Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2021

Confinado mais em Berlim Oriental que em Portugal

Estávamos em 1973, Fui a Berlim Ocidental fazer um pequeno negócio. Os dias que passei na cidade foram mais do que tinha pensado e o tempo livre de espera era demasiado para o meu feitio.

Num desses dias em que me tinha levantado cedo e na rua, muito movimentada, começava a levar alguns encontrões, senti-me um empecilho. A cidade não é para passear, mas para trabalhar. Empurrado daqui e dali, sem sequer me dei conta que fui até ao muro de Berlim. Fronteira intransponível, nesse tempo, nem para Berlinenses de um lado e de outro e muito menos para um estrangeiro sem visto ou qualquer autorização. Mas para português perverter as regras é uma tentação irresistível. Foi assim com as descobertas, continua a ser  ainda assim nos dias de hoje, quando só à força e contrariados colocam a máscara e cumprem as regras de proteção para não se contaminarem a eles e aos outros.

Perante a porta que ligava as fortes paredes do muro onde várias sentinelas, ao longo e no cimo do mesmo guardavam as duas cidades para não se contaminarem.

Não me contive. Toquei e entrei. Lá dentro, sala larga, balcão, de boa madeira, tinha uns cinco ou seis funcionários que instintivamente levantaram a cabeça. Ao guarda da casa que me atendeu expliquei-lhe que gostaria de entrar em Berlim Oriental para ver a cidade.

O homem pediu-me o visto, a autorização que eu não tinha e mais umas quantas perguntas. Com o meu passaporte na mão, disse-me para esperar sentado. Estive bem umas quatro a cinco horas, a olhar, não para as moscas, que não havia. Nem ruído.

Passei de uma cidade ruidosa para um silêncio profundo, que tanto as paredes como a porta eliminavam totalmente. Só não adormeci porque a minha cabeça funciona como bateria sem tempo. Sempre sequiosa de aprender mais.

Ao fim desse tempo tive permissão de entrar na cidade.

Espanto dos espantos. Não havia gente nas ruas. Dirigi-me ao local onde se encontravam dois táxis e perguntei onde podia encontrar um restaurante pois, não sei porquê senti uma fome imensa e rapidamente pensei em comer para melhor observar a seguir. Assim foi. Comi uma carne muito bem feita, uma boa salada de pepino e um sumo que me escolheram. Sei que em dinheiro português não me ficou a mais de seis escudos (hoje 3 cêntimos) em Berlim Ocidental nunca seria menos de quarenta escudos.

A cidade era espantosa. Tudo muito limpo, tudo muito arrumado, lojas impecáveis, povo amável, mas que mudava imediatamente de atitude, se dissesse algo sobre política.

Gostei da cidade, quase vazia de gente e de poluição, onde carros praticamente não existiam e apesar de estar quase ligada à sua meia metade, não lhe sofria as dores dos fumos.

Durante muito tempo pensei em Berlim Oriental e um grande desejo de aí viver, onde a limpeza era superior ou igual à da Holanda ou da Suíça e o barulho não existia.

Se não fosse casado e tivesse já filhos, tenho a certeza que não resistia. Esta força genética que nos empurra para a surpresa e para o infinito foi aquela que nos fez percorrer o mundo à procura da felicidade e do desconhecido.

Agora que não temos para onde nos alargar, façamos pois um pequeno esforço para, juntamente, com os outros povos, varrer o Covid, cumprindo regras, a menos que todos queiram ficar confinados em casa tal como estavam os de Berlim Oriental até à queda do muro.

Coloque a máscara. Não se zangue. Não vale a pena. Quanto mais se zangar, mais o Covid poderá saltar de um para outro até você se calar.

 

Anterior “Marcelo só agora compreendeu a ignorância e a ingratidão”

C.S

publicado por regalias às 10:09
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Centenário da maldição so...

. Gestão, desperdício e sof...

. Aeroportos sem aviões

. Venezuela e os benemérito...

. Nova vida em novo mundo

. Solidariedade ainda pode ...

. Passados dois mil anos, P...

. Aproveite o confinamento ...

. Emergência nas infraestru...

. Gato escaldado natalício ...

.arquivos

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub