Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2021

Como evoluiu a pandemia revolucionária 1974-1975

Ignorância, maldade e egoísmo, são a causa dos graves problemas da humanidade.

Portugal não escapou à maleita, quando da Pandemia revolucionária do PREC.

Era professor de Português e Francês no Liceu Nacional de Tomar quando a bollha rebentou.

Os jovens, os militares, os jornalistas e os cantores foram o alvo de Álvaro Cunhal que arregimentou e industriou umas dezenas para eles se infiltrarem e cativarem estes ingénuos que minariam os alicerces do País.

Passado pouco tempo depois da insólita revolução que teve como início uma reivindicação salarial e acabou por exigir a imediata independência das Colónias sem precaver as lutas entre os povos libertados como aconteceu na Guiné com o fuzilamento de muitos naturais e em Angola e Moçambique com a luta e morte de centenas de milhares de inocentes, além dos portugueses que aí viviam terem perdido tudo quanto tinham amealhado em anos de trabalho e de grande progresso desses países.

Como já referi dava aulas no Liceu. A minha sala era no terceiro andar. Tinha tocado para o intervalo e as escadas estavam cheias daqueles pardais felizes e descuidados. Eu ia no meio da escadaria, quando três jovens, dos mais velhos, entram em correria escadas acima gritando “arreda”, ao passarem por mim um disse, professor, os militares querem-nos prender, deixe passar. Mal tinha acabado de falar, um sargento e dois soldados galgaram as escadas. Eu estendi os braços: isto é uma escola, não pode passar. O sargento, disfarçadamente, encostou-me o cano da metralhadora ao estômago, e eu, alto e bom som, disse: pode disparar. Só depois consegue passar sobre o o meu cadáver. O homem olhou-me com raiva e desapareceu.

Passados dias, um polícia foi desarmado e roubaram-lhe a pistola, que nunca mais apareceu.

No dia seguinte, estava à porta do Café Paraíso de Tomar, à conversa com uns amigos; vinham três polícias a subir a rua. Do outro lado, quatro jovens, entre os vinte e trinta anos começaram a cuspir sobre eles, que não tiveram qualquer palavra ou reação. Eu tinha prometido nunca mostrar os dentes à polícia. Por volta dos 14 anos tinha sido multado. Nunca mais esqueci. Não pensei que eles estavam a cumprir o seu dever. No meu segundo livro, “Tu cá, Tu lá” aos 26 anos, dei-lhes uma alfinetada desagradável.

Neste momento pensei para mim: “a situação vai descambar na asneira e toda a gente vai sofrer. Tenho de esquecer o agravo infantil e defender a polícia para eles ganharem confiança. Primeiro telefonei ao Presidente da Câmara, Sr. Bonet, não lhe contando o que tinha presenciado, mas dizendo-lhe que gostava de dar lições de Francês e Inglês à polícia por causa dos turistas. Ele telefonou ao Chefe da polícia e durante quatro meses, dei as lições, mas achava sempre maneira de os convencer a manter a Ordem sem medo, mas com moderação para que a situação não se agravasse, porque tinham começado os insultos aos fascistas, que muitos nem sabiam o que isso era,.Quando lhes explicavam o significado da palavra ficavam aborrecidos.

Através do jornal “O Templário”, de que era Diretor, ia desmontando o ódio e as parvoíces. Os valentes começaram a espalhar que me davam uma boa sova. Eu passei a sair todas as noites sozinho para verificar se alguns corajosos seriam capazes de cumprir a promessa.

Os meses passavam, os insultos continuavam e os Partidos formaram-se para fazer eleições para a Constituinte. Fui convidado pelo PS, pelo PPD e pelo CDS, recusei, por muito que insistissem. Continuei a escrever e a analisar o que se estava a passar. Como verificasse que o agravamento da situação se tornava insustentável, escrevi o artigo “Atrás dos Militares” dizendo-lhes que eles estavam a ser enganados pelos políticos e que tudo o que acontecia de mal, ficaria sendo também culpa deles.

Em vez de agradecerem puseram-me em tribunal.

A estupidez humana é infinita.

Amanhã veremos porque lancei o grito desesperado de alerta.

Coloque a máscara. Siga as indicações do Ministério da Saúde e as regras que o Costa e o Marcelo implementam para salvar um País em que a ignorância e a criancice de uma parte da oposição rejeita, julgando ganhar votos, naqueles que força a enterrar todos os dias.

 

Anterior “Terceira República contaminada pelo vírus do PREC”

C.S

publicado por regalias às 10:24
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Centenário da maldição so...

. Gestão, desperdício e sof...

. Aeroportos sem aviões

. Venezuela e os benemérito...

. Nova vida em novo mundo

. Solidariedade ainda pode ...

. Passados dois mil anos, P...

. Aproveite o confinamento ...

. Emergência nas infraestru...

. Gato escaldado natalício ...

.arquivos

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub