Sábado, 7 de Janeiro de 2017

Inteligência e esforço para recuperar o tempo perdido

Um dos homens mais interessantes e simples que conheci foi o Senhor Aguda, empresário da construção civil, antes e depois desta desgraçada, maquiavélica e aparvalhada revolução do 25 de Abril.

O Senhor Aguda era incapaz de ler um parágrafo de duas linhas.

Não conhecia o pai e desde criança habituou-se a correr os montes pela Serra de Tomar e aldeias próximas onde lhe davam de comer e uma ou outra moeda.

O Jovem Aguda cresceu ao sabor do tempo, da sua esfusiante alegria e da vontade de crescer rápido para aprender como erguer uma casa.

Ainda não tinha vinte anos já conhecia todos os segredos da construção. O que lhe tinham dado, desde miúdo, ele tinha guardado. Ao perguntar, a um dos grandes construtores da Serra, quanto custaria um pedaço de terra, o outro perguntou-lhe:

- Para que queres a terra?

- Para construir uma casa.

O homem, foi com ele ao Notário, pôs-lhe quase dois hectares de terra em seu nome, e disse-lhe “não me deves nada. Desde miúdo sempre ajudaste os meus empregados. Este é o fruto do teu trabalho”.

A partir desse momento, o Aguda nunca mais parou de subir na vida. Quando chegou o 25 de Abril, estava em plena pujança financeira.

Em algumas obras, que trazia de empreitada, começaram as contestações, mais provocadas por arruaceiros do que pelos seus empregados.

Foi levado ao Ministério do Trabalho, no II Governo de Vasco Gonçalves.

O Ministro do Trabalho era José Inácio da Costa Martins. O Aguda viu-se enxovalhado do mais baixo que um homem pode ser insultado. Mas ele não cedia, nem a ameaças nem a outras pressões. Eles disseram-lhe: vais cair da janela. Foste tu que saltaste. Assinas? “Não.” Agarraram-no pelos calcanhares, viraram-no de cabeça para baixo e só não o largaram porque um velho sargento lhes gritou que parassem.

O Aguda ganhou um ódio tremendo aos “bandidos” como dizia.

Um dia em que se aproximavam eleições e o quis meter nas listas é que soube que era analfabeto. A sua inteligência e graça eram tantas e tão bem doseadas que a sua noção da vida era suficiente para a vencer.

Vem isto a propósito das grandes dificuldades que Portugal atravessa.

Ao saber que no Centro Cultural de Belém vai aí ser construído um hotel, isso mostra que começamos aproveitar, no momento certo, os locais que atrairão turistas de todo o mundo.

É urgente que, determinados a vencer, não baixemos mais, nem a inteligência nem o esforço para recuperar o tempo perdido.

 

Anterior “Aproveitar qualidades e acabar com os enganos”

C.S

publicado por regalias às 06:18
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2017

Aproveitar qualidades e acabar com enganos

Portugal vive sob o jugo da mentira e da demagogia há demasiado tempo. Faz 73 anos em 25 de Abril de 2017.

O inacreditável é que Primeiros-Ministros e Presidentes da República nunca tivessem posto cobro à mentira governativa que colocou mais de 75 por cento do povo português a viver mal e outra parte a passar fome.

Devido à estupidez, canalhice e infâmia governativa dos quatro governos comunistas, alguns militares, temendo que o povo pusesse fim ao descalabro para que o país se dirigia, resolveram fazer o 25 de Novembro para acabar com a bandalheira.

Os militares convenceram-se que depois de terem metido os comunistas na ordem e mostrado à Cintura Industrial e aos ladrões das propriedades agrícolas o perigo que corriam se insistissem nestas atitudes, tudo voltasse ao são. Houve uma pequena acalmia com a eleição de Ramalho Eanes.

Foi Sol breve, os políticos preferiram voltar ao engano para eles próprios enganarem quem entendessem.

Se isto não fosse assim todas as células comunistas tinham sido corridas das rádios e televisões estatais, assim como dos Ministérios, para onde poderiam voltar legalmente se ganhassem eleições legislativas ou Presidenciais. O que nunca mais sucedeu.

Tudo continuou quase na mesma. Os derrotados da festa estúpida e criminosa do 25 de Abril continuaram a manipular a palavra democracia e liberdade, como se elas existissem através do bem-estar, da prosperidade e da verdadeira liberdade, não da continuada libertinagem e droga.

Este ano, todos verificaram, mais uma vez, que os Governos esconderam a revolução do 25 de Novembro, como se, arrependidos, pedissem desculpa por terem travado as paralisações das empresas, os roubos das herdades e os assassinatos das FP25.

A Antena1 publicita a festa e cantores, que denominam de canções de intervenção aqueles sem voz, sem ouvintes, sem harmonia, para que o 25 de Abril fique na memória de todos os portugueses como a data mais negra e mais miserável que só os miseráveis e aqueles que se encheram de dinheiro à custa do que aconteceu, ou vivem à babugem se atrevem, ainda, a celebrar.

 

Anterior “Liberdade democrática para esconder fortunas”

C.S

publicado por regalias às 06:56
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2017

Liberdade democrática para esconder fortunas

Depois do extravagante Golpe que tomou o nome do 25 de Abril, mas que tinha sido concebido como uma reivindicação salarial, tudo foi gizado atabalhoadamente e facilitado por Marcello Caetano, que já tinha avisado Spínola e Costa Gomes, que mais outro Golpe como o das Caldas, ele lhes entregava o Governo.

Como Homem de palavra, cumpriu o prometido.

Apesar das farroncas revolucionárias, eles viram-se forçados a esperar que Spínola chegasse e Marcello lhe entregasse o poder para que o Governo não caísse na rua, segundo as suas próprias palavras.

Se Spínola não aparecesse, as valentes tropas regressariam a quartéis porque não havia pão para malucos.

Infelizmente Spínola apareceu, depois de muita hesitação.

O velho e caduco General percebeu naquele instante que a história de Portugal ia gravar os seus anos mais negros.

O I Governo de Palma Carlos estava condenado desde que chegaram Soares e Cunhal. A nenhum lhes agradava o Homem, apesar de terem formado o I Governo com alguma gente que oferecia confiança. Durou menos de dois meses, de 16 de Maio de 1974 a 11 de Julho de 1974.

A partir de 17 de Julho, a loucura toma conta do país, pelas rédeas do Comunista Vasco Gonçalves que consegue dirigir o Governo como quer, dizer as baboseiras que entende e as ameaças democráticas que lhe vêm à cabeça. O homem está respaldado pela Cintura Industrial, pelos comunistas de Cunhal e pelos militares de Melo Antunes que promovia todos os aderentes a postos a que nunca chegariam se não fosse ele.

O Vasco manejou o II, III, IV e V Governos enquanto Melo Antunes e Álvaro Cunhal acharam que o homem lhes servia. Quando viram que o General já não dizia coisa com coisa e o caso se poderia tornar muito grave, deram-lhe um chuto e ele morreu de tristeza numa casa com todas as mordomias e na piscina onde nadava.

Os salvadores da Pátria, das Liberdades e da Democracia foram o Soares, o Cunhal e os seus testas-de-ferro.

Ao primeiro, os mais néscios chamam-lhe o pai da democracia. Daquela democracia que chegou para enriquecer todos os portugueses, mas que só encheu os bolsos das elites, que escondem o pecúlio, para que os dois milhões de pobres, criados pelos tubarões lhes estampem na cara a liberdade democrática para empobrecer.

O Cunhal não passou de um escarro humano.

Neste começo do ano de 2017, alguém tem de resolver a situação.

A esperança está em Marcelo Rebelo de Sousa e em António Costa.

Mais do que paninhos quentes, todos querem ideias, trabalho e mundo onde encontrar sustento.

Não me parece difícil encontrar a solução. Aqueles que escondem as fortunas que o Estado lhes propiciou, agora tratem de arranjar a mezinha para pagar aos credores internacionais e fazer de Portugal o País de sonho e próspero que todos ambicionamos.

 

Anterior “Portugueses são os melhores dos melhores, diz Marcelo”

C.S

publicado por regalias às 06:22
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2017

Portugueses são os melhores dos melhores diz Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa foi sem sombra de dúvidas o melhor de todos nós.

O Presidente da República mostrou quanto valem os portugueses quando querem vencer sem estarem preocupados em agradar a A, B ou C.

A grande lição de Marcelo começa na campanha eleitoral.

Naturalmente prova que, mesmo com poucos meios, é possível vencer qualquer desafio.

Com uma sandes na mão, sem altifalantes ensurdecedores, Marcelo percorreu o País ciente que o povo se revia nele que não sacrificava o supérfluo ao essencial.

Quando as dificuldades são grandes e o povo luta todos os dias pela sobrevivência, o candidato a Presidente não deve gastar o que faz falta.

Sem se impressionar com a trempe: Ramalho, Soares, Sampaio, que uniu costas para o derrotar e continuar a tradição sobranceira e despesista da Casa Presidencial, Marcelo, à ostentação delapidadora que sacrifica o povo preferiu a moderação dos costumes.

A mensagem e o exemplo frutificaram: as greves acabaram, os deputados disseram o que entenderam, os sindicatos comentaram, o povo continuou a dizer o que quis, mas a loucura abrandou.

Sim, o melhor de todos é Marcelo.

A energia herdada de Afonso Henriques, Nun’Álvares Pereira, de Vasco da Gama, de Afonso de Albuquerque ou de Fernão Mendes Pinto, só para mencionar alguns dos melhores, continua inteira em Marcelo Rebelo de Sousa.

Tenho a certeza que esta Legislatura pode fazer história ao conseguir reverter os 42 anos de euforia, insensatez e desespero.

Portugal acredita em Marcelo.

Feliz Ano Novo, Presidente.

 

Anterior “Conversa com os jovens portugueses”

C.S

publicado por regalias às 07:20
link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Janeiro de 2017

Conversa com os jovens portugueses

O século XXI tem sido o século das pressas, das loucuras e das novas e perturbadoras descobertas.

O mundo nunca foi de grandes saltos. Sempre fez tudo calma, meticulosa, paulatinamente para que tudo fosse desenhado na perfeição.

Nesta tarefa demorou 4,5 mil milhões de anos.

O seu interior contínua em evolução, em aperfeiçoamento.

Quem sabe, que perto de nós, entre a Rússia e o Canadá, corre um rio de ferro, em estado líquido? Pouca gente. O ser humano anda mais preocupado com futilidades, com medos sem sentido devido aos problemas do dia-a-dia em vez de parar a corrida, duas horas por dia e pensar como resolver a falta de trabalho e de dinheiro.

Quando jovem, para compreender as dificuldades da vida, tive de me forçar a viver como aqueles que não tiveram pais que lhes pudessem facultar tudo quanto necessitavam.

As dificuldades fizeram-me compreender melhor o ser humano e a desprezar todos aqueles que, tendo em excesso, não o aplicam em benefício de todos.

Também cheguei à conclusão que, se não houver dificuldades o progresso não é tão rápido.

Num dos meus livros dou o exemplo de um colega meu, Manuel da Silva Guimarães, que saído de uma família pobre, foi para a Universidade de Coimbra com 20 escudos no bolso (dez cêntimos hoje), naquele tempo representavam dois dias de trabalho. Levou também uns quatro chouriços e um pão.

O Guimarães, garantida a sobrevivência dos primeiros oito dias, foi à luta.

Estudou o ambiente, foi às primeiras aulas, fez amizades, lançou-se no estudo e começou a ajudar os colegas nas matérias dadas nas aulas. Em troca entrou para uma República, onde comia, dormia e acamaradava com os colegas.

A seguir o Manuel escrevia as sebentas, que passou a vender por módico preço e muita utilidade para os mais cábulas e para os outros. O Manuel formou-se em Filologia Românica, deu aulas, foi diretor de hotel, e avançou sempre para os lugares onde ganhasse mais.

Ao trabalho e à alegria de viver nunca virou a cara.

Recordo-o com saudade.

A vida só se torna difícil para quem a teme e não lhe estuda as imensas oportunidades que ela apresenta.

O ano 2017 tem de ser o ano do jovem português.

Portugal e os países da União Europeia são a casa onde tudo existe. Não há que lamentar, há que procurar com cabeça e ter a certeza que a pressa e o choro dos desgraçados nunca leva a lado nenhum.

Boas entradas. Feliz 2017.

 

Anterior “Obama desafia a Democracia e a inteligência americana”

C.S

publicado por regalias às 07:25
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Antena1 contínua com um p...

. Terminou o circo. Costa, ...

. Celebremos a poesia, cele...

. Oliveira Salazar, o Ditad...

. Histórias de faca e algui...

. Vendedores de morte no me...

. Massacre com o futebol na...

. Cristas e Catarina na Ant...

. Costa e Jerónimo não brin...

. Salazar e a desfaçatez de...

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds