Sábado, 23 de Agosto de 2014

Nenhuma crise pode vencer os portugueses

Muito pior que esta crise foi a crise em 1383-1385 resolvida com a Batalha de Aljubarrota, em 14 de Agosto de 1385 onde 7 mil portugueses venceram 35 mil castelhanos.

Muito pior que esta crise foi a de 1640, quando um País, sem exército, sem dinheiro e com alguns traidores a intrigar, conseguiram sacudir Filipe IV de Espanha e recuperar a Independência que um rei, garoto e obcecado pela religião, tinha perdido.

Muito pior que esta crise foram as Invasões Francesas.

Espanha e França, em 27 de Outubro de 1807 assinam o Tratado de Fontainebleau pelo qual Portugal era dividido em três partes. Uma para Espanha e duas para quem Napoleão entendesse.

Napoleão manda invadir Portugal com um exército de 39 mil homens comandados por Junot. A seguir vem o General Soult e por fim o General Massena. Três saqueadores de alto gabarito que roubaram quanto puderam levar: ouro, prata, joias, quadros, documentos históricos.

A família real teve de fugir para o Brasil e o Brasil passa de colónia a reino com a designação de Reino Unido de Portugal e Brasil.

Muito pior que esta crise foi o estado miserável e ignominioso em que a Primeira República, 1910 a 1926, deixou Portugal: centenas de milhares de pobres, rotos, descalços, andrajosos percorriam Portugal de lés-a-lés de mãos estendidas onde as pulgas, os piolhos, as carraças e os percevejos iam espalhando as doenças que matavam os mais débeis.

Não havia estradas com esse nome. Eram caminhos. Os hospitais eram poucos e as escolas também não abundavam.

Mas a vontade de vencer a miséria, o trabalho e a proibição de fazer greves que comiam aquilo que era produzido sem benefício para os mais carenciados deu os resultados esperados, mas levou mais de 25 anos a colocar o País nos carris. A seguir veio o desenvolvimento em força.

Quando chegou o 25 de Abril de 1974, o caos e as greves, em poucos meses delapidaram a pesada herança e hoje, depois de 40 anos de desgovernação voltamos a andar de mão estendida e às ordens vexantes de países estrangeiros.

Quando a loucura envolveu os militares escrevi um artigo a avisá-los que os políticos os estavam a enganar. Em resposta levaram-me a tribunal e se não me tenho defendido seriam vários anos de cadeia.

Como o outro cancro eram as greves que comem o povo, a primeira vez que houve greve dos padeiros, o Sr. Santos, dono da padaria, avisou-me que no dia seguinte não havia pão. Convenci o Sr. Santos e a esposa a fazer pão e eu ficava na padaria a vender. Nas três horas de venda com uma bicha tremenda as pessoas não paravam de agradecer a atitude.

Os portugueses têm de lançar mão ao trabalho em Portugal ou nos outros 27 países europeus da U.E.

Se queremos vencer a crise não podemos estar com lamechices, nem acreditar na imaturidade dos políticos de pataqueira que se espojam pelas cadeiras de S. Bento e cujo salário, reformas e regalias são escandalosas em comparação com as do povo que trabalha.

C.S

publicado por regalias às 05:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Fascismo sem fascistas e ...

. Cunhal teve ideias premon...

. António Ferro, como era d...

. Deputados palhaços ou Dep...

. Quanto tens, quanto vales

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds