Terça-feira, 31 de Outubro de 2017

O homem sabe tudo mas não se conhece a si próprio

Se pensarmos, um pouco, nos avanços da ciência desde os anos oitenta do século passado até aos nossos dias ficamos confusos como a tanto desenvolvimento, saber e prosperidade, o homem continua a cometer os mais escabrosos atos, a amesquinhar os outros e a rebaixar-se a ele próprio por aquilo que faz e nunca deveria ter feito.

Quanto mais sabe, quanto mais se iguala ao cérebro Criador do Universo, mais se afasta da finalidade da vida ao destruir o seu semelhante com uma ferocidade inaudita como aconteceu no Iraque, na Líbia e continua a acontecer na Síria e noutros países, em vez de usar a inteligência infinita que o faz criar desde a vida humana até aos sofisticadíssimos aparelhos que realizam as mais incríveis operações.

O ser humano vive permanentemente insatisfeito com o mundo e consigo próprio. Isso leva-o a cometer erros tremendos que prejudicam os outros.

Mas se em vez de analisar o homem sozinho, o analisarmos acompanhado das chamadas elites, dos que pensam bem, sabem e conhecem, verificamos que muitas das suas decisões são erros clamorosos.

E escusamos de ir Hitler que, rodeado de conselheiros, quase desfez a Europa e uma parte do mundo. Se percorremos os dias de hoje, com todos os Organismos criados para o bem-estar mundial, verificamos que os crimes cometidos são quase tão hediondos como os dos hitlerianos.

O homem não se conhece a si próprio. Dizendo de outra maneira, o homem não pensa nos seus atos, ou ainda; se pensa desfaz as suas boas intenções quando o interesse se sobrepõe a todas as regras humanas.

A humanidade perde-se por ninharias mesmo sabendo que está condenada à morte. O homem não vale nada se não deixar obra válida, para o futuro, para as novas gerações.

Se destruir em vez de construir, o homem não passa de um criminoso, por mais que a Comunicação Social tente apagar os seus atos. Hoje isso é impossível. O homem criou os mecanismos que o elevam à paridade do Deus desconhecido que tudo criou ou o enviam para a eternidade da maldição por ter espalhado no mundo a dor e o sofrimento.

Ao nascer não trazemos nada, ao morrer não levamos nada, mas se espevitarmos as qualidades podemos deixar no mundo obra feita e válida.

Podemos deixar saudade e prosperidade. Podemos deixar futuro.

O homem sujeita-se a ser substituído pela Inteligência Artificial, IA.

O investigador Pedro Domingos, no jornal i, de ontem, dia 30 diz o seguinte: “Os algoritmos já tomaram conta do mundo e são demasiado estúpidos”.

O Site Inovação, do Jornal Observador, traz também uma entrevista de Pedro Domingos que escreveu “A revolução do Algoritmo – Mestre” e que Bill Gates recomenda como essencial para compreender a IA, Inteligência Artificial.

Pedro Domingos é filho do Professor Delgado Domingos que nos acampamentos da Mocidade Portuguesa, deixava todos de boca aberta com as suas invenções.

Pedro Domingos faz jus ao ditado “filho de peixe sabe nadar”, mas também nos diz: maior que a Inteligência Artificial, está a inteligência humana.

 

Anterior “ Ponto de Partida na Antena 1 e jovens universitários”

C.S

publicado por regalias às 07:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Os jovens têm de saber ti...

. Saber ouvir, saber pensar...

. Exército Europeu para aca...

. O Panteão e os Pantaleões...

. Os bacanais dos Bispos em...

. Um país de pataratas e a ...

. Salvar Portugal: divulgar...

. Aprender naturalmente, se...

. Robots, bem-vindos a Port...

. Os 80% dos médicos que fi...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds