Quinta-feira, 1 de Agosto de 2013

Parabéns Emissora Nacional - RDP Antena1

A minha mãe costumava dizer que eu tinha começado a falar muito cedo porque a 1 de Agosto de 1935, quando a Emissora Nacional passou a emitir, já eu tinha três meses e ouvia rádio a todas as horas.

A programação era muito bem-feita. Desde a cultura ao entretenimento tudo estava doseado.

A Emissora Nacional aumentou todas as qualidades de minha mãe.

Antes daquele tempo, eram raras as raparigas que iam além da terceira classe, minha mãe não fugiu à regra. A Emissora Nacional estimulou-a de tal maneira que a tornou leitora de todos os autores portugueses. Lá em casa havia todos os livros de Camilo Castelo Branco e de Eça de Queirós, Joaquim Paço d’Arcos, Aquilino Ribeiro, Júlio Dantas etc. etc.

Devorava o Jornal “O Século” e o “Diário de Notícias”, e, enquanto seguia atentamente as receitas de culinária e os folhetins radiofónicos, fazia renda tirada do “Modas e Bordados”, julgo que dirigido por Maria Lamas. A sua cultura era espantosa. Em 1974 e nos anos seguintes discutia política como uma profissional. Fazia análises que me deixavam espantado.

A Emissora Nacional, sem lhe oferecer uma cultura política, tinha-a preparado mentalmente para compreender tudo quanto se passou na mudança de regime e a fazia prever, por antecipação, o que poderia acontecer.

Era muito engraçada, muito inteligente, muito trabalhadora e muito bem-disposta.

Quando eu tinha onze anos, minha mãe descia muitas vezes ao primeiro andar para apagar a luz do meu quarto. Eu lia tudo o que apanhava à mão, desde os livros infantis até aos dramas de Camilo. A sua influência e os programas infantis da Odette de Saint Maurice fizeram de mim um apaixonado pela leitura.
O meu pai era mais de livros leves. Na rádio nunca dispensava ouvir os relatos de futebol, mais pela vivacidade que Artur Agostinho punha no trabalho do que propriamente por ser adepto de algum clube, se era, nunca me apercebi por qual torcia.

Eu continuo viciado na Antena1, descendente da Emissora Nacional e, mesmo nos tempos em que o rebotalho tinha ocupado a estação e debitava os maiores dislates nunca deixei de a ouvir para entender a incompetência e o descaramento dos falantes.

Desde há três ou quatro anos, a Antena1, tem vindo a preencher os seus quadros com um escol de jornalistas que nos garantem seriedade.

Compulsando o tempo verifico que a Emissora Nacional - RDP Antena1 já me deu mais prazer, conhecimento e alegrias do que zangas que, normalmente, não silencio.

Obrigado Antena1. Parabéns.

C.S

publicado por regalias às 16:44
link do post | comentar | favorito

Poder, vaidade e hipocrisia à portuguesa

Quando ouvi, Rui Rio, zurzir, sem piedade, Luís Filipe Meneses, tive a certeza que o assunto é tremendamente grave, para que um homem, como Rui Rio, amesquinhasse o seu camarada de Partido e colega nas direções Municipais do Porto e Vila Nova de Gaia.

Nunca achei valor ao Meneses; muita parra e pouca uva. Tipo valente quando está na mó de cima e cobarde, chorincas, bajulador e subserviente quando o tapete lhe foge debaixo dos pés.

Rui Rio é um homem frontal, é um homem à Porto. Nem cede a chantagens nem a choradinhos.

O Porto progrediu com o seu Governo. Vila Nova de Gaia não lhe ficou atrás. Mas enquanto Rio conseguiu equilibrar as contas e desenvolver a cidade, as contas de Meneses estão ao nível de muitas outras câmaras do país onde o despesismo injustificado as colocou em maus lençóis. Privilegiaram os gastos no supérfluo, no fogo-de-vistas e que, por ostentação de novo-riquismo, descuraram o essencial.

A teimosia de Meneses em concorrer à câmara do Porto ou de um Seabra à câmara de Lisboa e de insistirem em levar as suas candidaturas avante jogando com a interpretação da Lei e fazendo impor a sua vontade é um erro crasso. Tanto deles como do Passos e do Portas que os apoiam.

Meneses e Seabra contam com a fragilidade dos juízes que vão tentar não melindrar o Governo, chumbando estes dois e outros em idênticas situações, que por vaidade e convencimento concorram a outras câmaras municipais, saltando sobre os três mandatos que os inibem de continuar.

Este assunto vai ser matéria para muita prosa, muito insulto, muita galhofa e altamente corrosivo para o Governo que está proibido de errar e de marcar passo com assuntos onde ele não se deve meter, nem proteger ou dar a entender que protege. Mas o desbocado Meneses já embandeira em arco e publicita um novo banco a assentar arraiais na capital do Norte. Sinal que houve fuga de informação ou que alguém lhe deu o mote.

É certo que à falta de pão e circo, o povo tem de ser distraído com histrionices que lhe façam esquecer a deprimente miséria em que vive: a confusão instalada no ensino, o desemprego, os contratos a prazo e como passar os últimos dias do mês a pão e água.

Os Meneses e os Seabras deste país, que vivem e gastam à tripa forra, sabem que o lugar que lhes garante esse manancial, essa força e esse poder são as Câmaras Municipais por que lutam.

E Meneses e Seabra lutarão até à ignomínia, nem que para isso tenham de subverter todo o entendimento constitucional, sabujar todos os videirinhos e beijar, hipocritamente, o cu de Judas.

C.S

publicado por regalias às 05:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds