Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

Quanto tens, quanto vales

Minha mãe gostava muito de ler. Devorava Camilo Castelo Branco e Eça de Queiroz e todos os escritores Portugueses e Franceses que apareciam na vila raiana a seu pedido na loja de ferragens do Sr. José Geraldes.

Lembro-me que os primeiros livros de Vergílio Ferreira e de Fernando Namora os li com onze anos. Mas comecei Camilo, com os meus dez.

No primeiro ano do Liceu Nun’Álvares, o Dr. Curado Banha não acreditou.

Ao fazer uma chamada a um colega sobre um texto referente a Camilo, o título era Samardã e o jovem disse que era um bicho. Todos gozaram tanto que ficou com a alcunha de Samardã, deixou o liceu, desapareceu com a vergonha. O único que explicou o texto como devia ser fui eu. O Professor ficou tão admirado que me perguntou o porquê de Vilarinho da Samardã. Disse-lhe que já tinha lido uns onze livros de Camilo. Ele não acreditou. Perguntou-me os títulos. Não falhei um e descrevi o enredo de três. A partir desse dia, o Dr. Curado de Banha, que era considerado uma fera, tratou-me sempre com muita amizade.

Voltando ao Samardã. Qual não foi o meu espanto, passados trinta anos, era eu Deputado, quando o Samardã me apareceu em São Bento. Claro que não o reconheci. Disse-me o nome, também não me lembrava. Só quando me disse: eu sou o Samardã, lhe dei um vigoroso abraço. Trabalhava no Pedro Nunes. Pensei que fosse Contínuo, não. Era professor de Matemática. Depois de o pai o ter posto a trabalhar no campo, alguns anos, resolveu voltar a estudar, que aquela vida é boa, para quem não conhece outra melhor.

Mas o que tem, toda esta lengalenga, a ver com o supracitado título?

Minha mãe que era uma apaixonada pela leitura, quando eu escrevi os dois primeiros livros: “O Nó”, poesia; e “Tu cá-Tu lá”, prosa, sem me dizer para deixar de escrever advertia-me que os escritores morriam todos pobres; e recordava Camões, Camilo, Balzac e pôr-aí-fora.

Como não tivesse sucesso com esta advertência, o mote seguinte passou a ser: “Quanto tens, quanto vales”, mostrando que, mais do que o valor das ideias escritas, contava a conta no Banco.

Não consegui seguir o sábio conselho. O dinheiro sempre me serviu de supletivo, a que nunca prestei grande importância e que só quando fui Deputado lhe tomei mais atenção porque aquelas contas pertencem a todos os portugueses. Aí fui sempre muito rigoroso. Fora dessa obrigação nunca fiz atenção a ganhos e perdas.

Mas é um grave erro, principalmente quando chegamos a velhos e verificamos que temos que ter mais cuidado com as contas. Ser um escritor de sucesso nem sempre chega quando há quem se aproveite, através de manipulações de um trabalho de anos e pior ainda quando verificamos que, quanto temos, é quanto valemos.

Quando se é jovem, nada disto tem importância, mas quando a velhice verga as pernas verificamos que foi bom estudar e escrever sobre aquilo que vivemos e observamos, mas é péssimo por não termos tido mais cuidado quando confiamos totalmente no ser humano, seja familiar ou de qualquer outra espécie.

 

Anterior “Incompetência ou falta de profissionalismo na Antena1”

C.S

publicado por regalias às 18:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Esplendor, PISA, Um dia n...

. A morte da felicidade

. "Portugueses no mundo", n...

. Francisco Assis, o 25 de ...

. Censura sobre livros, não...

. Historietas de historiado...

. Democracia do amiguismo, ...

. Joacine, rodeada de chaca...

. Doutoradas frustradas em ...

. Joacine, não largue São B...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds