Quarta-feira, 24 de Junho de 2015

Os Homens no Estado Novo e os portugueses de hoje

Perceber como foi possível sair do atoleiro impossível em que a Primeira República, 1910-1926, tinha lançado Portugal tornou-se complicado porque o chorrilho de mentiras foi tanto e tão grande que só a evidência da pobreza em que nos encontramos, que atingiu dois milhões de pobres onde ainda estão grudados ao mesmo tempo que outros sete milhões vivem de credo na boca, fez destapar esta mentira execrável que os meios de Comunicação Social, com exceção de um ou dois tem tentado manter escondidos.

Os arrivistas que chegaram do estrangeiro, apoiados pelos gritos da ralé, escarneceram o trabalho do povo honesto e o valor dos Governantes do Estado Novo para encher a boca de insultos enroupados com falsas promessas.

Para o conseguir Cunhal e os outros abortos mentais e físicos usaram de duas palavras: Fascistas e Ditadura.

Fascistas só os comunistas que violentaram e mataram pessoas nos territórios ocupados pela antiga URSS. E Ditadura só a Ditadura do proletariado que Cunhal estava decidido a implantar em Portugal e que foi forçado a encolher as unhas tal como Zita Seabra confessa na página 238 do seu livro “Foi Assim”, Editora Alêtheia.

Ao tentar comparar Salazar, Duarte Pacheco, António Ferro, Almada Negreiros; Júlio Dantas, Augusto de Castro, uns no Governo, outros na escrita, nas artes e em tantos outros campos que souberam dar em conjunto a força, a esperança e o conhecimento a um país que necessitava de tudo e aqueles que apareceram neste desastrado 25 de Abril verificamos que só um, inteligente, brilhante e honesto, Amaro da Costa se compara àquela plêiade de homens que em conjunto levantaram Portugal em todos os campos e nos mais diversos domínios.

Sem qualquer necessidade, a cambada que veio chupar Portugal conseguiu iludir os militares, fazer deles gato-sapato, torná-los coniventes com todos os erros cometidos.

Além de Amaro da Costa, muito inteligente, muito honesto e frontal também esta gentalha que voltou a atirar para a lama o país que tinha conseguido sacudir o opróbrio da Primeira República, tiveram homens que por interesses mesquinhos, e protegidos por uma democracia sem qualquer sentido a não ser o nome que nunca vale nada se os atos não corresponderem aos factos, deixaram que Portugal continue a espernear e, já lá vão quarenta e um anos de promessas, ilusões e mentiras.

Se um Almeida Santos, um Costa Gomes, um Freitas do Amaral, um Vital Moreira, um Jorge Miranda, uma Ferreira Leite, um Pacheco Pereira tivessem colocado a inteligência ao serviço de Portugal e minimizassem os interesses em vez de ceder à ralé e à demagogia, de certeza que outro galo cantaria e ninguém contestava o 25 de Abril, facilitado por Marcello Caetano, na esperança que a continuidade só poderia ser progresso e riqueza.

C.S

publicado por regalias às 05:21
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

. Portugal, políticos, poli...

. Portugal nas mãos de Cost...

. Cavaco e os pindéricos co...

. Legislativas foram uma de...

. Diarreia mental de batráq...

. Votação, Câmaras, competê...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds