Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

A subida ao céu com a Maria Dulce

Dos momentos mais felizes que recordo, neste confuso e disparatado mundo em que vivemos, um dos que nunca desapareceram desta memória saudosa de tudo quanto acontece de agradável tem a ver com a Maria Dulce.

Corria o ano de 1949 ou 50, a Maria Dulce vivia em Castelo Branco onde os pais tinham uma pequena loja de artigos finos, como então se dizia. A Dulce parecia ser um bibelô que ganhava alma logo que saía para o exterior, para a rua.

Nesse tempo, as ruas ganhavam os nomes do imaginário estudantil. Vínhamos do Liceu Nun'Álvares, tínhamos, naquela zona, a Praça (o mercado), a rua da sapataria maldita, a rua da papelaria Semedo etc. A Dulce saía das aulas e dirigia-se à boutique, como era conhecida a loja, que era na rua da papelaria. Eu vivia ali perto, na casa das senhoras Trigueiros. Lembro-me que os meus pais pagavam por mês seiscentos e cinquenta escudos (3, 25 €) por dormida, comida bem confeccionada, saudável, amizade e duas criadas, além das três senhoras Trigueiros de saudosa memória. 

A minha idade pouco diferia da Dulce. Ela tinha a mesma altura que eu. Era alta, esguia, de uma beleza tão pura e quase tão irreal, que os miúdos da minha idade a olhavam entusiasmados de prazer, mas incapazes de lhe dirigirem piropos, tão distantes a viam deles. Eu, como vivia ali, encontrava-a todos os dias, sempre acompanhada de uma ou duas amigas. Até que um dia, não resisti e tentei meter conversa. A primeira investida foi sem sucesso, mas...pedra mole...

Julgo que foi pelo carnaval de 1950. Ela pergunta-me:

Vais ao baile no Clube? "O clube era perto da Sé Catedral".

Imediatamente pensei que ela ia. Respondi que iria se ela dançasse comigo.

- Só duas vezes. O meu pai vai lá encontrar-se com uns amigos e depois vamos ao Hotel Turismo. Eu tinha um medo terrível do pai. Era alto e forte e não sorria para quem desconfiasse. Eu não lhe oferecia garantias.

Da primeira vez que dançámos, a minha energia estava ao rubro embora eu tentasse ser discreto, mas ela sentiu e tremeu toda como se fosse desfazer-se nos meus braços. Senti as suas unhas enterrarem-se na minha carne e disse num sussurro: maluco! Não volto a dançar contigo. Mas dançou mais uma vez e desapareceu de Castelo Branco. Por mais que procurasse por ela ninguém tinha certezas. Só quando apareceu o filme "Frei Luís de Sousa" todos gritaram: "é a Dulce, é a Dulce!".

Muito antes já eu tinha subido ao céu à sua procura.

Nesse mesmo ano de 50, estava numa aula de Ginástica (como se dizia naquele tempo). O professor era o Dr. Carriço, um latagão que era médico no Liceu e professor de ginástica. O consultório era partilhado com o Dr. Alberto Trindade, médico principal e mais duas enfermeiras.

A aula era no pátio exterior, na parte mais elevada do campo de jogos. Tudo era enorme, perfeito e limpo. O Dr. Carriço mandou-nos sentar e começou um exercício de braços para o lado e para a frente. A voz cadenciada marcava o ritmo: "em frente, esquerda, em frente, direita". Não sei se foi do sol, se foi do sonho, eu só via a Maria Dulce. Em dado momento, os meus braços ficaram estendidos para a esquerda e paralisados. O exercício terminou e eu continuei no céu, de braços estendidos, agarrado ao meu delírio. Os meus colegas riam deliciados pela situação que previam. O Carriço devia-me olhar surpreendido com a ousadia e, sem entender, que o sonho é mais forte que o homem, foi até ao meu lugar, colocou-se à minha frente. Quando chamou pelo meu nome, olhei-o espantado. O monstro (com amizade) ferrou-me duas bofetadas tão fortes que eu vim do céu à terra, muito mais rápido do que tinha subido. 

Nunca mais encontrei a Dulce. Sabia dela pelas suas representações. Vi como cresceu e se transformou. No meu coração continuei a vê-la menina e moça, esguia, muito esguia, muito bela, fazendo cantar poemas e entusiasmos que perduram pela vida e lhe dão a cor, que nela falta.

O meu beijo, Maria Dulce. O beijo eterno de até sempre.

C.S

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por regalias às 07:58
link | comentar | favorito
1 comentário:
De spielenschach1 a 16 de Setembro de 2010 às 18:40
Tem graça. Lembro-me da Maria Dulce, mas só em fotografia, e no cinema claro.
É evidente que aquele cara de anjo despertou em mim um amor platónico, inofensivo. Eram assim os meus amores. Mas como o prazer e a dor são de certo modo alimentados pela mente, eu era feliz desta maneira! Muito linda aquela moça!...
Até fiz a comparação entre o passado e o presente quando a via na televisão já nos seus setenta…
Mas no tempo dos seus ‘teen’, não me admira nada que fosse uma atracção para o CS, sempre apto a captar os destaques num episódio que por norma não duraria muito, pois que não tardaria a pensar no seguinte e a abandonar o anterior.
Mas não é por isso que a Maria Dulce deixa de ser um sonho de adolescente…
JP


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Portugal, País de marinhe...

. Acredito na inteligência ...

. Todos mandam, ninguém se ...

. “Liga” perde combate na c...

. Em 146 a.C destruíram Car...

. O fim da guerra com estro...

. Estupidez criminosa alime...

. Tanto quis ser pobre, que...

. Português -Russo, 145

. Português -Russo. 144

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub