Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Vencer a crise sem choradeiras e com dignidade

Uma das coisas que sempre me deu muito gozo foi vencer as dificuldades.

Desde os dezassete anos, nas férias de Verão, entrava pela Europa e logo que gastava o dinheiro que os meus pais me davam, em vez de regressar procurava trabalho.

Isso fez que a minha descontração e conhecimentos aumentassem tanto que pelos meus 22 anos, em vez de estudar fui para Londres e consegui escrever quatro livros. O vício da escrita era tão forte e tinha, julgava eu, tanto para dizer que, quando saía do pequeno quarto para respirar uns minutos o ar fresco, parecia um bêbedo, tal era o cansaço.

Passado anos, a minha mulher depois de me avisar, dezenas de vezes para arrumar a papelada; começou a ameaçar-me que metia tudo aquilo no lixo. Foi o que aconteceu. Com as mulheres não vale a pena discutir. Elas ganham sempre. Encolhi os ombros e continuei a rabiscar.

A Europa ensina-nos a não ter peneiras, a ganhar dinheiro, a apontar-nos os erros ou a salientar os méritos e isso aumentou ainda mais a minha descontração e a não dar importância a tudo aquilo que a não tem.

Era eu Deputado na tasca de S. Bento, como lhe chama o General Humberto Delgado no seu livro “Da Pulhice do Homo Sapiens” pág. 137, quando o meu amigo Manuel Guimarães, que está no Infinito à minha espera desde 1997, me telefonou para casa para ir beber um café ao Hotel dos Templários em Tomar, onde ele era Diretor. Respondi-lhe: tem juízo.

Ele insistiu: “o hotel está sem ninguém, etc.” Depois de me fazer caro durante dois ou três minutos, lá fui.

O Manel, por detrás do balcão do Bar e eu sentado num dos bancos. Mal tínhamos começado o descasque nacional, chega o Sr. Galvão que era o maioral do pessoal menor e diz para o Manel Guimarães:

- Ó senhor doutor, não temos ninguém para almoço, o hotel está vazio.

O Manuel: “pode mandar o pessoal para casa. Eu tomo conta disto. Deixe um rapaz na portaria. O ajudante de cozinheiro que fique para preparar o jantar. Pode mandar tudo embora.” O Galvão assim fez. Passados uns vinte minutos chega afogueado: “Sr. doutor chegaram duas camionetas de turistas ingleses. Que faço? Não temos ninguém para os servir. O Manel que nunca desperdiçou nem um cêntimo respondeu-lhe: nem pensar! Temos o ajudante de cozinheiro, está o rapaz da portaria, está você, eu vou servir às mesas e, olhando para mim disse-me, e tu tomas conta do bar. Os preços estão todos à vista.

- Nem penses! Eu, Deputado!

- É altura de fazeres alguma coisa de útil. E virou-me as costas.

Passado quase uma hora os turistas começaram a aparecer e eu a servir-lhes brandy, whisky, etc.

Quando a saga terminou, o Manel olhou para o pires com as gorjetas. Calmamente arrebanhei tudo. O Manel aflito disse: metade para cada.

Olhei-o sobranceiro: deixa-te de choradeiras. Já viste o que me acontece se vão fazer queixa no Parlamento? Ainda devias colocar mais algum.

Nunca gozei tanto aquele maná. Mas o Manel, para quem o dinheiro era sagrado, quando nos encontrávamos começava sempre a conversa:

- Ó judeu de Penamacor…

C.S

publicado por regalias às 05:00
link do post | favorito
|
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. História da Imigração ou ...

. Madalena, o ritmo, a sens...

. Escolas Industriais e a s...

. Antena1 e a verdade essen...

. Rui Rio pode ser a última...

. Professores, alunos e Már...

. Venezuela está no pensame...

. Um país de náusea a camin...

. Rui Pena, Homem bom, inte...

. Conversa Capital com Víto...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds