Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015

Portugal vive democraticamente na miséria

Quando dos Governos comunistas, II, III, IV e V em 1974 e 1975 Portugal foi considerado por todo o mundo “Um manicómio em autogestão”, ninguém pensaria que o país continuasse a bater no fundo da degradação e da miséria revoltante que encheu os que gritavam democracia e liberdade com milhões de contos e de euros e arrastou a maioria do povo para a incerteza e para o caos.

Acabei de ouvir que Bruxelas vai colocar o Orçamento Português sob vigilância apertada para que não derrape mais do que o permitido.

Bruxelas vai fazer inspeções periódicas e orientar as contas para ter a certeza que o povo terá pelo menos direito a um prato de sopa até 2020.

Quando nos lembramos que a Ditadura Militar, depois de dois anos de Governo, entre 1926-1928, com o povo sofrendo fome de cão e eles sem conseguirem resolver o problema porque os Militares que governavam o país não aceitavam um empréstimo da Sociedade das Nações que exigia ter aqui técnicos seus a dizer como se devia gastar o dinheiro, vemos hoje como os Governantes acham tudo natural sem se importar que os colegas Europeus os considerem tipos menores e de pouca confiança porque confundem Democracia com bandalheira e recebem de um lado para o deixar esbanjar noutro sem qualquer produtividade.

Os Ministros das Finanças Militares rejeitaram o vexame. Sinel de Cordes recusa a oferta de 12 milhões de Libras e, completamente abatido entrega o Ministério a José Vicente de Freitas que consegue que o General Óscar Carmona reúna todos os Ministros decidindo ir, juntamente com Duarte Pacheco, a Coimbra convencer Salazar a tomar conta da pasta.

Posto ao corrente dos gravíssimos problemas também lhe foi dito que poderia negociar com a Sociedade das Nações, embora duvidassem que eles cedessem nas exigências.

Salazar pensou uns dias no assunto, recusou também a ignomínia do empréstimo e quando lhe perguntaram como ia resolver a situação, respondeu com uma simples frase: “Todos os sacrifícios são necessários”.

Julgo, que por uma única vez, se serviu da Igreja para do púlpito os padres convencerem todos, pobres e ricos, a trabalharem os campos. A seguir através da Comunicação Social, ele próprio, reforçou a ideia:

“Digo aos católicos que o meu sacrifício me dá o direito de esperar que sejam, de entre todos os portugueses, os primeiros a pagar os sacrifícios que lhes peça e os últimos a pedir favores que eu não lhes posso fazer.”

“Peço confiança na minha inteligência e na minha honestidade”.

E o País começou a trabalhar, com tal afinco, que passados cinco anos Portugal passou de país miserável e sem crédito, a um País trabalhador, honrado e respeitado.

A partir das bancarrotas com Mário Soares o país perdeu a vergonha e já nem se importa que Bruxelas faça gato-sapato da ilustre Casa Lusitana.

Ao que chegámos!

C.S

publicado por regalias às 07:13
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

. Profissionalismo, a admir...

. O ser humano comete erros...

. Não deixem morrer a exper...

. Direita e Esquerda domina...

. Aproveitem a ocasião: ins...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds