Quarta-feira, 7 de Julho de 2021

Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XIII

O ano de 1926, em que termina esta Primeira República começa com uma greve académica.

Em Fevereiro, Martins Júnior e Lacerda de Almeida tentam mais um Golpe em Vendas Novas. Prendem os oficiais e com o Regimento, comandado por Sargentos, dirigem-se para Almada. Ocupado o forte começam a disparar sobre Lisboa.

A GNR, apareceu de imediato e, mal os intimou a renderem-se, eles obedeceram imediatamente. A GNR, não brincava em serviço. Depois de terem sofrido as primeiras vítimas, tornaram-se tão violentos que os revolucionários não esperavam uma segunda ordem e levantavam os braços.

No dia seguinte, Mendes Cabeçadas convida Gomes da Costa a acabar com estas insurreições que tornavam o País ingovernável.

Cunha Leal, a 26 de Abril incita o Exército a salvar a República. Acusa o Partido Democrático de ter arrastado o País para o caos e para a miséria e os políticos se terem portado como verdadeiros parasitas.

Em 1 de Maio, o Parlamento é invadido por uma multidão que insulta os Parlamentares com uma linguagem imprópria para cardíacos e de gente civilizada.

A 3 de Maio, a polícia desmantela uma tentativa de implantação do Bolchevismo.

O povo e os intelectuais apelam ao Exército para que intervenha eficazmente e ponha cobro ao descalabro em que o País se encontrava.

A 25 de Maio o General Gomes da Costa, com o conhecimento de todos os Partidos aceita encabeçar uma verdadeira Revolução.

A 28 de Maio começa o acontecimento em Braga. A 29 a Guarnição de Lisboa dá o seu acordo.

Mendes Cabeçadas, Jaime Baptista, Armando Ochoa e Carlos Vilhena formam a Junta de Salvação Nacional e nomeiam, o Comandante da Polícia, Ferreira do Amaral, Governador Civil de Lisboa.

Informado de todos o procedimentos, para evitar confrontos e mortos, Gomes da Costa passa por Coimbra, pelo Entroncamento, faz uma pausa em Sacavém para se certificar que estava tudo como combinado e chega a Lisboa entre muitas palmas.

Gomes da Costa, com Mendes Cabeçadas e Armando Ochoa formam um triunvirato para começar um novo Portugal.

Mendes Cabeçadas manda encerrar o Parlamento.

A Primeira República cai sem um gesto de resistência.

A ideia de António Sérgio,, de Cunha Leal e de muitos outros de um Governo de Ditadura salutar, ganhou forma. Os militares pegaram-lhes nas palavras. Não havia outra solução.

A Primeira República de 1910 a 1926 foi considerada o regime Parlamentar mais instável e mais lamentável de uma Europa que também não era um exemplo de paz.

Coloque a máscara. Depois de uma grande tempestade vem sempre um tempo de bonança, com pequenas borrascas. Vamos ver o que acontece e como Portugal aceita a Ditadura Militar,, ter Ordem na Casa e continuar uma Segunda República.

 

Anterior “Primeira República 1910-1926. Promessas e miséria XII”

C.S

publicado por regalias às 16:25
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Cursos Universitários Onl...

. Seguros contra as pandemi...

. Alguns médicos e outros e...

. Portugal continua de luto...

. Dois milhões vivem com me...

. Com a morte na alma. O Pa...

. Todos tão bons e Portugal...

. Os países e as migrações....

. Homem novo e raça de Com...

. O ser humano está a regre...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub