Sábado, 27 de Maio de 2017

Greve normal num país de grevistas anormais

A Primeira República deu com os burrinhos na água por causa das greves.

Afonso Costa, para aliciar os mais ignorantes a apoiar a revolução do 5 de Outubro de 1910, deu o direito à greve como símbolo de Democracia e liberdade. Passados poucos meses já não sabia o que havia de fazer. O país tornava-se ingovernável.

Proibiu as greves, foi chamado de racha sindicalistas e, entre muita fome, pancada e prisões cheias de contestatários, a Primeira República foram 16 anos de desgraça, atraso e miséria.

A Ditadura Militar com a revolução do 28 de Maio de 1926 tentou resolver o gravíssimo buraco onde o país tinha entrado.

Como nenhum país amigo quisesse entregar dinheiro a Governos que não ofereciam confiança, e só a Sociedade das Nações aceitava emprestar os milhões de libras pedidos, desde que fosse ela a dizer como devia ser gasto e gerido o dinheiro, nada feito.

Os Militares ofendidos não aceitaram. Em 1928 chamaram o Professor Oliveira Salazar para Ministro das Finanças. Este saiu-se tão bem do desafio que em 1932 foi convidado para Presidente do Conselho.

Com a saída da Constituição em 1933, o Governo, imposto pela Ditadura Militar, passa a Constitucional com o nome de Estado Novo.

Salazar preocupou-se primeiro em dar de comer às pessoas, dar trabalho e habitação com a criação dos chamados Bairros Sociais, cujas casas, com rendas muito mais baratas do que a dos privados, tinham a vantagem de ao fim de 30 ou 40 anos passarem para nome dos arrendatários.

Tudo foi possível partindo do zero, porque Salazar soube lidar com o povo. As greves, embora proibidas, quando eram feitas, não tinham outro significado senão alertar o Governo.

Os Governos depois do 25 de Abril, com os cofres cheios e cientes da desgraça que tinha acontecido na Primeira República, insistiram em cair nos mesmos erros nos II, III, IV e V Governos Comunistas de Vasco Gonçalves e do seu mentor, o maquiavélico Cunhal.

António Costa, com um golpe de imaginação bem-sucedido, e apoiado pela maioria da população, que achou graça e já estava farta de tanta seriedade, sem frutos, aceitou o homem.

E, António Costa, com um tiro de talento apanhou três coelhos: o PC, o BE e a CGTP, acabando praticamente com as greves.

O resultado foram os bons resultados que a Europa já reconheceu.

Mas o laxismo de alguns Governantes, julgando cair nas boas graças dos parasitas incompetentes, vêm achar normal as greves dos anormais.

Resultado: as greves começam a rebentar como as borbulhas da puberdade e este país, de tolos inconsequentes, arrisca-se a entrar outra vez no fosso em que vive há 43 miseráveis ANOS de assanhada estupidez.

 

Anterior “Diferença entre Estado Novo e bandalheira grevista”

C.S

publicado por regalias às 06:52
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. O cheiro abominável do di...

. Viver com as leis da Natu...

. Influência dos jornalista...

. Greves e ameaças desfazem...

. Tony Carreiras, Cinemax, ...

. Ruinas, grafitis, simpati...

. Ursula preside, finalment...

. Conselhos dos pais rarame...

. Escreva um livro, fique n...

. Depressão III e a neurose...

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds