Quinta-feira, 11 de Abril de 2019

Professores vítimas dos alunos, dos pais e dos ignorantes

A Democracia de um só olho, criada a partir do 25 de Abril ao lançar o slogan “é proibido proibir” tem arrastado este país para o lameiro.

As greves, as drogas, as doenças sexuais e a Sida têm arrasado a pouca inteligência das classes inferiores, classificadas assim por falta de inteligência, cabeça e dinheiro que os mantêm numa execrável pobreza da qual não conseguem sair porque os meios de Comunicação Social em vez de os ajudarem à educação que os tiraria da sonolência em que vivem preferem enredá-los nas histórias sujas de homens a viver com homens, mulheres com mulheres, em vez de assuntos sobre dignidade humana e a maneira de saírem das estrumeiras onde as bestas chafurdam.

Para que isto aconteça também Governo e Municípios em vez de esbandalharem o dinheiro em rabo e festas podiam manter espaços, na Comunicação Social, onde, naturalmente se indicassem locais de trabalho ligados a escolas para qualificar gente que, com o aumento de produção recebesse o valor do seu trabalho e assim saírem dos tugúrios onde sofrem todas as mazelas próprias de quem é pateta.

O 25 de Abril foi o segundo maior desastre que aconteceu desde o nascimento de Portugal. O primeiro foram os sessenta anos de ocupação espanhola, que por direito sucessório podia governar o país, mas nunca de o absorver. Quando manifestaram essa vontade foram corridos em 1640.

Quarenta e cinco anos de balbúrdia, confusão, miséria escondida é tempo demais para um regime transformar um país de doidos, de corruptos e de videirinhos num país de progresso e de grande fraternidade e alegria como foram os anos do antigo Regime a partir dos fabulosos anos de 1960 até ao Golpe que Marcello Caetano permitiu, ao avisar o General Spínola que entregaria o Governo se outra tentativa de Golpe como o de 16 de Março acontecesse.

O descalabro foi total. Nessa época dava aulas no Liceu em Tomar. A professora de Inglês era uma vítima de pequenos e graúdos. Metia dó, chorava e tremia só de pensar em ir dar as aulas. Como a Direção da Escola também não tinha mãos naquele desvario revolucionário da garotada, resolvi dizer à minha colega que eu iria assistir às suas aulas sempre que o meu horário o permitisse. Foi remédio santo. As aulas passaram a normais. Sentava-me perto da professora. Nunca falei.

Os alunos sabiam que nas minhas aulas havia respeito e carinho por todos. As brincadeiras, os ruídos e as pregações dos aprendizes de revolucionários nunca as permiti.

Quando a Escola mudou para novas instalações, fui convidado para a direção, fiquei com o pelouro dos alunos e da parte edificada. Julgo que era a única escola no país onde não se riscavam carteiras ou faziam grafites nas paredes.

O amor dos professores aos alunos tem de começar desde o primeiro dia de aulas, com gestos de firmeza tanto para com os pais como para os alunos. Se os primeiros não forem educados, que podemos esperar dos segundos?

 

Anterior “Obama, Nobel da Paz e criminoso de guerra na Líbia”

C.S

publicado por regalias às 01:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Saturei de políticos vend...

. Orgia verbal e corrimento...

. EUA provocam as guerras e...

. Bruno Lage, o português q...

. Festas LGBT, provocação, ...

. Portugal um país de tonto...

. Amnistia Internacional ou...

. Eurodeputados portugueses...

. Inteligência Artificial s...

. Petrodólares têm substitu...

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds