Sábado, 7 de Janeiro de 2017

Inteligência e esforço para recuperar o tempo perdido

Um dos homens mais interessantes e simples que conheci foi o Senhor Aguda, empresário da construção civil, antes e depois desta desgraçada, maquiavélica e aparvalhada revolução do 25 de Abril.

O Senhor Aguda era incapaz de ler um parágrafo de duas linhas.

Não conhecia o pai e desde criança habituou-se a correr os montes pela Serra de Tomar e aldeias próximas onde lhe davam de comer e uma ou outra moeda.

O Jovem Aguda cresceu ao sabor do tempo, da sua esfusiante alegria e da vontade de crescer rápido para aprender como erguer uma casa.

Ainda não tinha vinte anos já conhecia todos os segredos da construção. O que lhe tinham dado, desde miúdo, ele tinha guardado. Ao perguntar, a um dos grandes construtores da Serra, quanto custaria um pedaço de terra, o outro perguntou-lhe:

- Para que queres a terra?

- Para construir uma casa.

O homem, foi com ele ao Notário, pôs-lhe quase dois hectares de terra em seu nome, e disse-lhe “não me deves nada. Desde miúdo sempre ajudaste os meus empregados. Este é o fruto do teu trabalho”.

A partir desse momento, o Aguda nunca mais parou de subir na vida. Quando chegou o 25 de Abril, estava em plena pujança financeira.

Em algumas obras, que trazia de empreitada, começaram as contestações, mais provocadas por arruaceiros do que pelos seus empregados.

Foi levado ao Ministério do Trabalho, no II Governo de Vasco Gonçalves.

O Ministro do Trabalho era José Inácio da Costa Martins. O Aguda viu-se enxovalhado do mais baixo que um homem pode ser insultado. Mas ele não cedia, nem a ameaças nem a outras pressões. Eles disseram-lhe: vais cair da janela. Foste tu que saltaste. Assinas? “Não.” Agarraram-no pelos calcanhares, viraram-no de cabeça para baixo e só não o largaram porque um velho sargento lhes gritou que parassem.

O Aguda ganhou um ódio tremendo aos “bandidos” como dizia.

Um dia em que se aproximavam eleições e o quis meter nas listas é que soube que era analfabeto. A sua inteligência e graça eram tantas e tão bem doseadas que a sua noção da vida era suficiente para a vencer.

Vem isto a propósito das grandes dificuldades que Portugal atravessa.

Ao saber que no Centro Cultural de Belém vai aí ser construído um hotel, isso mostra que começamos aproveitar, no momento certo, os locais que atrairão turistas de todo o mundo.

É urgente que, determinados a vencer, não baixemos mais, nem a inteligência nem o esforço para recuperar o tempo perdido.

 

Anterior “Aproveitar qualidades e acabar com os enganos”

C.S

publicado por regalias às 06:18
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds