Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Greve na Catalunha e União Ibérica

Não me faz qualquer confusão a União de toda a Península Ibérica embora Portugal seja totalmente diferente de todas as Nações que compõem a Espanha.

Conheço razoavelmente bem toda a Espanha desde a Corunha, País Basco, Catalunha, Valência, Extremadura. E conheço-a desde 1945. Vi-a reerguer da feroz e sanguinária Guerra civil, 1936-1939, com extremo sacrifício e sem um queixume. Por esse motivo e contrariamente à minha maneira de ser, na Assembleia da República, fui o único Deputado que esteve a seu lado quando todos, escandalizados, pensaram que a condenação fosse unânime.

O sonho da Catalunha é mais questão de orgulho do que de razão.

A Catalunha ligada às outras nações de Espanha é muito mais forte, mais visível, mais visitada e os cidadãos mais prósperos.

Portugal desligou-se muito cedo do puzzle Ibérico.

Em 1095-1096 Já o conde francês D. Henrique e a mulher D. Teresa sonhavam o reino que o filho, Afonso Henriques, concretizaria em 1140.

Os povos que formaram Portugal vieram do exterior, da França, da Flandres, do Norte de África. Os autóctones souberam misturarem-se com eles e isso deu ao povo português uma característica interessante e muito diferente do arrebatamento do povo espanhol que apesar das suas regiões, o carácter é muito semelhante.

Todas as tentativas de unir Portugal a Castela e depois à Espanha atual falharam, mesmo quando Portugal as desejava com D. Fernando, D Afonso V, D. João II.

A grande rejeição dá-se com o Governo dos Filipes 1580-1640. O povo era diferente. Federados talvez fosse a solução, não pensaram no assunto.

A Catalunha teve nessa época a possibilidade de cortar os laços que os casamentos permitiram. Viu-se entre a cruz e a caldeirinha. Acabou por se integrar. Quando das Repúblicas e da sangrenta Guerra civil volta a pensar no assunto. Os astros são-lhe adversos.

No século XIX, Antero de Quental, Unamuno e outros escritores e intelectuais das diferentes partes de Espanha, com predominância de Catalães preconizavam uma federação de Estados.

No século XX, Teófilo Braga, Miguel Torga, Natália Correia e outros, julgo que mais por amor a uma Espanha unida, não se oporiam a que Portugal fosse o congregador de uma Península espalhada pelo mundo.

Tudo é possível. Desfazer a Catalunha com greves que prejudicam o povo e lhe come a economia é que não me parece curial.

Querem protestar? Façam manifestações nos sábados e domingos, utilizem a Comunicação Social, todas as valências digitais e os areópagos da política é a maneira mais democrática e mais inteligente de contestar.

Se para manter a Ibéria unida for necessário conversar com Portugal para uma possível federação, os políticos é para isso que são mandatados: para resolver os problemas dos povos.

C.S

publicado por regalias às 17:49
link do post | comentar | favorito

A mulher é muito superior ao homem

Com amor e paciência a mulher tem povoado e ensinado o homem nas artes mais comezinhas.

Mas esta criatura, vindo de um útero quente e amoroso, mais parece ter saído dos curros escalabitanos e, se tiver praça e fraldas grita, esbraceja, exige atenção e mama.

O carinho da mulher encaminha-o para o saber, trabalho, educação, inteligência.

A inteligência nasce nesta fera amansada pelo amor. Também se ganha inteligência pelo estudo, pela leitura e pelos conhecimentos do dia-a-dia que hoje brotam hora a hora nas redes sociais que vão substituindo as Universidades.

Este ser, mistura de violência e amor tem um ponto tão vulnerável que o torna um cordeirinho por mais selvagem que queira parecer.

Para justificar os pequenos episódios de Brooks Newmark e Bill Clinton, no Blogue “um ministro em cuecas e em sarilhos” poderia recordar milhares de casos bem mais picantes e picarescos e demonstrar, que a mulher, com toda a saborosa malícia, é a semente, o fruto e a inteligência do Universo.

Hoje relembro três casos diferentes, mas bem mais graves e com outras consequências caso a Natureza decidisse puxar um pouco mais o badalo.

Sansão, século XII a.c, sucumbe aos encantos da fogosa Dalila, fica sem os cabelos e a danada Dalila só não lhe corta as partes porque tinham perdido encanto.

A sedução podia ter custado a Sansão e aos Israelitas a submissão aos Filisteus.

D. Fernando, 1367-1383, rei de Portugal, homem muito inteligente, quase perdeu o reino por amor a Leonor Teles, mulher casada com João Lourenço da Cunha e pelos erros que por ela cometeu, ao prometer casar com a filha do poderoso rei de Castela que, por quebra de palavra assolou, várias vezes, Portugal com guerras de muitos gastos e sofrimentos.

O Lourenço, que mesmo enganado amava a mulher, na parte interior do chapéu trazia preso um corno para lhe aumentar a infelicidade e gemer de saudades da infiel.

O rei também se poderia queixar do mesmo. A libérrima Leonor Teles enganava-o com João Fernandes Andeiro que acabou por ser assassinado por D. João I, depois de D. Fernando morrer, quando os encontrou juntos e o reino abanava por todos os lados.

Como a história começa no Reino Unido, com o ministro Brooks tenho de recordar o poderosíssimo rei Eduardo VIII que larga o Reino Unido, o império da Índia, a Commonwealth em 1936 por amor a uma mulher divorciada e com vários amantes.

O encanto da mulher faz esquecer ao homem público, ao político, as regras sociais a que está obrigado.

Ao provar as delícias femininas, o sabor do corpo e o poder da inteligência da mulher, o homem perde-se no infinito.

O homem volta à realidade quando alguém o desperta e ele tem de prestar contas dos seus atos.

C.S

publicado por regalias às 05:20
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

. Portugal, políticos, poli...

. Portugal nas mãos de Cost...

. Cavaco e os pindéricos co...

. Legislativas foram uma de...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds