Sexta-feira, 27 de Maio de 2016

O esboroar da Primeira República

Tudo o que começa mal, tarde ou nunca se endireita.

A Primeira República assentou num chorrilho de promessas vãs e mentiras que, desde início, lhe minaram os alicerces, perturbaram o povo sem necessidade e, de trambolhão em trambolhão, foi-se esboroando ano a ano. Cada um pior que o anterior.

Depois do assassinato do Presidente da República, Sidónio Pais, em Dezembro de 1918, todos pensaram que os problemas acalmassem. A degradação continuou com greves e fome, muita fome e miséria.

Em Julho de 1919, o Governo chama o exército para substituir e controlar os grevistas. Os comboios passaram a circular com um vagão, à frente da máquina, carregado de grevistas, vigiados pelos militares, para evitar que houvesse mais descarrilamentos e sabotagens de linhas férreas.

O povo continua a acusar o Parlamento e a exigir que acabe.

Em 1920, começa uma greve geral. O Governo responde com o estado de sítio no Porto, onde a situação é gravíssima. Os sindicalistas enfrentam a tiro a Guarda Nacional Republicana. São mortos às dezenas.

Os assaltos aos estabelecimentos comerciais são diários.

A bancarrota está à vista e o fim da Primeira República aproxima-se.

Em 1921 Barros Queirós diz: a Pátria está sobre um vulcão e no campo político não se discutem ideias, discutem-se homens para os arruinar.

Tinha razão. No dia 19 de Outubro a loucura agarrou no homem a quem se deve a República e à saibrada e a tiro matam-no como se ele fosse o culpado de todas as desgraças, mas ao Primeiro-Ministro, António Granjo, fazem-lhe o mesmo com requintes de malvadez. A Carlos da Maia, Freitas da Silva, ao coronel Botelho de Vasconcelos e o motorista que criticou os selvagens foi também abatido.

A fome, a ignorância, a revolta e o desespero começavam a desfazer o que restava do país que fabricava notas como quem imprime envelopes timbrados. A inflação era galopante.

Cunha Leal desabafa: “Todos nós temos culpas! É esta maldita política”.

Os juízes não escapavam. Uns são mortos, outros gravemente feridos

Em 1922, os atos de sabotagem são cada vez mais numerosos. Cunha Leal pede o restabelecimento da pena de morte. As greves não param e a fome mata mais que as balas. Portugal tinha perdido o juízo.

Em 1923 grita-se para se impor a ordem e governar em Ditadura.

 

Anterior “Os portugueses ou estão unidos ou estão…perdidos”

C.S 

publicado por regalias às 06:01
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Portugal pode salvar o mu...

. Acredite em si e nas suas...

. A coragem da Cristina

. A Restauração de 1640

. Robótica, o futuro do ser...

. O mistério já explicado

. Produzir e poupar

. Daqui a mil anos quero se...

. O 25 de Novembro ou a Rev...

. Para que ninguém esqueça ...

.arquivos

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds