Domingo, 27 de Junho de 2021

Primeira República 1910-1926 Promessas e miséria III

Aquilo que me confunde, entristece e irrita é verificar que Portugal tem gente francamente inteligente e os políticos falham por ninharias incompreensíveis. Umas vezes porque fazem promessas sem saber se as podem cumprir, outras por ganância sabendo que ninguém pode gastar mais do que necessita e o muito dinheiro que sobra faz falta a muitos outros, com a agravante que ainda usam de todos os subterfúgios para roubar milhões como se fossem ladrões analfabetos que atacam por instinto.

Os políticos que quiseram ficar com a República, depois de nove meses a estudar a melhor maneira de orientar o País, em Junho de 1911 ao formar a Assembleia Constituinte com 229 membros, determinaram, alem de outros assuntos, que a República Democrática consagrava o direito de resistência a qualquer Ordem que infringisse as garantias individuais, quando não legalmente suspensas, mas recusou a inserção do Direito à greve no texto Constituinte, depois de nos meses anteriores ter verificado o estado em que as greves estavam a deixar o país. O aviso não surtiu qualquer efeito. O povo, com direito ou sem direito fazia o que entendia, mesmo sofrendo tratos de polé.

A Constituição estipulou que o Presidente da República não teria mais do que uma função representativa.

Os outros artigos, podem sempre encontrá-los na Internet ou em livros nas Bibliotecas públicas, a minha ideia com estes Blogues é preencher o tempo e aumentar o conhecimento em altura de pandemia fechado em casa.

Neste ano aparece uma nova unidade monetária, o escudo, que enquanto vigorou na Primeira República nunca foi aceite pelos outros países, que o consideravam de valor nulo, e que, mais tarde, na Segunda República, Salazar conseguiu que fosse uma das moedas mais fortes do mundo.

Na Primeira República temos vários Partidos: o Democrático, o Evolucionista, o Unionista. O Partido Republicano Português (PRP) que já existia, toma agora o nome de Democrático; umas vezes aparece com uma designação, outras vezes com outra para melhor verificarem qual era aquela que mais agradava ao povo.

Muitos edifícios pertencentes à Igreja passam para as mãos do Estado que aí instala serviços públicos; Escolas, Finanças etc.

È criado o Museu Nacional de Arte Contemporânea.

Para impor a Ordem são incentivados os Batalhões de Voluntários, a quem o Governo não pagava nada. Tinham instrução militar nos quartéis aos Domingos de manhã.

Os Sindicatos foram sempre as suas vitimas preferidas. Os batalhões de voluntários eram formados na sua maioria por Carbonários especializados em dar sovas a quem falasse mal do Governo instalado no poder. Na prisão do Aljube os presos viviam em situações degradantes. Qualquer contestação feita pelos familiares, fora das grades da prisão eram imediatamente sufocadas pelos militares e pelos catbonários sempre à cacetada.

Mas se havia um tempo de acalmia, soldados e Carbonários aproveitavam para lutar uns contra os outros e assim definirem os terrenos a que tinham direito para espancar os cidadãos.

Os dirigentes Sindicais eram os mais apetecidos porque às vezes davam luta. Quando acusados de agitação contra o Governo eram perseguidos e depois de bem sovados, muitos foram enviados para as Colónias.

As greves não param e as bombas também não. O desmprego aumenta a fome e a miséria cresce com o fechar das fábricas onde os operários, inconscientemente, passam o tempo a discutir ps seus direitos, em vez de perceberem que sem trabalho não há direitos para ninguém.

Mas nos quartéis a indisciplina era semelhante ou pior. Os oficiais têm mais medo dos soldados do que os soldados deles.

A População Portuguesa anda pelos cinco milhões e quinhentos mil habitantes, a maioria a viver muito abaixo dos limites da pobreza.

Desde a implantação da República, entre 1910 e 1911 foram registadas 237 greves, a maioria com vários dias de paralisação.

A Europa olha Portugal com desprezo.

Coloque a Máscara. Os Vírus estão a pensar fazer férias em Portugal.

 

Anterior “Primeira República 1910-1926 Promessas e miséria II”

C.S

publicado por regalias às 08:08
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Portugal, País de marinhe...

. Acredito na inteligência ...

. Todos mandam, ninguém se ...

. “Liga” perde combate na c...

. Em 146 a.C destruíram Car...

. O fim da guerra com estro...

. Estupidez criminosa alime...

. Tanto quis ser pobre, que...

. Português -Russo, 145

. Português -Russo. 144

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub