Terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Guerra às portas da Europa

Fiquei preocupado quando vi soldados russos humilharem colegas ucranianos no dia da celebração da independência da Ucrânia.

Fiquei preocupado porque conheci e conheço ainda em Portugal muitos ucranianos e russos que são amigos, afáveis, trabalhadores competentes, honestos e inteligentes.

Se perguntarem a empresários ou outros empregadores de mão-de-obra russa ou ucraniana como classificam esta gente, todos lhes dão nota máxima.

Quando Portugal era ainda uma hipótese de reino independente e as pessoas eram poucas e dirigidas por um conde Francês, D. Henrique, que tinha recebido o condado Portucalense por ter casado com D. Teresa, filha bastarda do rei de Leão e Castela, D. Afonso VI, com a condição de o governar e aumentar, caso fosse possível vencer os mouros. Umas vezes vencia, outras, perdia.

Quando vencia e os árabes aceitavam ficar sobre as ordens e as regras dos cristãos tomavam o nome de mudéjares. Quando os cristãos perdiam e se sujeitavam aos mouros, mas podiam continuar com a sua própria religião tomavam o nome de moçárabes porque os seus hábitos e a sua língua mudavam tanto que eram assim apelidados.

Muitas vezes me interrogo se esta terra não tem DOM, se não é uma dádiva da explosão Universal provocada pela força de um Deus desconhecido e que reúne em Portugal o poder de unir todos os povos, devido à energia aqui concentrada.

Nestas lutas iniciais e também, se calhar, porque não havia as distrações dos nossos dias e umas saibradas nem sempre matavam, os autóctones foram ajudados pelos cruzados que se dirigiam à terra Santa para libertar os Lugares Santos da tutela turca.

As cruzadas foram nove e nem sempre correram bem. Na primeira os cruzados foram todos chacinados e só se salvaram aqueles que aqui assentaram arraiais.

Mas a gente continua pouca. É já Portugal, como reino, que D. Sancho, 1185-1211, tratou de cativar população da França e da Flandres que veio para trabalhar e acabou por ficar por cá, porque a água era pura, o vinho magnífico e as mulheres danadas para a brincadeira.

Hoje estamos como naquele tempo. Portugal despovoa-se. Falta sangue novo para continuar esta terra bendita.

Em vez dos russos e ucranianos se martirizarem com guerras sem sentido e totalmente injustas para comunidades que são esperança para o entendimento dos povos, porque não, alguns milhares encontrarem em Portugal o porto de refúgio onde podem viver em segurança?

Aquilo que acontece não é culpa da Rússia. A Crimeia é fundamental para que a Rússia impeça, os avatares do belicismo, de criar ali uma zona de possíveis conflitos e de insegurança permanente.

Esperemos que a Rússia e a Ucrânia se entendam para que o Ocidente não dê o passo mais largo que a perna e todos os povos venham a sofrer da insanidade mental que parece ter afetado os governantes europeus e americanos.

C.S

publicado por regalias às 05:18
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Nuno a 26 de Agosto de 2014 às 21:59
Quais soldados Russos? Gostaria que indica-se a fonte de onde retirou essa informação .


De José Santa a 27 de Agosto de 2014 às 03:41
"indicasse" Pretérito imperfeito do verbo indicar.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Batalha Naval na Mocidade...

. O revolucionário Jerónimo...

. A seita judaica insiste e...

. O petróleo do Algarve é o...

. Bicharada parlamentar

. União Europeia e o crime ...

. Portugal não precisa de a...

. Salazar, Homem de conheci...

. Palavras leva-as o vento,...

. Esquerda e Direita têm de...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds