Quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

A insuficiência dos competentes

Intuitivo e hábil o Povo Português é dos mais inteligentes do mundo. Mas só demonstra as suas extraordinárias capacidades em casos extremos de ruptura. Prova disso está a crise de 1383-1385, a expansão marítima quando o caminho em terra estava vedado e era necessário lavrar o mar.

O português engrandece-se na aventura, é um gigante no trabalho e na organização quando vive nos outros países e um desinteressado pelo seu próprio País onde só trabalha por obrigação. No estrangeiro fá-lo por prazer, por orgulho em mostrar o seu saber e competência.

Um país com dez milhões de habitantes é menor do que muitas cidades asiáticas. O nosso orçamento é menor do que o de algumas companhias americanas e Japonesas. O País tinha obrigação de ser uma jóia de lapidação imaculada. Não é.

O português não estuda. Só o faz depois de muita insistência. Quando isso acontece, o estudo, a intuição e a habilidade inata explode em génio e deslumbramento.

O que acabo de dizer vem a propósito da séria advertência do Sr. Bernardo Albino sobre a falta de cereais e as gravosas consequências de que daí advirão. O Sr. Bernardo Albino é muito claro quando diz: "estamos a falar da nossa alimentação de todos os dias".

Esclarecendo: a tragédia está a aproximar-se. O povo enlouquece com a fome e o desespero. Foi o que aconteceu na Primeira República.

Salazar, a primeira coisa que fez para acalmar a fúria dos enganados da Primeira República foi mostrar-lhes pelo exemplo a força do trabalho e da inteligência. Todos lançaram mãos ao seu potencial produtivo e ao engenho. Em 1933, ao discursar sobre a chegada do "Gonçalo Velho", diz: "...é preciso que tenhamos descido muito baixo para que seja acontecimento nacional a chegada dum pequeno navio para a marinha portuguesa", mais adiante acrescenta. "Nós não teríamos ouro para pagamento imediato da nova esquadra se pelas campinas não houvessem lourejado, abundantes, as searas. Para que pudessem sulcar os mares os navios portugueses, foi preciso que a charrua sulcasse mais extensamente, e melhor, a terra da Pátria, poupando à Nação largas somas do seu ouro."

É mais que tempo de voltarmos ao trabalho e de deixarmos de "governar" as Nações alheias. Aos dois primeiros anos de desvario depois do 25 de Abril seguiu-se uma Assembleia da República onde os votos de protesto contra o que de mal acontecia nos outros países, nos roubava tempo, dinheiro e credibilidade. Seguiram-se os tempos de hesitação e os gastos desbragados de quanto vinha e vem da União Europeia. O resultado é a miséria que ronda perigosamente a cabeça de cada um. Ninguém está seguro. Os que têm e os que não têm serão todos vitimas do vendaval.

É tempo de ouvir vozes sensatas como as do Sr. Bernardo Albino.

A festa da inconsciência dura há 36 anos. É tempo de voltar ao trabalho.

C.S

 

publicado por regalias às 07:55
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Portugal, País de marinhe...

. Acredito na inteligência ...

. Todos mandam, ninguém se ...

. “Liga” perde combate na c...

. Em 146 a.C destruíram Car...

. O fim da guerra com estro...

. Estupidez criminosa alime...

. Tanto quis ser pobre, que...

. Português -Russo, 145

. Português -Russo. 144

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub