Quinta-feira, 15 de Outubro de 2015

Costa no poço da morte com dois pneus furados

Se Portugal não estivesse preso por arames e os portugueses aguilhados nas partes fracas, o espetáculo que o funâmbulo Costa proporciona serviria para divertimento, estudo e preocupação.

Divertimento porque o homem tal como o funâmbulo, espécie de esquilo indiano, a que a palavra também nos remete, ou a indivíduo inconstante, imprevisível no sentido figurado, não deixa de ter a sua graça. Ele próprio se diverte com as ideias, como as manipula, como deixa os interlocutores confusos sem saber se o mandam abaixo de Braga ou lhe viram as costas. Os assuntos são demasiado sérios e o país demasiado frágil para se aguentar até com pequenos abalos ou elucubrações espontâneas e nada vinculativas, mas que causaram um rombo imediato no mercado bolsista de quase dois mil milhões de euros quando a Catarina disse que o governo  de Passos e Portas acabou.

Este suspiro foi pago a peso de ouro. Em todos os Partidos a situação é preocupante. Os do PCP não acreditam no que está a acontecer. É o fim do sonho igualitário e das mil promessas do Cunhal, dos Vascos e dos Jerónimos. A frente unida que mantém o PC entre os 7 e os 8 por cento está prestes a ruir.

Revoltam-se contra a neurose do Costa que antes era considerado um delinquente mental. Depois das eleições e com o choque inesperado entrou em delírio de grandeza. Já se imagina um novo Napoleão capaz de enfrentar Bruxelas.

A inteligência do Costa atingiu grande efervescência. O Passos já o mandou passear, mas a Catarina e o Jerónimo podem endoidar e, de repente, subindo ao campanário o desçam de cambulhão.

Fiquei contente quando nenhum dos Partidos teve a maioria absoluta. Era a grande oportunidade para todos se unirem apesar das suas diferenças. O Costa surpreendeu-me e achei-lhe graça. Gosto de pessoas inteligentes, estejam elas no Partido que estiverem. Nunca pude com o Cunhal. Nunca o considerei inteligente. Era um tipo frustrado com uma ideia fixa: destruir para construir não sabia o quê. Cunhal era esterco.

Costa pode não ter cariz, mas neste momento ele leva dois meninos às costas nas voltas do poço da morte, com pneus furados. A sua capacidade supera-o. Ele sabe que para vencer tem de os reduzir a zero.

O Jerónimo já deita comunismo pelos olhos e só espera ser substituído, mas não gosta de ser tomado por parvo. A Catarina ainda tem muito para aprender e o Costa arranjou um trinta-e-um que me obriga a ouvir os noticiários do dia e da noite imaginando os pesadelos de Cavaco e as maquinações do Costa para sair da camisa-de-onze-varas em que está metido, em que meteu o Partido Socialista e em que pode meter Portugal.

 

Anterior “União Europeia ou União de insignificantes mentais?”

C.S

publicado por regalias às 05:51
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Os portugueses e o que in...

. A fome e o frio metem a l...

. Ingovernável, Anarca e se...

. Depois das Eleições, o tr...

. O que nos interessa saber...

. A infâmia humana é superi...

. O bem público

. Dois galos na mesma capoe...

. Os mares estão doentes e ...

. "Visita Guiada" - CUF - A...

.arquivos

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub