Terça-feira, 28 de Janeiro de 2014

Quinze anos de fome, miséria e caos em Portugal

O ano de 1925 repete a desgraça dos anos anteriores. Milhares de operários desempregados são corridos à coronhada e à bastonada pela polícia e pela GNR. Há mortos e muitos feridos.

João de Deus Ramos afirma que os grandes problemas do país são o desemprego e a mendicidade. Mas pensa que tudo deriva da falta de instrução e cultura.

A inflação atingiu níveis incomportáveis e as revoltas são diárias.

Só existem duas classes, uma minoria de muito ricos e uma maioria de gente muito pobre.

O Governo proíbe a exibição de filmes contrários à moral e aos bons costumes.

A Guarda-fiscal é desarmada por decisão governamental.

O défice da Balança Comercial rondava os 80%. A situação financeira era desesperada.

A 18 de Abril dá-se o Golpe dos Generais a que se juntam alguns civis. Salientam-se Filomeno da Câmara, Sinel de Cordes, Freire de Andrade, Jaime Baptista, Raúl Esteves, Pequito Rebelo, Carlos Malheiro Dias, Antero de Figueiredo, Martinho Nobre de Melo e outros.

O Governo só perde o lugar quando quer e demite o ministro da Guerra, Vieira da Rocha, que pretende uma conciliação com os revoltosos.

Em Maio, o comandante da polícia, Ferreira do Amaral, é gravemente ferido pelos comunistas da Legião Vermelha. Este ato nunca mais lhes é perdoado e segue-se uma perseguição implacável contra estes criminosos.

São deportados, para a Guiné, dezenas de presos sem julgamento.

A vida torna-se impossível. Em lisboa rebentam mais de trezentas bombas e morrem dezenas de pessoas tanto civis como militares.

Como não há dinheiro, todos os comerciantes imprimem talões que servem para os trocos. Isto vai dar ideia a Alves dos Reis de cometer uma burla monumental.

Como o país vivia em caos permanente, Alves dos Reis consegue fazer imprimir em Inglaterra, na casa Waterloo & Sons, uma duplicação de notas. Com esse dinheiro funda o banco Angola e Metrópole e inunda o país de dinheiro. Faz muitos comerciantes felizes. Foi uma burla sensacional e que só foi descoberta seis meses mais tarde.

O país cai a pique. Viajar no país só de comboio. As estradas são péssimas. Lamacentas e intransitáveis no Inverno e poeirentas no Verão. O jornal “A Época” chamava a esta Democracia, a Ditadura da Incompetência.

Tenta-se mais uma greve geral, mas poucos aderem. Já ninguém acredita que as greves resolvam o que quer que seja.

Os juízes andam aterrorizados. Ser juiz tinha passado a ser profissão de alto risco.

A “Voz Sindical” de Setúbal grita aos quatro ventos que “O Povo odeia os políticos”.

Era o começo do fim da Primeira República que tinha sido um somatório de idealismo, instabilidade, ignorância, eleições fraudulentas, as chamadas chapeladas, prisões arbitrárias, caos e crimes hediondos.

C.S

publicado por regalias às 09:40
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Fascismo sem fascistas e ...

. Cunhal teve ideias premon...

. António Ferro, como era d...

. Deputados palhaços ou Dep...

. Quanto tens, quanto vales

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds