Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Salário mínimo e Reformas miseráveis

Desde os meus cinco anos que a pobreza me fez muita confusão. Porque é que eu tinha tudo e o meu amigo, também com cinco anos, não tinha nada?

Essa ideia cresceu de tal maneira comigo, que se tornou obsessão, me fez procurar, por todos os meios, a raiz do mal para levar Portugal e os outros povos a eliminar essa chaga.

Tentei passar por diversas dificuldades para entender onde estava o foco da doença. Cheguei sempre à conclusão que o estudo, o conhecimento e o trabalho eram a maneira para evitar as dificuldades.

Fiz muitas experiências. Quando estava em ponto de rotura, usava a inteligência, os estudos, e procurava de imediato trabalho, sem recorrer à ajuda dos pais e sem eles se aperceberem que eu era “louco”.

De trabalho em trabalho cheguei a Deputado na Assembleia da República. Desde o início causei problemas devido a defender a resolução das dificuldades do povo contra a perda de tempo e os risos ignaros.

Quando dos largos subsídios a jornais, recusei recorrer a eles, e tive uma desagradável discussão, em plena Assembleia, sobre este assunto, com o Jorge Lemos, Deputado do PCP, que os defendia.

Quando escrevi o livro “Lisboa, século XXI”, ofereceram-me um subsídio, também recusei, sempre com a resposta que o povo vivia mal e não tinha o suficiente para se alimentar.

Durante anos, fazendo sempre o que entendia, mesmo que os outros não entendessem, continuei obcecado na ideia inicial, mesmo correndo riscos, para pensar como resolvê-los.

O Corona, e não é desculpa, veio atrapalhar a ideia que eu pensava e penso ainda expor não só em Portugal mas também aos Governos de outros países.

Mas em Portugal, e o título para ele está virado “Salário mínimo e reformas miseráveis”; problemas, causadores de quase todos os outros, está fundamentalmente aqui.

O Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, tem sabido orientar o ensino de maneira a dar instrumentos de defesa contra a pobreza aos jovens.

É impossível a uma família, de três pessoas (também faço isto pelo mínimo) viver com o salário mínimo. E isto pode ser resolvido sem prejudicar as empresas em dificuldades. Basta usar a cabeça e saber como proceder.

Quanto às Reformas, algumas são tão baixas que alguns, dos mais baixos subsídios de apoio à subsistência, chegam a ser mais altos.

Como resolver esta situação? Pensando e revendo as escandalosas Reformas acima dos dois mil e quinhentos euros e equilibrar o que está muito desequilibrado.

Será que o desafio é demasiado grande para o Primeiro-Ministro, António Costa e para o Ministro das Finanças? Penso que não. Sugiro que coloquem na cabeça várias hipóteses e o Ministro João Leão, dando jus ao nome, apresente a solução.

 

Anterior “Afaste doenças e medos com pequenos prazeres”

C.S

publicado por regalias às 04:52
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Aproveitar a pandemia par...

. O problema não é o Covid ...

. Moçambique e a fatídica D...

. Árbitros, as ratas-cegas ...

. Sindicato Médico alimenta...

. Radicais livres de gargal...

. A Europa entrou em estado...

. O Corona e os 90 segundos...

. Ministra da Saúde tem a c...

. Marcelo foi louvaminhar o...

.arquivos

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds