Quarta-feira, 7 de Julho de 2021

Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XIII

O ano de 1926, em que termina esta Primeira República começa com uma greve académica.

Em Fevereiro, Martins Júnior e Lacerda de Almeida tentam mais um Golpe em Vendas Novas. Prendem os oficiais e com o Regimento, comandado por Sargentos, dirigem-se para Almada. Ocupado o forte começam a disparar sobre Lisboa.

A GNR, apareceu de imediato e, mal os intimou a renderem-se, eles obedeceram imediatamente. A GNR, não brincava em serviço. Depois de terem sofrido as primeiras vítimas, tornaram-se tão violentos que os revolucionários não esperavam uma segunda ordem e levantavam os braços.

No dia seguinte, Mendes Cabeçadas convida Gomes da Costa a acabar com estas insurreições que tornavam o País ingovernável.

Cunha Leal, a 26 de Abril incita o Exército a salvar a República. Acusa o Partido Democrático de ter arrastado o País para o caos e para a miséria e os políticos se terem portado como verdadeiros parasitas.

Em 1 de Maio, o Parlamento é invadido por uma multidão que insulta os Parlamentares com uma linguagem imprópria para cardíacos e de gente civilizada.

A 3 de Maio, a polícia desmantela uma tentativa de implantação do Bolchevismo.

O povo e os intelectuais apelam ao Exército para que intervenha eficazmente e ponha cobro ao descalabro em que o País se encontrava.

A 25 de Maio o General Gomes da Costa, com o conhecimento de todos os Partidos aceita encabeçar uma verdadeira Revolução.

A 28 de Maio começa o acontecimento em Braga. A 29 a Guarnição de Lisboa dá o seu acordo.

Mendes Cabeçadas, Jaime Baptista, Armando Ochoa e Carlos Vilhena formam a Junta de Salvação Nacional e nomeiam, o Comandante da Polícia, Ferreira do Amaral, Governador Civil de Lisboa.

Informado de todos o procedimentos, para evitar confrontos e mortos, Gomes da Costa passa por Coimbra, pelo Entroncamento, faz uma pausa em Sacavém para se certificar que estava tudo como combinado e chega a Lisboa entre muitas palmas.

Gomes da Costa, com Mendes Cabeçadas e Armando Ochoa formam um triunvirato para começar um novo Portugal.

Mendes Cabeçadas manda encerrar o Parlamento.

A Primeira República cai sem um gesto de resistência.

A ideia de António Sérgio,, de Cunha Leal e de muitos outros de um Governo de Ditadura salutar, ganhou forma. Os militares pegaram-lhes nas palavras. Não havia outra solução.

A Primeira República de 1910 a 1926 foi considerada o regime Parlamentar mais instável e mais lamentável de uma Europa que também não era um exemplo de paz.

Coloque a máscara. Depois de uma grande tempestade vem sempre um tempo de bonança, com pequenas borrascas. Vamos ver o que acontece e como Portugal aceita a Ditadura Militar,, ter Ordem na Casa e continuar uma Segunda República.

 

Anterior “Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XII”

C.S

publicado por regalias às 16:25
link | comentar | favorito

Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XII

Em Janeiro de 1925 milhares de operários desempregados são corridos à bastonada pela GNR, devido a criticas e insultos ao Governo.

Em Coimbra é inaugurada a Universidade Livre.

João de Deus Ramos afirma que os grandes problemas do País são o desemprego e a mendicidade.

Por Lei é proibida a exibição de filmes contrários à moral e aos bons costumes.

A 18 de Abril dá-se o Golpe dos Generais. O Ministro da Guerra é demitido por propor uma conciliação com os revoltosos.

Em Maio, o Comandante da Polícia, Ferreira do Amaral é gravemente ferido por militantes Comunistas da Legião Vermelha.

Em Lisboa, o Parlamento é suspenso e declarado o estado de Sítio em Lisboa que se prolonga até 30 de Maio.

Júlio Dantas, Henrique Lopes Mendonça, José Galhardo e André Brun formam a Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais portugueses SECTP, que mais tarde muda a designação para Sociedade Portuguesa de Autores, SPA.

Toda a gente fabrica dinheiro de conveniência. Os comerciantes imprimiam talões que substituiam os trocos e pagamentos na mesma casa-

Alves dos Reis desenvolve a ideia. Aproveita o caos em que o País se encontra e com a conivência de um corrupto, manda imprimir uma duplicação de notas de 500 escudos na casa Waterloo & Sons em Londres e funda o Banco Angola e Metrópole.

O País sobe e logo a seguir cai a pique.

O Jornal “A Época”, chama-lhe a Ditadura da incompetência.

A Liga dos Direitos do Homem protesta contra as deportações para as colónias, sem julgamento.

Mendes Cabeçadas e Jaime Baptista tentam um Golpe. Falham. São presos e poucos dias depois são soltos.

O Governo suspende todas as garantias Constitucionais e declara o estado de Sítio em todo o País.

António Sérgio aceita a possibilidade de uma Ditadura redentora, fábrica de uma verdadeira Democracia desde que seja feita em benefício de toda a Nação.

Em Outubro, Gomes da Costa escreve no Jornal “A Época”: “Portugal tem de reagir para que não o assassinem...Um lugar no Parlamento é para estes Catões, a gamela cheia, a fartura e o regabofe garantidos.”

 O Presidente da República, Teixeira Gomes, demite-se. É eleito, mais uma vez, Bernardino Machado que estava habituado a estas andanças e tinha 18 ou 19 filhos para alimentar. O povo gostava dele, sabia ser simpático. E ao povo, se não lhe derem nada, mas lhe sorrirem, ele fica contente.

Para Presidente do Conselho, (Primeiro--Ministro) entra António Maria da Silva que já tinha corrido quase todos os Ministérios, inclusive ter sido Presidente da Sociedade de Propaganda de Portugal.

Mas com um especialista em propaganda ou sem propaganda, a situação agrava-se subitamente. Descobre-se que Alves dos Reis tinha feito a maior burla do século ao comprar um Banco com notas falsas.

Coloque a máscara. O Vírus humano é bem mais perigoso do que esta pandemia que, pelos vistos, veio passar o Verão a Portugal. Coloque a máscara e lave bem as mãos.

 

Anterior “Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XI”

C.S

publicado por regalias às 11:58
link | comentar | favorito

Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XI

O ano de 1923 vai ser catastrófico. Desde Janeiro a Dezembro não houve um único mês sem manifestações contra o Governo.

Em Fevereiro a Polícia invade a CGT.

Em Março os padeiros e os metalúrgicos entram em greve. Toda a gente sabe fabricar bombas.

Cinco Bancos vão à falência.

Em Abril dois Juízes e dois industriais são as vítimas escolhidas, além do povo que, muitas vezes morre por ir ver o que se passa. A curiosidade também mata.

O trabalho infantil era geral. Os jovens trabalhavam por quase nada e pelas refeições.

Os boatos são constantes e servem para acirrar o povo a fazer toda a casta de desacatos. O tempo livre é muito e o pai de todos os vícios e loucuras.

A 17 de Julho Fernando Pessoa, António Sérgio. Jaime Cortesão. Raul Brandão e Aquilino ribeiro protestam contra a Censura que obrigou a sair de cartaz a peça de António Ferro “Mar Alto”.

Em Agosto Teixeira Gomes é eleito Presidente da República.

Em Setembro, na Aldeia da Ponte, a GNR, num tiroteio com revolucionários profissionaism mata cinco.

Em Outubro a greve dos ferroviários e dos marítimos do Porto leva a um número enorme de prisões.

António Sérgio, Afonso Lopes e outros escritores propõem uma Ditadura de Salvação Nacional. Carlos Rates, defende uma Ditadura das Esquerdas.

A 15 de Novembro, Ginestal Machado toma posse do trigésimo oitavo Governo. No final do mês manda soltar os presos de S. Julião da Barra. Não havia dinheiro para sustentar tanta gente sem fazer nada.

Cunha Leal, na Sociedade de Geografia, apela a uma Ditadura salvadora de Portugal. Com ele estão Ginestal Machado e Júlio Dantas.

Oliveira Salazar advoga uma contenção de despesas para resolver alguns dos problemas em que o País se encontra. Mas ninguém ouve ninguém, seja da Direita ou da Esquerda.

Em 1924, as greves continuam com redobrada força e os confrontos entre a CGT e a polícia provocam vários mortos e feridos,

Em Fevereiro, o Governo preocupado com o elevado número de casos de sífilis, manda que todas as toleradas e prostitutas façam uma inspeção sanitária regular.

Os funcionários das Finanças declaram-se em greve sem se importarem com as consequências, nem com o prejuizo causado ao País.

Em Maio, a cidade do Porto é entregue ao poder Militar.

O próprio “Diário do Governo” tem de ir à Censura.

Num recontro com a polícia, os Comunistas da Legião Vermelha sofrem três mortos, mas conseguem matar um Polícia.

A indisciplina nas Forças Armadas é total.

Em 5 de Julho a freguesia de Valongo passa a Valongo de Milhais em honra ao célebre Milhões.

O Partido Comunista assalta o Ministério da Guerra e a Central telegráfica. Só por pouco não alcança o poder

As Forças do Governo tornam-se muito mais violentas. Mas a situação do País piora.

A dívida do Estado é enorme.

Na “Seara Nova” , José Rodrigues Migueis declara que a burla das Eleições era miserável e que isso levava à situação em que o País se encontrava.

No Parlamento, Cancela de Abreu, afirma que o País estava entregue a uma quadrilha de ladrões.

O Fascismo aparece como solução possível. O Jornal “Novidades” é contra. Afirma que Mussoline era um oportunista e justificava a afirmação.

Em Novembro a GNR dissolve, à bastonada, uma manifestação comemorativa da Revolução Bolchevista, que já contava na Rússia com centenas de milhares de mortos. Nem Fascismo nem Comunismo eram exemplos a seguir.

José Domingos dos Santos forma o quadragésimo primeiro Governo Constitucional.

Coloque a máscara.O António Costa tomou as suas precauções. Todo o cuidado é pouco. Siga-lhe o exemplo.

 

Anterior “Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria X”

C.S

publicado por regalias às 08:15
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Cursos Universitários Onl...

. Seguros contra as pandemi...

. Alguns médicos e outros e...

. Portugal continua de luto...

. Dois milhões vivem com me...

. Com a morte na alma. O Pa...

. Todos tão bons e Portugal...

. Os países e as migrações....

. Homem novo e raça de Com...

. O ser humano está a regre...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub