Segunda-feira, 8 de Outubro de 2012

Portugal tem de voltar a produzir e a poupar

A maioria dos campos portugueses continuam incultos e os gastos supérfluos ainda não pararam. Perante esta situação não há Governo que consiga resistir à bancarrota.

Os workaholics da Alemanha, Holanda e Finlândia começam a achar que é demais a festa quando eles é que têm de a pagar. Portugal pode ver-se, de um momento para o outro, sem dinheiro nem para uma carcaça.

Todas as pessoas, mesmo as que recebem o RSI (rendimento social de inserção), estão conscientes do perigo em que toda a gente se encontra, mas ninguém parece preocupado em gastar até ao último cêntimo, sempre à espera do milagre que lhes dará de comer porque a amenidade do clima não exige muito mais.

O português vive em Portugal como se estivesse sempre em turismo. Na verdade, um país com tantos atrativos não é um país para trabalhar, é para desfrutar, é para gozar, é para amar.

É por esse amor que nos faz morrer de saudade quando estamos longe, que todos temos de voltar para o trabalho na indústria, no comércio e nos campos, já que os turistas estrangeiros estão certos, mas não são suficientes para o nosso sustento.

No sábado passado ouvi o programa da Antena1 "A voz dos sons" de Ana Aranha e de Iolanda Ferreira. O tema focava os anos cinquenta em Portugal e no mundo.

Portugal depois de ter reparado quase todos os estragos causados por uma Primeira República, que não desfez o país porque não calhou, entrou numa época pujante de progresso em que uma governação avisada e exemplar incitou o povo ao trabalho e fez de um país de miseráveis um País onde dava gosto viver.

A propaganda de incitamento ao trabalho era aproveitada nos jornais, nas rádios e nos filmes. E num destes, no programa citado, ouve-se o espantoso António Silva falar dos Silvas agricultores. "A família Silva a caminho da Natureza" porque uma tia tinha morrido e lhes tinha deixado uma quinta, que antes nada produzia e agora iam fazer dela uma fonte de rendimento.

Este episódio serve para chamar a atenção dos campos abandonados quando estamos sujeitos a ficar sem os alimentos que a União Europeia até agora tem fornecido a contado. Mas sem dinheiro, porque foi desbaratado, não há crédito, nem choro fiado.

Critique-se o Governo, como cada um entender, mas se nós próprios não fizermos produzir, imediatamente, os campos ninguém salvará os nossos filhos e netos de uma vida desgraçada.

C.S

publicado por regalias às 05:59
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Portugal, País de marinhe...

. Acredito na inteligência ...

. Todos mandam, ninguém se ...

. “Liga” perde combate na c...

. Em 146 a.C destruíram Car...

. O fim da guerra com estro...

. Estupidez criminosa alime...

. Tanto quis ser pobre, que...

. Português -Russo, 145

. Português -Russo. 144

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub