Sábado, 31 de Maio de 2014

Em que mãos se gasta o dinheiro para a saúde

O Ministério da Saúde apesar de tentar organizar os Serviços para melhorar o atendimento dos doentes e travar o escandaloso desperdício de tempo e de dinheiro que o serviço Nacional de Saúde propiciou, não consegue.

Os utentes passaram a servir-se dele para tudo e a maioria das vezes para passar o tempo à conversa com algumas amigas que inventavam umas dores para nas salas de espera colocarem as conversas em dia sem se preocupar com o tempo tirado a médicos, enfermeiros, bombeiros e doentes a necessitar de cuidados urgentes.

Aquilo que se passava era de uma inconsciência total devido aos gastos exorbitantes que o atendimento destas pessoas acarretava e que muitas vezes fazia exames caríssimos sem qualquer utilidade.

O Ministério da Saúde, com as taxas moderadoras e outros procedimentos lá foi conseguindo travar a doença da conversa hospitalar como já era conhecida e comentada esta atração pelos serviços médicos gratuitos, mas que custava milhões ao Estado.

Mas se uma parte dos gastos improdutivos acabaram, há ainda outros, não menos gravosos que continuam a ser cometidos sem que ninguém lhes ponha cobro através de uma simples ordem organizativa emanada do Ministério para evitar reclamações nos diversos pontos do país.

É o caso dos doentes que têm de ir de ambulância aos hospitais e às clinicas, a trabalhar em colaboração com os serviços Estatais, onde vão mostrar o resultado das análises.

Aquilo que acontece é que, a maioria das vezes, a ambulância com o doente espera várias horas pela consulta e ela resume-se ao médico olhar para o papel onde está a situação do paciente, assina e ao fim de 3 ou 4 minutos está despachado.

Perdeu-se tempo com a ambulância, dois funcionários da mesma, uma enfermeira e o doente que ali ficam parados por algo que podia ser resolvido de maneira bem mais simples e menos onerosa.

Os Serviços de Saúde continuam a trabalhar como se ainda vivêssemos no tempo do Senhor D. Afonso Henriques e os meios informáticos estivessem a séculos de existirem.

Em casos como este ou idênticos é fundamental que as fichas médicas sejam enviadas para os Serviços Clínicos no dia da marcação médica através dos meios informáticos.

O médico olhava o resultado dos exames e de imediato daria a resposta.

Aqui tem o Ministro Paulo Macedo mais um aspeto onde o Estado pode poupar bastante sem prejudicar os doentes e sem ocupar serviços de ambulâncias que podem ficar impedidos de acorrer a situações mais graves.

O português teima em fazer o que entende, mas é bom entender que foram os gastos exagerados, sem rei-nem-roque que nos levaram à situação desgraçada em que o país se encontra.

E quem sofre é o povo, mas muito por culpa dele próprio que reclama quando não deve reclamar e deixa passar o mais importante sem qualquer preocupação porque não distingue o bem do mal, devido, em grande parte, à confusão em que este país se encontra.

C.S

publicado por regalias às 05:35
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

. Portugal, políticos, poli...

. Portugal nas mãos de Cost...

. Cavaco e os pindéricos co...

. Legislativas foram uma de...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds