Domingo, 29 de Setembro de 2013

Glória e queda dos autarcas portugueses

Durante os quatro, oito ou doze anos de mandato, os Presidentes de Câmaras Municipais são acarinhados e lisonjeados. Só não lhes beijam as mãos porque o gesto passou de moda.

Logo que os mandatos acabam, acabam também os rapapés. Tudo se transfigura. São raros os que são olhados de frente ou cumprimentados com prazer.

Ontem mesmo ouvi cobras e lagartos sobre um Presidente de Câmara que não se recandidatou por causa da lei de limitação de mandatos.

Nuno Abecasis, passados uns anos depois de ter deixado de ser Presidente da Câmara de Lisboa foi fazer uma palestra ao Café Martinho da Arcada. A sala ficou vazia. Só eu e duas amigas que tinha convidado para jantar, um jornalista e o gerente, o Sr. Sousa, ninguém mais se interessou por ouvir as palavras e o conhecimento de um homem que tinha dado o seu melhor para servir Portugal como Deputado, Secretário de Estado das Indústrias Extrativas e tinha sido um esforçado e popular Presidente de Câmara.

Nada destas credenciais lhe serviram para alguém lhe revelar gratidão, simpatia ou interesse por um conhecedor da realidade portuguesa e das capacidades que o povo tem para recuperar das dificuldades.

Mas, se a ingratidão é enorme, a indiferença ultrapassa-a. O português só reage e tenta aprender no último minuto. E tanto acontece na preparação de uma festa, no acabamento dos trabalhos de uma escola, de um hospital ou de uma ponte. No dia da inauguração ainda há trabalhos para acabar.

No tempo de Salazar isto não acontecia. Havia regras a cumprir e, aqueles que falhassem tinham de ressarcir o Estado dos prejuízos causados. Se por acaso as obras eram entregues antecipadamente os empreiteiros recebiam um bónus referenciado no contrato.

Por este motivo e por muitíssimos outros o povo sente-se tremendamente enganado e não acredita em nada nem em ninguém.

Hoje perdeu-se o sentido do dever. Ninguém tem obrigações a cumprir.

E o mal começa logo na Casa da Democracia e da liberdade. E ela é tanta e tão exagerada que os Deputados se dão ao desplante de não clarificar a Lei de Limitação de Mandatos e originam uma série de imbróglios que os ex-Presidentes de Câmara que tinham cumprido doze anos de mandato e por isso estariam impedidos de voltar a habilitar-se a cargo semelhante acharam que não era bem assim. Como a Lei permite outras interpretações, alguns resolveram concorrer às Câmaras da vizinhança com o apoio dos próprios Partidos e de alguns membros do Governo.

Tenho de me confessar revoltado e triste por aquilo que está a acontecer ao povo.

Um país que está defendido por estes indigentes mentais é um país votado ao fracasso, à miséria e ao desaparecimento como país independente.

C.S

publicado por regalias às 05:42
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Sociais Fascistas à beira...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

.arquivos

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub