Sexta-feira, 7 de Setembro de 2018

Bullying, proteção exagerada é pior que atenção

As brincadeiras de crianças e jovens agora chamam-se bullying.

O resultado não se fez esperar, os miúdos passaram a ser considerados queixinhas e maricas, tudo devido aos familiares que exageram nas tricas.

Na Inglaterra, em Portugal e noutros países desenvolvidos e sensatos, esses arrufos entre jovens sempre fizeram parte do crescimento. Quando havia algo de mais grave, os contínuos ou professores das escolas reportavam ao Reitor e estes chamavam os intervenientes nos desacatos e resolviam a questão. Depois ninguém pensava mais no assunto, nem os jovens ficavam molestados psicologicamente. Agora, com tantos psicólogos e psiquiatras à procura de trabalho altamente rentável, a Comunicação Social ajuda à ladainha e o bullying à apatia.

Recordo um facto passado no Liceu Nun’Álvares de Castelo Branco.

Estava no 1º ano, hoje quinto, as corridas, o futebol e os empurrões eram as brincadeiras nos intervalos. Não havia telemóveis.

O Zé Penha era de Alcains, entrava sempre nas liças. Um dia, sem querer magoei-o; a campainha tocou. O Zé vinha atrás de mim e a dizer: hás de pagar, hás de pagar. Farto de o ouvir voltei-me e estendi a perna. Apanhei-o por baixo do joelho e aí, apesar de a pancada ser pequena ficou magoado. Entrou na sala a chorar. Era a aula de moral com o Cónego João.

- Choras porquê? – Perguntou o padre.

E a garotada em coro, que via ali a oportunidade para brincar, apontou para mim. O Zé deixou de chorar, mas o Cónego disse:

- No fim da aula vais ao Sr. Reitor.

O Reitor era o Dr. Sérvulo Correia, que tinha fama de ser muito mau e que dava umas chapadas que atiravam o aluno para debaixo do quadro que tinha no Gabinete.

Era só fama. O medo guarda a vinha.

O Reitor perguntou ao tonsurado o que queria. Ele começou a lengalenga; aquele menino, o Zé Penha, chorava como uma Maria Madalena. O Reitor disse-lhe com cara de poucos amigos: “chega, pode-se ir embora”.

Fiquei eu, o Zé e o Reitor que disse ao Zé para contar os factos.

Voltou-se para mim: como compreendes, tenho de te castigar, mas tu é que escolhes qual vai ser o castigo. Queres um dia de suspensão, um par de bofetadas ou oito dias à porta da Reitoria, durante os intervalos?

Respondi imediatamente: “Oito dias à porta da Reitoria”. Vi que sorriu.

A Reitoria ficava junto do vestuário das raparigas. O castigo era uma delícia. As mais velhas ao passarem vinham sempre dizer-me “és um malandreco. Olhavam para os lados e diziam: dá cá um beijinho. Porta-te bem. Outras davam-me palmas nas pernas. Eu usava calções.

Três semanas depois, o Reitor calhou a sair num dos intervalos. Ao ver-me perguntou: “que fazes aqui? “ Fiquei muito vermelho e respondi a medo: “estou de castigo”.

A voz firme do Sérvulo Correia soou pelo corredor: ponha-se a mexer imediatamente!

Inventar medos e bullying é muito pior do que uns pequenos arrufos entre os jovens, sempre dirimidos pelo Conselho diretivo, caso seja necessário, mas nunca pela intervenção dos pais ou de técnicos de ocasião que servem só para aumentar os gastos, o barulho e a confusão.

 

Anterior “Banhos de água fria, mais rápidos e revigorantes”

C.S

publicado por regalias às 05:31
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Greve do descaramento de ...

. Comissão Europeia oferece...

. Depois dos voadores, os a...

. Chusma de indignados port...

. Seguro Sanches substituíd...

. Só há um trabalhador em P...

. As surpresas do Costa e o...

. Povo Português está farto...

. Marcello Caetano já deu v...

. Quem Governa Portugal são...

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds