto dos grandes corruptores, que a deviam pagar e continuam, de corpo ao alto e a viver à grande e à francesa.

É o país do poucochinho e da vil tristeza.

O ciclo é infernal. Nem a alegria aparece, nem o Natal aquece.

 

Anterior “Autoeuropa e os burros sem cabresto dos sindicatos”

C.S

publicado por regalias às 07:28
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. História da Imigração ou ...

. Madalena, o ritmo, a sens...

. Escolas Industriais e a s...

. Antena1 e a verdade essen...

. Rui Rio pode ser a última...

. Professores, alunos e Már...

. Venezuela está no pensame...

. Um país de náusea a camin...

. Rui Pena, Homem bom, inte...

. Conversa Capital com Víto...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds