Domingo, 24 de Agosto de 2014

Os portugueses à descoberta do seu próprio país

Desde o início do seu nascimento Portugal foi mais um País de armas e de compra e venda de mercadorias do que terra de cultivo e exploração do solo.

Os Romanos e os Árabes por cá andaram, os primeiros 500 anos, afinaram a língua, construíram estradas e ensinaram técnica militar. Os segundos permaneceram 600 anos, ensinaram a cultivar a terra e por cá teriam ficado se a religião (muçulmana) não provocasse as guerras que os havia de obrigar a regressar ao local de origem e a ficar sem as terras em 1249.

Em 1297 Portugal fixa as suas fronteiras, iguais às de hoje.

Obtido o terreno suficiente para dar largas aos sonhos e à riqueza, os portugueses, mesmo assim acham que é pouco e tratam de olhar o mar com tanto para lavrar e descobrir. É assim que arrostam monstros e tempestades, naufrágios, verdadeiras tragédias e grande sofrimento.

Se quiser ter uma pálida, mas mesmo assim valiosa ideia, do quanto os portugueses arrostaram os perigos para fazer face aos seus desejos e outras vezes às dificuldades no seu próprio País, escreva no Google: História trágico-marítima, Barcelos 1942 e pode ler, num dos livros de Bernardo Gomes de Brito, quanto de medonho estes nossos antepassados passaram para fruir o prazer do desconhecido e alcançar uma vida melhor.

Desde o início do século XV mergulhámos e iniciámos as descobertas.

Procurámos o caminho, que pelo mar, nos levasse ao Oriente. Quando aí chegados, inebriados pelas belas e sedosas indianas e pelo cheiro da canela que pagaria o transporte mas não evitaria os perigos, aí assentámos arraiais. No Oriente buscámos as vantagens do comércio e do amor. Afonso de Albuquerque promoveu os casamentos e acalmámos a libido.

Saciados de beleza, prazer e negócios, passámos para o Brasil, onde o pau (brasil) compensava as viagens. A terra era próspera e as gentes meigas. Por aí ficámos até lhe darmos a mais que merecida classificação de Reino que um rei português assinou e um filho tornou independente com o célebre grito do Ipiranga.

Sem mostras de afrontamento mudámos vontade e trabalho para terras de África. Desenvolvemos Angola e Moçambique como nenhum outro povo tinha feito às suas colónias, sem as expurgar do seu sangue e das suas riquezas.

Quando veio o 25 de Abril quase morremos de saudade por aquelas terras onde o branco e o preto se confundiam na fraternidade dos costumes.

Regressados a casa encontrámos tudo organizado, arrumado e pronto a ser desenvolvido. Não foi isso que aconteceu. A ignorância e a demagogia ensandeceram o povo que hoje se encontra triste e desanimado porque foi enganado.

Não esteja, meu povo, como diz a canção brasileira.

A terra está aí à sua espera, as riquezas continuam à flor do solo e, se não quiser voltar a revirar o mundo, meter-se na Europa para morrer rico e cansado, fique em Portugal e viverá mais feliz. Se usar a inteligência e a força de vontade verificará que a riqueza está aqui e, não se arrependerá de só agora os portugueses terem descoberto o seu próprio País.

C.S

publicado por regalias às 05:25
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
15
16

19
20
23

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. No meio da salsicharia po...

. É desumano que os países ...

. Melania, inteligência e s...

. Crime contra a humanidade...

. Já que ninguém me ouve, o...

. O elogio da indigência pa...

. Catarina Martins, 5 arrob...

. Trabalhar pelo prazer de ...

. Um país de velhos e de ca...

. Costa, salve os trabalhad...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds