Sábado, 23 de Julho de 2016

Eles celebram-se no país miserável, pedinte, subserviente

Todos os ex-Presidentes, falhados nos propósitos de transformar Portugal num país mais próspero e mais livre, banqueteiam-se à vista de um povo faminto que os olha de maneira desprezível.

Verificou-se isso quando Marcelo, de camisa desabotoada e de sandes na mão derrotou os convencidos, Eanes, Mário e Sampaio, que se tinham juntado ao candidato que lhes oferecia mais confiança para manter tudo igual e empalmar o povo com democracia, liberdade e outras vulgaridades que engodam a mentira para convencer os jovens que nunca viveram no Estado Novo e não souberam como era o prazer do trabalho, da liberdade e da alegria num país que saía da pobreza abjeta da Primeira República e conquistou, dia a dia a segurança, o conforto e o orgulho de reerguer o País, não à custa da bajulação que amesquinha um povo inteligente e capaz quando é guiado por chefes que não gastam em viagens, almoços, talheres, automóveis e outros luxos, o que faz falta.

Nem mais liberdade nem mais democracia foram alcançadas, exceto para eles.

A prosperidade apregoada chama-se miséria, pelintrice, pedinchice e subserviência.

A liberdade é muitas vezes inferior à que existia.

Quem pode ser livre ou democrata se não tem dinheiro, se tem fome, se não tem emprego?

Mas eles celebram-se, publicitam-se, fazem a propaganda do sucesso que não existe.

Sábado de almoços, homenagens e enganos na tasca de S. Bento ou noutro lugar. É país de ficção, totalmente surreal e badalado pela Comunicação Social que entra no jogo dos interesses.

Almoço de companheiros para celebrar as fortunas que acumularam enquanto o povo desceu à misera Primeira República, onde o desemprego, a fome e o infortúnio era o resultado de uma democracia que protegia os amigos instalados e conluiados.

Compare-se o capital com que entraram há 40 anos e o que possuem com os apertos do povo, que hoje sim, vive da ilusão, do futebol, e dos ardis da dialética dos prestidigitadores, dos rádios e das televisões.

Portugal tornou-se um país de enganos.

Há uma réstia de esperança no Marcelo. Oxalá não desiluda.

 

Anterior “Portugalex e Marcelo evitam a paranoia em Portugal”

C.S

publicado por regalias às 17:23
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



26
27
28
29
30


.posts recentes

. No Corno de África mamou ...

. Português - Russo 107

. Os irracionais das guerra...

. Português - Russo, 106

. Guiné Equatorial aboliu a...

. Valor acrescentado nas Un...

. Português - Russo, 105

. Ministro da Educação não ...

. Português - Russo, 104

. A guerra dos irracionais ...

.arquivos

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub