Sábado, 28 de Janeiro de 2017

As tentações dos velhos solitários

Hoje, ao divagar suavemente sobre algo que há 50 anos seria escandaloso e próprio de um devasso sem vergonha, fi-lo mais para me convencer a mim mesmo que o mundo Ocidental tinha mudado radicalmente e que a aproximação entre o racional e o irracional é muito mais estreito do que imaginamos.

Tenho poucos amigos, não menos de 500 e não mais de 1000. Mas são todos bons; frontais, diretos. Dizem o que têm a dizer. Não estão com palavrinhas doces. São assim desde que nos conhecemos. Alguns com mais de 75 anos.

O Estado Novo nunca lhes cortou a língua e o pensamento. Todos subiram na vida sem terem necessidade de fazer revoluções falhadas como a que fabricou o galinheiro de São Bento, muito mais ridículo e ineficaz do que galinheiro de Salazar, nos jardins do Monastério, que produzia ovos frescos, cacarejando menos, e produzindo milhões de vezes mais.

Não estou a dizer nada que não se saiba e não se oiça à boca pequena.

Um desses meus amigos, oficial, incapaz de criticar os camaradas, é aquele que me envia tudo o que brilha no mundo. O mau e o bom.

Ontem mandou-me a tentação em que as japonesas andam loucas com as argolas. Hoje enviou-me as 50 melhores pinturas do mundo. Falta lá pelo menos uma, a do meu amigo Luís Gonçalves, orgulho da cidade da Guarda e de todos os seus amigos que gostam de o espicaçar para ouvir lições de pintura, que de outro modo nunca conseguiriam.

A modéstia, a simplicidade e a naturalidade são características dos portugueses. Com a velhice agravam-se e por isso têm de ser espevitadas para se ter a certeza que ainda mexem ou se são já múmias ambulantes à espera do dia das surpresas em que partem para o infinito a preparar o lugar aos retardatários.

Os velhos mexem bem até quase aos 90 anos, a partir daí, salvo raras exceções, só dizem baboseiras.

Aquilo a que não resistem os velhos é saber até morrer. A sua sede de conhecimento é infinita. Entre as loucuras das japonesas e os quadros de um Caravaggio, de um Rembrandt, de um Velasques, comparados com os vídeos excitantes das belas e loucas japonesas, preferem os segundos.

Ao tempo dos apetites sexuais, mesmo que ainda os tenham e nunca devem ser subestimados, preferem acalmar com a beleza dos quadros que os transportam ao sonho e à saudade do passado distante e irrepetível.

 

Anterior “Sem terra para conquistar, portugueses fazem-se ao mar”

C.S

publicado por regalias às 12:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Antena1 contínua com um p...

. Terminou o circo. Costa, ...

. Celebremos a poesia, cele...

. Oliveira Salazar, o Ditad...

. Histórias de faca e algui...

. Vendedores de morte no me...

. Massacre com o futebol na...

. Cristas e Catarina na Ant...

. Costa e Jerónimo não brin...

. Salazar e a desfaçatez de...

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds