Sexta-feira, 4 de Setembro de 2020

País que cultiva as suas terras é país saudável

Em 1973 havia menos de um terço dos médicos que hoje existem em Portugal e muitos deles eram professores nos Liceus e Colégios do País porque o trabalho não abundava. As pessoas eram saudáveis.

No Liceu Nun’Álvares, em Castelo Branco, em 1952 ou 53 havia, pelo menos, três, Dr. Moura Pinheiro, Dr. Alberto Trindade, Dr. Carriço.

O País respirava saúde. Ninguém era incitado a ir ao hospital se lhe doesse a barriga, a cabeça ou as unhas dos pés.

Essa saúde fez aumentar a população para níveis iguais ou superiores aos de hoje, com muitos casais com mais de três filhos e alguns com oito e dez; devia-se principalmente aos produtos saudáveis da terra. Lembra-me perfeitamente de as cenouras só serem raspadas, as batatas e os pepinos serem depelados finamente. Hoje isso é impossível. As batatas vêm do estrangeiro e ao fim de dois dias estão podres, aproveita-se metade, sabem mal e cheiram mal. Os pepinos, há dois ou três anos causaram uma mortandade em Hamburgo, na Alemanha, por causa dos químicos.

Portugal era um País saudável e feliz.

No dia 1 de Setembro, passado, acordei mais cedo do que o normal, e instintivamente ligo a Antena 1. Deviam ser 3, 50 da manhã. Ouvi de imediato o riso fresco da Noémia Gonçalves. Misturava-se com a boa disposição do José Martins que recordava as Filarmónicas onde ele começou por tocar requinta na gaita do Carocha. O dia 1 era dia das Bandas e a Noémia, estava a fazer o programa “Linha do Horizonte”. Ri a bom rir e recordei as multidões que se juntavam nos jardins a ouvir as bandas nos coretos, os bailes nos clubes, as idas ao teatro, ao teatro de revista sempre a abarrotar no Parque Mayer, as festas.

Portugal era um País saudável. Já tinha ultrapassado a miséria herdada da Primeira República, 1910-1926.

A saúde tinha dado origem ao trabalho, ao progresso, ao riso, à felicidade.

É urgente, António Costa, pensar no regresso aos campos dos que não têm trabalho. Com a direção de engenheiros agrónomos, os nossos campos, rapidamente produzirão, aquilo que neste momento estamos a importar de péssima qualidade e contaminando toda a população.

Garanto-lhe, Primeiro-Ministro, que os benefícios são de vária ordem e eu não me esquecerei dos lembrar.

 

Anterior “Os estranhos poderes do ser humano VI”

C.S

publicado por regalias às 05:19
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Aproveitar a pandemia par...

. O problema não é o Covid ...

. Moçambique e a fatídica D...

. Árbitros, as ratas-cegas ...

. Sindicato Médico alimenta...

. Radicais livres de gargal...

. A Europa entrou em estado...

. O Corona e os 90 segundos...

. Ministra da Saúde tem a c...

. Marcelo foi louvaminhar o...

.arquivos

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds