Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016

O ensino deve ter sempre uma componente lúdica

O ensino pesado, massudo, maçador, cansativo nunca foi apelativo ou alcançou bons resultados.

Lembro-me de alguns bons professores que falharam redondamente e, por mais que soubessem, só cativavam os marrões, que eram sempre relativamente poucos.

O prazer do jovem está na descoberta, de como se atingem objetivos. Não é necessário que isso seja concretamente através das brincadeiras, basta saber dar à lição o toque da curiosidade.

Nisso, as Escolas Comerciais e Industriais levavam a palma. As primeiras porque ensinavam como fazer contas e orçamentos, mesmo sem ser barra em matemática, ou como vender e comprar feijão, farinha ou grão tendo sempre lucro. As segundas, porque o trabalho com ferramentas e máquinas despertam o prazer de qualquer jovem.

No Liceu, também não eram as salas de estudo que conseguiam estimular o apetite e aprender o que não tinha sido bem apreendido na aula. Eram uma ajuda, mas insuficiente.

Aquilo que empurrava os alunos para o conhecimento eram as tarefas lúdicas da Mocidade Portuguesa, sem lhes dizer que tinham um carácter educativo.

A Topografia entusiasmava tanto ou mais do que um jogo de voleibol.

Lembro o meu saudoso amigo José Pires Ramos, que nunca desistiu de estar descontente com estudos, professores e ministros e nunca faltou à MP porque era um apaixonado pela Topografia, ensinada pelo professor Morcela. O Zé Pires Ramos fez mais tarde a sua vida como topógrafo. Ou o José Cabaço Neves, outro saudoso amigo, a quem a aprendizagem com alguns professores eram um sacrifício tão grande como ir à missa.

O Zé Cabaço Neves, por causa do aeromodelismo tornou-se um dos primeiros pilotos de aviões a jacto da Força Aérea Portuguesa.

As jovens, menos cábulas que os rapazes, tinham na Mocidade Portuguesa diversas atividades que as deliciavam. Uma delas era a culinária onde aprendiam a medir, a pesar e a saborear aquilo que produziam descontraidamente, como brincadeira, que por vezes em casa rejeitavam.

Saber ensinar, aproveitar as disponibilidades dos jovens, no momento certo e no local próprio é o caminho mais fácil e mais rentável para este país que continua à sua procura depois de ter atingido no século XX patamares de progresso, riqueza e satisfação só comparáveis aos dos séculos XV, XVI e XVIII.

Temos tudo para reverter a situação miserável em que nos encontramos desde há 41 anos. Basta querer; não hesitando em enxovalhar e desmistificar os demagogos que mentem, e apoiar quem honesta e sabiamente coloque os seus conhecimentos e trabalho ao serviço de Portugal e de todos os portugueses sem exceção.

 

Anterior “O desastre dos quatro Governos Comunistas do Vasco”

C.S

publicado por regalias às 04:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
14
15
17
18
19

21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. A orquestra da infâmia e ...

. Na lixeira onde vivemos r...

. A Ditadura portuguesa na ...

. Soares e Leite, entre o g...

. Lifestyle do Observador; ...

. Donald Trump no ponto de ...

. Zhou Qunfei, louvor e adm...

. A morte saiu à rua nas aç...

. Carlos Xistra, um problem...

. Manada; o sexo e o homem,...

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds