Domingo, 21 de Junho de 2015

Portugal o melhor país do mundo e gente de exceção

Não me considero chauvinista, mas pelo conheço do mundo e dos homens não me custa afirmar que Portugal é um dos melhores países do mundo quando comparado no seu todo.

Um clima fabuloso, um solo produtivo, rios, montes e montanhas num enquadramento harmonioso e colocados ao serviço do ser humano, envolvidos a oeste e a sul pelo mar que reflete o azul do céu.

A Natureza delicia-se no corpo elegante que a veste.

O ser humano com quem muitas vezes me zango é do melhor que existe.

Se pensarmos um pouco e verificarmos a evolução de Portugal chegamos à conclusão que só homens de craveira superior conseguiriam fazer de um naco de terreno e aparentemente pobre, um país que ao fim dos dois primeiros séculos de existência já conseguia ajudar a poderosa Castela.

Quando tudo parecia faltar e os piratas assaltavam as nossas costas, a calma e os brandos costumes deste povo, resolve acabar com o desaforo dos piratas, contra ataca, instala-se no norte de África e começa a aventura marítima onde a maioria dos navegadores eram analfabetos, mas tinham uma perceção do mundo e dos seres com quem contactavam muito para além das suas próprias capacidades e saberes. Isto queria significar algo.

O português tem o discernimento natural de um povo que é bom por natureza, o que muitas vezes se confunde com ingenuidade.

É esta calma que, no tempo da República, foi tomada pelos brandos costumes que afinal sempre foram assim.

O valor dos portugueses vem sempre ao de cima quando é estritamente necessário.

A Primeira República, 1910-1926, fez bater o navio no fundo. A miséria era tanta que o país deixou de ser considerado pelas outras nações. Portugal acorda quando Salazar chama os homens à liça, homens que já vêm da Primeira República e que os políticos não tinham sabido aproveitar. Muitos deles, a maioria não tinham cursos superiores, mas tinham a superior inteligência que nasce com os portugueses porque todos absorvem a força e a imaginação deste solo mágico.

Ao observarmos um a um estes homens fabulosos verificamos que só não vivemos sempre bem e desafogadamente porque somos mais do pensamento do que da fortuna.

Se pensarmos em António Ferro, Almada Negreiros, Fernando Pessoa e muitos outros verificamos que a sua genialidade é mais resultado do entendimento, das leituras e da observação do que da escolástica que não necessitam porque o gene português é o do saber sem mestre.

C.S

publicado por regalias às 05:56
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

. Portugal, políticos, poli...

. Portugal nas mãos de Cost...

. Cavaco e os pindéricos co...

. Legislativas foram uma de...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds