Terça-feira, 16 de Outubro de 2018

Só há um trabalhador em Portugal. Adivinhe quem é

O meu amigo Baptista, depois de lhe enviar um simples desafio de escrita, respondeu com o texto que vai em terceiro plano.

No segundo recordo este trabalhador empedernido e companheiros.

O Baptista era um falador incansável. Para minha desgraça sentava-se na carteira à minha frente. Por mais que lhe pedisse para se calar, ele não conseguia. Sempre que o Professor estivesse noutra onda, virava-se a meia banda e tinha sempre algo para dizer. Eu batia-lhe na careca reluzente. Ele nunca desistiu. Estávamos no quarto ano, hoje oitavo, do Liceu Nun’Álvares, em Castelo Branco. Eu não conseguia estudar em casa, as aulas eram a minha fonte de salvação e conhecimento. O Joaquim Vaz Antunes, o Victor Guterres, o Carlos Moura Pinheiro, o Gameiro, o José Galvão, o José Fevereiro, o Orlindo etc., não me largavam. Só não chumbámos nesse ano porque a Tia Anica nos salvou ao defender a igualdade entre pares de cábulas. A história é simples. O pai do Pardal era amigo do Reitor e este exigiu que passasse. A Tia Anica, professora de Ciências Naturais, opôs-se. Se passava o Pardal, todos os outros passavam. Escapámos. Todos tinham medo à tia Anica. O Vaz Antunes tinha 8 negas e um 16 a Ciências. Eu era um infeliz, apanhava-me sempre com algumas colegas fora do Liceu. Na aula a seguir, depois de me esticar, vinha sempre a mesma ladainha: “senhor C.S, senhor C.S, não se pode amar a dois Senhores ao mesmo tempo”. Pois o Baptista perante a recusa de recordar e publicar ESSES tempos da terrível e mentirosa Ditadura inventada por comunistas, ainda me enviou o texto consentâneo com ESTES tempos:

“Sabem uma coisa? Ando muito cansado…E comecei a interrogar-me sobre qual a razão de andar sempre tão cansado…Passei por várias etapas: a certa altura pensei que era da poluição ambiental…depois achei que era do “stress”…Até pensei que era da má alimentação que faço…ou que era falta de vitaminas…Enfim, pensei em todas as razões que se possam imaginar.

Até que acabei por dar com a verdadeira resposta…

Já sei por que é que ando sempre tão cansado!...

A população deste país é de 10 milhões de habitantes.

4 milhões estão aposentados.

Isso deixa 6 milhões para fazerem o trabalho.

Há 2,5 milhões de estudantes, pelo que sobram 3,5 milhões para fazerem o trabalho.

Destes, 500.000 fazem parte do Governo.

Ficam 3 milhões para trabalharem.

150.000 formam a Polícia, o Exército, a Força Aérea e a Marinha.

Isto deixa todo o trabalho para 2.850.000.

1.650.000 pessoas trabalham para o Estado. Caímos para 1.200.000.

Há 120.000 pessoas nos hospitais.

Descemos para 1.080.000 para fazerem todo o trabalho.

Há 130.000 pessoas inválidas.

Restam 950.000 para fazerem todo o trabalho.

Há 180.000 nas prisões.

Sobram 770.000 para trabalhar.

Há 160.000 ciganos que vivem da Natureza.

Isto só deixa 610.000 em condições de trabalharem.

Segundo o último recenseamento há 609.998 pessoas desocupadas ou na vadiagem.

Logo só há duas pessoas para fazerem o trabalho.

TU e EU.

…E, como tu estás aí sentado a brincares com a net, logicamente, eu tenho de andar muito cansado!"

Vejam bem do que o Baptista se havia de lembrar! Neste país já não se pode brincar. Até o Baptista se lamenta. Mas para fazer contas não há pai. Ou não tivesse sido ele, Inspetor das ditas.

Se o Centeno te encontra estás feito ao bife.

 

Anterior “A surpresa do Costa e o enterro do Partido Socialista”

C.S

publicado por regalias às 06:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

14

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Portugueses no Mundo, ama...

. Dois milhões e seiscentos...

. Portugal, país de atrasad...

. LGBT nas escolas e prosti...

. Lésbicas e lésbicos têm d...

. Sociais-fascistas do BE e...

. Exércitos perdidos no tem...

. Auditem-se Forças Armadas...

. Maldade é própria dos fru...

. Portugal, país do poucoch...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds