Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

O azar português só dura enquanto quisermos

Todos temos azar quando não sabemos usar a cabeça.

Felizmente vi subir na vida muita gente que, quando nasceu não tinha onde cair morta.

Gente miserável, cujos pais tinham saído da Primeira República muito mais pobres do que, quando tinham nascido.

Muitos desses miúdos foram meus colegas na escola primária (hoje ensino básico) e eram tão ou mais alegres do que eu no esquecimento que as brincadeiras na escola ou as reguadas do professor José Manuel Landeiro faziam desaparecer.

Às vezes o professor dizia-me: lembra à tua mãe que a Caixa Escolar está pelas almas. No dia seguinte trazia-lhe um envelope que ele multiplicava por aquele ou aqueles que tinham necessidades.

Alguns desses meus colegas conseguiram por insistência do professor e do padre frequentarem as Escolas Comerciais e Industriais. Muitos entraram na função Pública e chegaram ao topo das carreiras.

Infelizmente, a loucura a seguir ao 25 de Abril, acabou com essas escolas que formavam gente altamente especializada tanto para o comércio como para a indústria e naturalmente para a Administração Central.

Julgo que o próprio Presidente da República e o ex-ministro Medina Carreira saíram destas escolas cujos crânios Abrilistas fecharam porque eram escolas para pobres.

A estupidez e a demagogia transformaram este país no esqueleto em que hoje se encontra.

Mas o azar português só dura enquanto quisermos.

É escusado gritar contra a situação em que nos encontramos se não metermos mãos à obra e sermos nós a resolvê-la.

No outro regime bastava escrever uma carta ao Presidente Américo Tomás e indicar concretamente onde gostava de trabalhar para ter sempre uma resposta positiva. Mas nem era preciso. Havia mais trabalho do que gente.

Nos dias de hoje voltamos a ver gente agarrar-se aos santos e santas, a fazer promessas e a cair no desespero porque nem o sagrado nem o profano os ouvem.

Os santos só ajudam a quem se ajuda.

Quando é que alguém, sem trabalho, deixa de o ter se quiser trabalhar? Se isto não fosse assim como explicar a quantidade de imigrantes que todos os dias entram neste país e passado dois ou três dias depois de aqui chegar já trabalham, mesmo não sabendo uma palavra de português?

O azar de Portugal ter maus políticos não impede que continue a ter gente inteligente e trabalhadora.

Tire uns passeios de pensamento: olhe a natureza, mergulhe na imensidão do mar, delicie-se com a beleza à sua volta e pense, pense sempre a maneira de arranjar emprego e os caminhos que deve trilhar para acabar de vez com a tristeza e com o azar.

C.S

publicado por regalias às 05:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Fascismo sem fascistas e ...

. Cunhal teve ideias premon...

. António Ferro, como era d...

. Deputados palhaços ou Dep...

. Quanto tens, quanto vales

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds