Terça-feira, 12 de Novembro de 2019

Cunhal teve ideias premonitórias de destruição

Jerónimo de Sousa é um “ingénuo” da Escola comunista. As premunições da besta foram planeadas ao pormenor.

Veiga de Oliveira, homem inteligente, afirmava que o comunismo foi o maior embuste do século XX. Eu chamar-lhe-ia uma experiência falhada e exagerada no tempo e que o oportunista Cunhal prolongou, sacrificando Portugal. Veiga de Oliveira conhecia, por dentro, os podres do aparelho e a sua envolvência para afirmar sem hesitações o que disse.

Outro dos cérebros que saiu do PC, disse-me rindo que aquilo era uma grande Escola de mentiras armadilhadas. Só não cito o nome porque está vivo e não o consegui contactar.

Ao ler o que o Jerónimo disse na Moita sobre as premonições do canalha Cunhal, não resisto a desmontar os presságios deste bandalho a quem em plena Assembleia da República, eu lhe disse, frente-a-frente, que a diferença entre ele e Al Capone não era nenhuma. Isso está escrito no Diário da Assembleia. O Jerónimo é desse tempo. Já devia ter largado a folha, senão começa a dizer sandices e perde a auréola de bom rapaz.

Este patife, de ideias premonitórias planeadas desde que entrou em Portugal, revela bem o bandalho que nunca hesitou em sacrificar camaradas depois de se ter servido deles. Isto para não lembrar o Francisco Miguel que ele tratou abaixo de cão.

Cunhal conseguiu destruir todo o tecido industrial, comercial e a parte agrícola com o roubo de um milhão e duzentos mil hectares de terras que enquanto não foram saqueadas de todos os frutos e máquinas agrícolas não as largaram.

As nacionalizações sem pagamento, feitas à pressa, descapitalizaram a classe empresarial tal como a descolonização, prometida à URSS, forçada e impensada havia de matar, poucos meses depois centenas de milhares de Angolanos e Moçambicanos em lutas fratricidas de horrores e crueldade.

Cunhal foi o incentivador ao ódio e à confusão em Portugal. O cerco à Assembleia da República é exemplar. Atirava as pedras, escondia a mão e deixava o rabo de fora com os Deputados comunistas banqueteando-se.

Na entrada para a CEE o chacal ao criticar a entrada e a maneira apressada como tudo foi feito sabia perfeitamente que o caos em que o país vivia era provocado por ele e pelos seus lacaios que lhe obedeciam por medo e por instinto. Tanto assim é que, quando se encheram de coragem a debandada dos mais competentes fez que o Partido perdesse a força e só a Comunicação Social de videirinhos e ignorantes os segura cabotinamente e a muito custo, à tona de água.

Premonitoriamente: o PCP de 2023 não passará.

 

Anterior “António Ferro, como era diferente e inteligente Portugal”

C.S 

publicado por regalias às 14:51
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Esplendor, PISA, Um dia n...

. A morte da felicidade

. "Portugueses no mundo", n...

. Francisco Assis, o 25 de ...

. Censura sobre livros, não...

. Historietas de historiado...

. Democracia do amiguismo, ...

. Joacine, rodeada de chaca...

. Doutoradas frustradas em ...

. Joacine, não largue São B...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds