Terça-feira, 26 de Março de 2019

Doentes imaginários, doenças provocadas pela sugestão

Os portugueses são de uma ingenuidade e maneira de ser totalmente diferente dos outros povos.

A sua bondade influenciou bastante os povos de Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné, Timor e o Brasil.

O português sempre se misturou com os povos supracitados, trabalhou lado a lado. As uniões são evidentes na cor da pele.

Contrariamente aos outros colonialistas, o português não explorou. Trabalhou nesses lugares, aí amou, casou, deixou descendência e teve a sua sepultura.

Por que é que fiz esta explicação, se o tema é a doença imaginária criada através da sugestão?

Porque todos estes povos com quem nos misturámos perto de quinhentos anos, absorveram esta ingenuidade ao acreditar em tudo o que lhes dizem. São influenciados, com muita facilidade, por médicos e padres.

Alguns haverá que são gente confiável, mas a grande maioria vê na sua profissão um negócio que é preciso explorar sem piedade.

Desde jovem que só fui 3 vezes ao médico por acidentes com brincadeiras perigosas. Uma vez, numa corrida de trotinetes fiquei debaixo de um burro carregado de batatas. Desapareceu a sobrancelha do olho esquerdo. Levei uma série de pontos. Na segunda, o meu pai viu-me um alto numa perna com mau aspeto, como passámos pelo consultório do Dr. Barbas entrou, o médico olhou, na dúvida pôs um ferro em brasa e enterrou um centímetro bem medido. Olhou para mim e disse para meu pai: o rapaz é valente. A terceira foi em Castelo Branco em casa das Senhoras Trigueiros; o pai delas tinha sido Capitão e eu e o Joaquim Vaz Antunes, que ali estávamos aboletados com mais 8 estudantes, cujos pais pagavam 600 escudos por mês, hoje 3 euros por comida, dormida e mais duas criadas, sempre que elas saíam resolvíamos jogar à espadeirada. Com as espadadas do valoroso Capitão. Ficavam cheias de mossas. Uma vez em que não consegui aparar um dos golpes baixos do Joaquim, ia ficando sem as partes masculinas. Outra vez, por causa desse pirata, estive 10 dias sem fala. Transportado ao hospital, sob a vigilância do Dr. Alberto Trindade fui cosido a sangue frio. Andei três semanas a ganhar juízo. Aquilo doía, mas não tinha emenda.

As outras vezes que fui ao médico foram por precaução escolar.

Todos os alunos eram obrigados a passar pelo Gabinete médico.

A minha desconfiança para com os médicos era instintiva. E tinha razão. Com a minha última namorada, com quem vivi oito anos; um dia em que foi a Chaves viu o seu médico queixou-se de uma dor de cabeça. O remendão disse-lhe que tinha um pequeno coágulo na cabeça. Aquilo não era nada, mas era melhor retirar. Coisa simples.

Por mais que pelo telefone insistisse para não se deixar operar, deixou e deixou-me destroçado. Ela tinha 47 anos e eu 74. Paz à sua bela e deliciosa alma.

Quando todos os dias, de há uns tempos para cá oiço fazer propaganda a esta e àquela doença desligo imediatamente a rádio. Deixei mesmo de ler jornais, onde os comerciantes da morte insistem nas doenças.

A insistência continuada provoca a sugestão das próprias doenças. Os mais sensíveis adoecem ou vão a médicos que de tanto receitarem o que não precisam lhes provocam o mal.

O nosso corpo vem equipado para combater os males. Num dos meus livros, que está esgotado, “Saúde e dinheiro, o caminho para a felicidade”, afirmo que haverá um tempo próximo em que o ser humano só morrerá por acidente. Nós vimos equipados com as curas.

A sugestão é a causa do aumento das doenças, e das doenças imaginárias das quais médicos e enfermeiros se aproveitam para terem clientes, impor condições ao Estado e garantirem sempre o seu emprego e as suas greves.

 

Anterior “PS e PSD, galos de campanário capados e sem cristas”

C.S

publicado por regalias às 00:32
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Nascimento, reis e cresci...

. Sociais Fascistas à beira...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Nascimento, reis e cresci...

. Radicais Livres, quase se...

.arquivos

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub