Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

Democracia, liberdade e à vontade

Ao ler e ver no vídeo do jornal digital “Observador” um jovem boxeur Croata esmurrar o árbitro quando ele se preparava para declarar o rival Lituano como vencedor, lembrei-me que estas cenas eram frequentes antes do 25 de Abril, principalmente nos combates de Luta Livre.

A vantagem ou a desvantagem, segundo a perspetiva de cada um, é que em democracia estas cenas não são admissíveis.

Em 1962 ou 1963, um casal de franceses, François e Julie, que eu tinha conhecido quando trabalhei no Consulado de Portugal em Paris e que os tinha entusiasmado a visitar Portugal, sem me dizerem nada, em 1960, tinham vindo até à Casa Lusitana e nunca mais pararam. Adoravam Portugal e a maneira de ser dos portugueses.

François incitava todos os seus conhecidos a passar férias em Portugal onde o povo era excecional, a comida uma maravilha, o vinho uma delícia, o tempo e o mar de sonho e os preços de tão baixos eram um convite a ficar meses se o trabalho não obrigasse a regressar a França.

Os amigos diziam-lhe: “mas aquilo não é uma ditadura?”

François e Julie olhavam-nos incrédulos. François tinha sempre a mesma resposta:

- Portugal é o país mais livre que conheço. A Segurança é total. Podes andar toda a noite na rua e nas vielas mais esconsas de Alfama ou do Bairro Alto sem qualquer preocupação. Os carros podem ser arrumados em qualquer sítio desde que não perturbem o trânsito ou ocupem lugares de paragem de autocarros. Ninguém chateia. As pessoas são felizes e alegres. A poluição é nula. Em Paris, se vestires uma camisa branca, mal sais de casa fica imediatamente salpicada de fuligem. Em Lisboa e no resto de Portugal respira-se o ar saudável que não se encontra em mais nenhum país da Europa.

Durante anos vieram a Portugal centenas, senão milhares de Franceses indicados por um único casal e seus dois filhos que adoravam Vila Nova de Milfontes.

O Jogo de boxe trouxe-me à ideia este caso, a paixão que François e Julie nutriam por Portugal e as proibições democráticas que já existiam em França e que os portugueses ainda não lhe tinham provado o sabor.

As lutas nas escolas entre os jovens eram naturais. Mas a amizade entre os contendores ficava mais sólida e para toda a vida. Ninguém falava de bullying e não havia queixinhas aos pais. Por vezes havia desculpas pelo olho negro. Tinha batido num espaldar ou numa porta. Queixas nunca. Era sinal de fraqueza. Todos queríamos ser fortes.

Nas lutas de rua entre homens havia sempre outros a separá-los. Hoje, mesmo que se matem, ninguém se mete de permeio porque a Democracia não permite e pode tudo acabar em tribunal.

C.S

publicado por regalias às 05:13
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

. Portugal, políticos, poli...

. Portugal nas mãos de Cost...

. Cavaco e os pindéricos co...

. Legislativas foram uma de...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds