Sábado, 24 de Maio de 2014

Portugal precisa do seu voto. Não falte.

A primeira República, 1910-1926, desprezou as mulheres recusando-lhes o direito ao voto.

Por mais que reclamassem, só uma, Carolina Ângelo, conseguiu furar a proibição. Para que isso não voltasse a acontecer, em 1913 saiu legislação que só autorizava os cidadãos do sexo masculino a votar.

Só em 1931, já no Estado Novo, as mulheres tiveram direito a voto e com a Constituição aprovada em 1933, vamos encontrar na Assembleia Nacional, Domitília Miranda de Carvalho, Maria Cândida Parreira e Maria dos Santos Guardiola.

Todas desempenharam a sua tarefa com grande espírito de abnegação, de modo a recuperar Portugal da execrável miséria da Primeira República, em que milhares de pobres tiveram de recorrer às ervas para fazer sopa e assim não morrerem.

O Marechal Gomes da Costa ao fazer a revolução do 28 de Maio de 1926, a pedido de todo o povo, dos escritores e de alguns políticos mais conscientes sabia que a tarefa ia ser muito difícil e por isso, por várias vezes tinha recusado encabeçar o movimento.

Tal como se previa foi substituído pelo General Óscar Fragoso Carmona, que assumindo frontalmente o título de Ditador para que, tanto militares como civis, não duvidassem de quem mandava e que o povo tinha de ser protegido, tentou colocar ordem nas Finanças, chamando para o Ministério vários Generais.

Como nenhum conseguiu resolver a situação chama ao Governo o Professor Oliveira Salazar para solucionar a complicada tarefa. Ele não só resolve o problema como dá respeitabilidade à mulher portuguesa.

A mulher ganha o direito ao voto por justiça e igualdade. O seu trabalho começa a ser apreciado por aqueles que julgavam a mulher com menos capacidades que o homem.

Salazar entrega-lhe cargos de alta responsabilidade para que todos compreendessem o valor da mulher.

Maria dos Santos Guardiola, além de reitora dos Liceus Maria Amália Vaz de Carvalho e D. Leonor foi Comissária Nacional da Mocidade Portuguesa Feminina, Instituição que envolvia as jovens dos 7 aos 14 anos e de todas as classes sociais.

Salazar acreditava nas múltiplas capacidades para desenvolver, dirigir e enquadrar milhares de jovens que tinham na Mocidade Portuguesa todos os desportos à sua disposição.

Nas férias faziam acampamentos em Portugal, nas colónias e em países estrangeiros para que em contacto com outras culturas mais se desenvolvessem. 

Se quiser verificar porque há tantos velhos em Portugal vai chegar a uma estranha conclusão: muitos desses idosos passaram pela Mocidade Portuguesa e todos nunca viraram a cara ao trabalho. Só assim se chega a velho.

Incito as mulheres a não deixarem de votar.

O voto, que tanto lhes custou a ganhar, não pode ser desvalorizado.

Acredito, convictamente, na mulher. O homem é um catavento. Não sabe o que quer.

Mas a uns e a outros apelo que votem, apesar de nem a Esquerda, nem a Direita, nem a Extrema-esquerda merecerem qualquer confiança.

Votem em quem entenderem, mas votem.

C.S

publicado por regalias às 06:20
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds