Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010

O esbanjamento e a Alemanha

A primeira vez que fui passar férias a Inglaterra tinha os meus vinte anos. A segunda Grande Guerra tinha terminado há dez anos. Londres estava quase refeita das feridas. Os Jamaicanos cuidavam das ruas e a limpeza era exemplar.

Fui para Inglaterra só para ver Londres e visitar Stratford. Shakespeare fascinava-me mais do que os compêndios escolares dos quais fugia, muitas vezes mais por causa dos professores do que pela matéria. Havia muitíssimo bons professores, e outros que eram autênticas tábuas lisas. Podiam conhecer da matéria mas ignoravam o coração dos alunos e o mundo que os rodeava.

Em Stratford encontrei Anne, uma jovem alemã, que também tinha assentado arraiais em Londres. Encurtando razões, passámos a compartilhar o meu quarto onde, por um penny metido numa caixinha, tínhamos aquecimento e horas de embevecimento.

Os três dias prolongaram-se por quase um mês de sonho, de passeio e de trabalho. Resolvemos visitar o Norte do Reino Unido. Não pensei duas vezes. A Anne pôs reticências. O dinheiro não é elástico. Podia recorrer aos meus pais. A Anne proibiu-me categoricamente. Eu devia saber defender-me de todas as dificuldades.

Vamos para o Norte. Perto de Newcastle havia Campos de Trabalho. Pudemos aí trabalhar oito dias, o que foi suficiente para visitar Edimburgo e Glasgow. Ainda hoje recordo esses momentos com muita saudade e algumas tremuras.

A que propósito vem esta conversa, e o que é que ela tem a ver com o esbanjamento e com a Alemanha?

Logo no segundo dia, em que fiquei com a Anne, tive a impressão que ela foi buscar, ao cesto do lixo, um tubo vazio de um produto para as borbulhas. Limpou-o cuidadosamente e guardou-o. Eu fingi que não vi. Em breve esqueci o incidente. Os meus pensamentos estavam sempre e só na Anne.

Em Edimburgo a Anne foi procurar o tubo da pasta de dentes que eu deitara para um cesto de lixo e papéis rabiscados. Olhei para ela. A Ana puxou-me docemente e disse-me:

No meu País aproveita-se tudo. Eu trabalho e estudo. Começo às sete da manhã e é rara a vez que vá para a cama antes da meia noite.

Tinha cinco anos quando começou a guerra, aos oito tudo se começou a desmoronar e aos dez, quando o horror terminou, eu vestia farrapos e passava fome. Meu pai e minha mãe, que felizmente tinham sobrevivido, faziam impossíveis para arranjar algo para comer. Ao fim de um ano, todos, pequenos e adultos, só tinham e continuam a ter um pensamento: reerguer, com dignidade, a Alemanha. O desperdício não existe. Tudo é reaproveitado. Mesmo fora da Alemanha não consigo ser diferente.

A história é grande e bonita. Fica para já a ideia que não é possível continuar a esbanjar em todos os serviços. Se não o fizermos imediatamente, a catástrofe não terá piedade de nós.

C.S

 

 

 

 

publicado por regalias às 08:29
link | comentar | favorito
1 comentário:
De spielenschach1 a 25 de Setembro de 2010 às 11:19
Bons conselhos CS. E parece que o Estado te entende. Essa proibição dos "topos de gama" à Companhia das Águas é sintomático.
Produzir e poupar, já dizia...
"O Melhor Português de Todos Os Tempos".
Afinal os alemães sempre foram um exemplo de trabalho e persistência. Não vou até à Idade Média, pois aí não se diferençavam dos outros povos na sua mediocridade e miséria camponesa. Mas os poetas acicatantes (e cá entre nós, tens um lugar entre eles), tanto fizeram, tanto disseram que a Deutschland começou a subir na escala do progresso já que os governantes começavam a "escutar" poetas e escritores.
Mas vem a propósito uma anedota que me contaram sobre um bêbado que foi a uma romaria. Já no principiar da noite, festa encerrada, o nosso homem resolveu montar a sua égua. Mas como tinha a andar à roda por causa do vinho que bebera, não conseguia montar. Então ei-lo que se lembra de pedir auxílio ao Céu. E começou a rezar a um santo da sua devoção. Ainda não... Rezou a outro e assim sucessivamente. Por fim rezou a Todos os Santos. Meu amigo, deu um salto enorme, como se tivera uma mola debaixo dos pés... E ei-lo que se estatela do outro lado da besta...
Observação do homem "Agora foi demais!..."
Bom, eu acho que os poetas e escritores também chatearam demais... porque veio a Hitler a dar pão, paz e trabalho a toda a a gente (até aí tudo bem). Mas eis que o acicate continua a trabalhar, o homem ficou doido, e pôs o mundo no inferno.
Mas os alemães aprenderam com as duas guerras. Suponho que isso os equilibrou e continuam os melhores mas em equilíbrio.
Será que nós por cá começamos a seguir-lhes o exemplo?
JP


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Cursos Universitários Onl...

. Seguros contra as pandemi...

. Alguns médicos e outros e...

. Portugal continua de luto...

. Dois milhões vivem com me...

. Com a morte na alma. O Pa...

. Todos tão bons e Portugal...

. Os países e as migrações....

. Homem novo e raça de Com...

. O ser humano está a regre...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub