Segunda-feira, 29 de Abril de 2019

Da Espanha de luto à Espanha fulgurante

A primeira vez que entrei em Espanha, o choque foi tão grande, que eu miúdo de seis ou sete anos não desejava estar naquele lugar.

Eu vivia na raia e meu pai, mais os amigos iam visitar outros companheiros e levar-lhes o que lhes faltava. Um dia levou-me com eles.

Era uma Espanha de negro, de escombros, de tristeza.

Cinco anos mais tarde, um tio meu foi destacado pela CP para Chefe da Estação dos Caminhos-de-Ferro em Badajoz. O filho é da minha idade. Como ele passava as férias grandes em minha casa, também quis ir passar uns dias com ele. Como meu pai tinha o seu trabalho disse-me que não me podia levar. Eu que gosto imenso de comboios e naquele tempo as máquinas deslumbravam-me com as chaminés fumegantes, elegantes e o pouca terra, pouca terra daquele barulho cadenciado, disse-lhe que eu podia ir sozinho.

Meteu-me no comboio na Estação da Fatela-Penamacor, falou com o maquinista e com o revisor e lá cheguei inteiro e feliz como um pardal.

A Estação de Badajoz tinha também alguns comboios, mais magritos que os nossos. Quando cheios de passageiros eram muito divertidos, faziam que andavam, mas não andavam, primeiro que arrancassem deitavam os bofes de fora.

Comecei a gostar. A Cidade, embora com bastantes casas destruídas já tinha um ar agradável, o pior eram as mulheres todas vestidas de negro, com ar sempre triste e incapazes de um sorriso ou de uma pequena caricia a miúdos portugueses sempre com um ar feliz nos lábios e à espera de uma laracha.

Foi a Espanha de 1945/46 que eu senti e que com o meu primo e naqueles comboios que adorávamos percorremos sítios tão distantes como Mérida. Duas crianças de 10, 11 anos e que apesar de a Guerra Civil ter terminado em 1939, viajavam até onde a luz do dia, dava para ir e voltar. A segurança no país era total.

Como o Blogue é pequeno tenho de me despachar.

Resumindo: apaixonei-me por Espanha. Durante a juventude esquadrinhei a Espanha de Norte a Sul. O escudo era mais forte que a peseta e os meus pais só tiveram um filho a quem faziam todas as vontades.

Anos mais tarde, estava com 42 e era Deputado no Parlamento Português, causei um escândalo imenso quando dos 262 Deputados votaram contra Espanha e só um votou a favor.

A Espanha que eu tinha conhecido de rastos tinha-se rejuvenescido, estava fulgurante, as pessoas já sorriam, falavam alto e descontraidamente, as cidades, vilas e aldeias tinham ganho vida e beleza. O progresso era evidente.

Podem dizer o que quiserem contra Franco. E com alguma razão, mas se não fosse o pulso forte do Caudilho e a inteligência dos Governantes espanhóis, aquilo que levou trinta anos a reconstruir teria levado sessenta e quem sofreria era o povo.

Nunca me arrependi de votar a favor de nuestros hermanos.

Depois das eleições de ontem espero que todos pensem no país de força e beleza onde vivem.

Arriba Espanha!

 

Anterior “Liberdade sem regras não é liberdade, é caos”

C.S

publicado por regalias às 07:10
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds