Domingo, 26 de Junho de 2016

Os ingleses não brincam com a Democracia

Se há um país onde teria imenso prazer em viver era no Reino Unido. Encontrei sempre ali tudo quanto gosto.

Desde o ar natural das pessoas, a organização das cidades, a simplicidade e educação dos polícias, as livrarias, bibliotecas, museus. Toda a monumentalidade que o país respira, sem agressividade. Tudo isso e muito mais decidiria a minha escolha, se Portugal não fosse a minha paixão apesar dos muitos desgostos que me tem dado.

Depois do Tsunami provocado pelo Referendo e que levará a Grã-Bretanha a sair da União Europeia fiz a revisão dos meus amigos e conhecidos ingleses e compreendo a decisão.

Admirava-me que a nobre Inglaterra aceitasse de bom grado as decisões da Bruxelas incapaz e errando onde não pode errar. Desejando ajudar não acerta. Impõe medidas que não analisa enviando especialistas conscientes do que devem fazer para estudar os países.

Portugal, desde o 25 de Abril, nunca mais olhou a gastos. A frase popular diz tudo: chapa ganha, chapa gasta.

O dinheiro vindo de Bruxelas correu como as trovoadas de inverno.

Os Ingleses sabem ganhar dinheiro, sabem-no gerir, sabem-no gastar. Com eles, mais atuantes em todos os Organismos Europeus, certamente que não teriam saído. Os refugiados não servem de desculpa. Shengen não os obriga. O acordo não foi assinado. A moeda continua a Libra. Os ingleses sempre receberam quem entenderam. E recebem milhares da Commonwealth que lhes tratam das indústrias, do comércio, da agricultura, da limpeza e dos serviços.

O Inglês dirige, comanda, ensina.

A Inglaterra está a caminho do país ideal onde os naturais estudam em colégios e Universidades com regras que todos cumprem para que o trabalho mental, conduza, sem esforço e democraticamente, aqueles que não conseguem ultrapassar a sua força braçal.

A Democracia Inglesa está acima das pieguices, dos facilitismos, do deixa andar. Ela avisa, insiste, volta a insistir e a seguir aplica a lei sem olhar a choros ou a espetáculos de rua.

Quando um casal inglês-português, a quem lhes foi retirada uma filha pelos Serviços Sociais e dada para adoção, depois desses mesmos serviços tudo ter feito para contactar o casal para resolver o assunto e pedindo ajuda às autoridades portuguesas para contactar os jovens, que entretanto se tinham deslocado para Portugal, sem nunca os conseguir encontrar, nem aos familiares, os Serviços Sociais cumpriram todas as suas obrigações.

Isso chama-se Democracia. Não pactuam com a demagogia, nem deixam que a sociedade se corrompa por falta de firmeza.

A Inglaterra é assim. Respeita os direitos de cada um para que eles cumpram os seus deveres e não prejudiquem com o seu exemplo a sociedade onde estão inseridos.

 

Anterior “Tsunami na Ilha. União Europeia entregue aos mordomos”

C.S

publicado por regalias às 05:12
link do post | comentar | favorito (1)
4 comentários:
De Anónimo a 2 de Julho de 2016 às 12:46
Não é assim tão simples. Há o efeito dominó, para os dois lados. A vergonha em que a UE se transformou não legitima que a Inglaterra não tenha sequer olhado para o próprio umbigo, antevendo que o efeito dominó poderia começar dentro do próprio. E que, noves fora nada,o império inglês, ou Reino Unido, pode ficar reduzido à Inglaterra e ao País de Gales.
Isto de se ser muito sério numa Europa que "pactua com a demagogia [e] deixa que a sociedade se corrompa por falta de firmeza", exige previsão. E atuação condizente.

- também gosto mesmo muito de Londres, e estou sempre com vontade de lá voltar. Mas uma coisa é uma coisa, e uma outra coisa é uma outra coisa. Vai lá ver Londres sem imigrantes (uma das principais bandeiras dos apoiantes do Brexit). Imagina...


De Fátima Bento a 2 de Julho de 2016 às 12:48
Agradecia que apagasses este comentário: o mesmo está plasmado abaixo, mas devidamente identificado. O meu login não estava feito.
Obrigada.


De Fátima Bento a 2 de Julho de 2016 às 12:47
Não é assim tão simples. Há o efeito dominó, para os dois lados. A vergonha em que a UE se transformou não legitima que a Inglaterra não tenha sequer olhado para o próprio umbigo, antevendo que o efeito dominó poderia começar dentro do próprio. E que, noves fora nada,o império inglês, ou Reino Unido, pode ficar reduzido à Inglaterra e ao País de Gales.
Isto de se ser muito sério numa Europa que "pactua com a demagogia [e] deixa que a sociedade se corrompa por falta de firmeza", exige previsão. E atuação condizente.

- também gosto mesmo muito de Londres, e estou sempre com vontade de lá voltar. Mas uma coisa é uma coisa, e uma outra coisa é uma outra coisa. Vai lá ver Londres sem imigrantes (uma das principais bandeiras dos apoiantes do Brexit). Imagina...


De simplesmente avô a 3 de Julho de 2016 às 17:55
Gostei do que li.
Parece-me que a UE fica debilitada sem a GB.
A ver vamos...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

. Portugal, políticos, poli...

. Portugal nas mãos de Cost...

. Cavaco e os pindéricos co...

. Legislativas foram uma de...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds