Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010

Força de vontade e direitos dos trabalhadores

A situação calamitosa em que se encontra o país tem uma vantagem: obriga a que todos os portugueses se unam para salvar a Pátria amada e para recuperar a paz e a confiança perdidas, além dos benefícios económicos que o bom senso e o trabalho produzem.

Hoje, já ninguém fala em fascismos e poucos em Ditadura. Os únicos fascistas e ditadores que conheci foram Cunhal e os néscios paus-mandados que o seguiam. Mesmo sendo poucos, esta gentalha conseguiu quase destruir o País utilizando três meios fundamentais para atingir a confusão, espalhar a mentira, arrasar indústria, comércio, agricultura e lançar as primeiras levas de desempregados para a indigência.

Que meios foram esses? Primeiro, a Comunicação Social: Rádios, jornais e Televisão.

Segundo, os artistas de teatro e cinema, alguns, poucos, razoáveis, outros, a grande maioria, frustrados sem nível, mas que viram aqui uma oportunidade de esconder a mediocridade e singrar.

Terceiro, alguns intelectuais gabirus, uns beneficiários do antigo regime, outros por idealismo inconsistente.

Hoje, embora cada um alinhe à esquerda ou à direita todos compreendem os erros cometidos e estão prontos a alterar a situação, o que não parece fácil, mas é. Chama-se força de vontade e bom senso.

Em vez de discussões que não levam a lado nenhum, porque não meter mãos à obra?

Como não quero alongar o texto, deixo só uma ideia, ingrata para aqueles que continuam a pensar que Democracia é só gaita e folia.

O escandaloso número de desempregados e de gente mal paga deve-se principalmente à teimosia dos Sindicatos e dos seus cães latrantes, o Bloco e o PCP, que continuam a insistir nos direitos dos trabalhadores, para assim garantirem o sustento, comerem a carne e lhes deixarem os ossos.

A verdade é que ninguém quer tirar direitos seja a quem for. Sem gente de trabalho, o País não funciona. Mas os trabalhadores, empurrados pelos chupistas antes mencionados, exageraram de tal maneira as suas reivindicações que as empresas ou fecharam ou, à medida que os trabalhadores se reformavam, não os substituíam para não arranjar problemas e despesas. Resultado: perderam os trabalhadores, perderam as empresas, perdeu o País que está de rastos e com um pé no pescoço.

Para o empresário readquirir a confiança precisa de sentir que não volta a ter problemas. 

Não há empresário nenhum que despeça um bom empregado. E o empregado tem de saber que o trabalho não é lugar para comícios ou para instabilidade provocada pelo diz-se, diz-se e pelo: temos direitos. E deveres? Os direitos não funcionam sem os deveres.

A flexibilidade no trabalho não é um mal. Pode ser o primeiro passo para a recuperação de Portugal.

C S

 

publicado por regalias às 09:21
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Portugal, País de marinhe...

. Acredito na inteligência ...

. Todos mandam, ninguém se ...

. “Liga” perde combate na c...

. Em 146 a.C destruíram Car...

. O fim da guerra com estro...

. Estupidez criminosa alime...

. Tanto quis ser pobre, que...

. Português -Russo, 145

. Português -Russo. 144

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub