Terça-feira, 31 de Julho de 2018

É fogo que arde sem se ver

Estes fogos inesperados de Verão levam-me aos fogos de coração que tão contraditórios se apresentam. Uns e outros têm dramáticas e por vezes trágicas consequências. Camões diz isso de maneira magistral. Oiça e pense:

“Amor é fogo que arde sem se ver// É ferida que dói e não se sente// É um contentamento descontente// É dor que desatina sem doer.”

Como a maioria dos portugueses sou um apaixonado sem remédio. Sou um louco apaixonado por Portugal e pela beleza e suavidade das mulheres que tiveram a felicidade de aqui nascerem.

Os homens são fogo, que é preciso acalmar para que a faísca não alastre de maneira descontrolada.

Os fogos do céu são semelhantes. Basta um simples raio, com um sopro de vento para incendiar algumas árvores e aí correm eles desvairados atrás do ser humano como se o quisessem envolver num manto quente com a gulodice do amor. O resultado é trágico. Vimos o que aconteceu em Portugal e na Grécia.

Também eu já quase experimentei esse abraço de amor. Salvou-me, a mim e a mais catorze pessoas, que enfeitiçadas pela beleza das chamas, que corriam em nossa direção, o grito de um velho bombeiro, com voz de comando impossível de contrariar. Gritou a plenos pulmões: larguem tudo! Fujam na minha direção e em seguida saltem para a estrada. Ninguém olha para trás! Ninguém olha para as chamas. Fujam! Já! Fujam! Fujam! E foi assim que nos salvámos do beijo fatal.

Bastante longe, e abrigados do fogo que ardia desesperado pelo insucesso, o velho bombeiro, que antes parecia ter asas nos pés e nos empurrava à sua frente, escorrendo suor, explicava-nos que nunca podíamos olhar para trás porque as chamas nos hipnotizavam, nos atrasavam e nos engoliam.

Durante anos pensei neste pormenor.

Ontem, ao ouvir no noticiário das 16h da Antena1, que os aviões de combate aos incêndios regressavam a Portugal vindos da Suécia, instintivamente lembrei que naquele tempo, o combate aos incêndios era corpo a corpo. Não havia muitos. Os campos estavam cultivados e cuidados. Os fogos evitavam atacar.

As loiras suecas e as morenas portuguesas recordaram-me o soneto do maior poeta português “Amor é fogo que arde sem se ver.”

As chamas do amor, tal como o verdadeiro amor, são difíceis de contrariar.

Melhor que me ouvirem é ler todo o soneto. Sugiro mesmo que leiam alguns poemas da poesia lírica de Camões: dão calma, sonho, bem-estar. Refrescam este Agosto que entra em brasa, sedento de amor.

Suspirem fundo. Precisamos de levantar Portugal. Comecemos pela leitura, pelo saber, pelo muito trabalho. Enfrentemos os fogos do engano.

 

Anterior “Portugal semeia no mundo inteligência e cultura”

C.S

publicado por regalias às 05:12
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Greve do descaramento de ...

. Comissão Europeia oferece...

. Depois dos voadores, os a...

. Chusma de indignados port...

. Seguro Sanches substituíd...

. Só há um trabalhador em P...

. As surpresas do Costa e o...

. Povo Português está farto...

. Marcello Caetano já deu v...

. Quem Governa Portugal são...

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds