Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

Portugal de históricos, adesivos, ensino e ódio

Todos os Governos, desde o início da nacionalidade, se preocuparam com o ensino. Simplesmente não havia quem ensinasse. Os únicos que sabiam ler, escrever e contar eram os padres e os judeus. Disso tiravam partido e bons lucros.

D. Afonso III (1248-1279) incentiva o ensino. O filho D. Dinis (1279-1325) implementa-o, funda o Estudo Geral em 1288, embrião da Universidade de Lisboa e determina que todos os documentos sejam escritos em português. Antes era usado o galaico-português, com muitos termos latinos.

O Ensino estava entregue à Igreja e esta ou por falta de meios ou por desinteresse nunca conseguiu motivar o povo pelas letras.

Quando rebenta a Primeira República (1910-1926) o analfabetismo ultrapassa os 75% não por culpa dos reis, mas por falta de professores e do povo cuja fabulosa intuição o levava a pensar que à cultura das letras ele preferia a cultura dos campos que lhe davam de comer e o mantinham vivo.

O Governo da Primeira República preocupa-se imediatamente com o ensino. Coloca João de Barros como Diretor-geral da Instrução Primária.

São criadas diversas escolas em vários pontos do país e, mais uma vez, à falta de professores, João de Barros com a colaboração de João de Deus Ramos criam a “Associação de escolas Móveis, Bibliotecas ambulantes e Jardins Escolas” de modo a abranger o maior número de alunos, jovens e adultos.

João de Deus Ramos inaugura os Jardins Escola João de Deus, de Coimbra, Alcobaça, Figueira da Foz e Lisboa, em memória do pai, o poeta e também pedagogo, que escreveu a Cartilha Maternal.

Mas os jornais, estupidamente, incentivam o ódio entre históricos e adesivos e concomitantemente entre o povo.

Os históricos eram aqueles que sempre tinham apoiado as ideias republicanas. Os adesivos eram os monárquicos que tinham aderido à República, mas que não estavam convencidos das vantagens na mudança de regime.

Estes ódios entre uns e outros não deixam pensar o povo e ele, como não sabia para onde se virar, fazia greves e mais se afundava na miséria.

Faziam greves os vidreiros, as indústrias da sardinha, os trabalhadores ao sul do Tejo; Moita do Ribatejo, Aldeia Galega (Montijo), os rurais de Évora, os tecelões das fábricas e a Carris do Porto.

Resultado: não trabalhavam, não ganhavam e às vezes ainda eram corridos à bastonada pela Guarda, pela polícia e pelos batalhões de voluntários.

Esta situação criava tantos ódios que estas forças de repressão sempre que eram apanhadas em pequenos grupos eram sovadas violentamente pelo povo, que assim perdia todo o respeito pelas Forças da Ordem e pelos do Governo como foi o caso de António José de Almeida ser sovado em Lisboa pelos populares e Basílio Teles ser sovado no Porto pelos Batalhões de Voluntários por ter criticado a Ditadura Revolucionária.

C.S

publicado por regalias às 06:36
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Portugal, País de marinhe...

. Acredito na inteligência ...

. Todos mandam, ninguém se ...

. “Liga” perde combate na c...

. Em 146 a.C destruíram Car...

. O fim da guerra com estro...

. Estupidez criminosa alime...

. Tanto quis ser pobre, que...

. Português -Russo, 145

. Português -Russo. 144

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub